sexta-feira, 19 de janeiro de 2024

SEX AND THE GAZA STRIP

And just like that, Sara Ramirez foi cortada do elenco da série derivada de "Sex and the City". A justificativa oficial é a de que sua personagem Che já deu o que tinha que dar. Concordo, e faço parte do contingente que nunca foi muito fã da comediante não-binária que se envolve com a Miranda. Para mim, não fará falta. Mas a própria Sara foi ao Twitter dizer que foi demitida por apoiar os palestinos. Não sei se é verdade, e Hollywood de fato tem muitos executivos de origem judaica. Mas ser pró-Palestina não significa necessariamente ser anti-Israel. Eu apoio as duas nações. Sou contra mesmo é ao Hamas e ao governo sanguinário de Benyamin Netanyahu. O que não dá para aguentar é ver qualquer crítica ao massacre que os israelenses promovem na Faixa de Gaza ser tachada de anti-semitismo.

8 comentários:

  1. israel e arabia saudita foram criados pelos mesmos, nenhuma nação tem lá muito futuro. Mapas serão redesenhados que seja de forma pacífica

    ResponderExcluir
  2. Bixa, em hollywood até já teve gente demitida por pedir orações aos palestinos, ou por dizer que eles precisavam de ajuda humanitária (a mina da franquia pânico). Todo mundo por lá que diz que o genocídio do povo palestino não é maravilhoso tá levando pé na bunda sem cerimônia. Enquanto isso os judeus continuam se fazendo de vítima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. religião é uma merda, mas essas monoteistas que surgiram com o final do matriarcado meu deos

      Excluir
    2. 12:48-Nada a ver:o judaísmo é uma religião
      e acreditam em Deus,baby.

      Excluir
  3. Sempre existiu a lista negra em Hollywood ou eram os comunistas as mulheres que não queriam dar ou os desafetos do Weinstein estranho que as tentativas de intimidação não estão funcionando mesmo sabendo do corte atores continuam se manifestando sinal que na guerra de opinião Israel já perdeu.

    ResponderExcluir
  4. Lembra que os nazistas culpavam os banqueiros pela tragédia da primeira guerra ontem fiz um exercício tipo como seria um mundo sem bancos? E se a todos nós fosse dado o necessário pra viver bem sem precisar emprestar e pagar a juros, se pudéssemos desenvolver nosso potencial (que todo ser humano tem) sem precisar ser empregado de alguém, se não precisássemos pagar água (a coisa mais absurda que existe) ou comida não processada. You may say I’m a dreamer mas talvez a era do homem inseguro chegue ao fim, o capitalismo acabe e o grande potencial do ser humano seja liberado e esse será o fim de projetos facistas como Israel, banco Itaú, agronegócio e escravização das mulheres.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Felizmente,ainda temos bancos públicos-que
      valorizam a cultura,como o BB e a Caixa.

      Excluir
  5. Uma judia brasileira me chamou de antisemita porque eu disse que havia um Holocausto ocorrendo contra os palestinos. Tive que explicar para ela que palestinos também semitas, e que se criticar Sionismo israelense é antisemitismo, criticar o Nazismo seria então antigermanismo.

    ResponderExcluir