quarta-feira, 24 de janeiro de 2024

O VATICANO HINDU

Comparada a vizinhos turbulentos como o Paquistão ou o Afeganistão, a Índia é quase um oásis de tranquilidade. Sim, desde a independência já aconteceram por lá diversos atentados a políticos (como os que mataram Indira Gandhi e, mas tarde, seu filho Rajiv), ataques terroristas e escaramuças diversas. Uma das mais graves foi a destruição de umaa mesquita em Ayodhya, em 1992, por uma turba de fanáticos hindus. A desculpa é que ela havia sido construída exatamente no lugar onde teria nascido o deus Ram. Mais de 30 anos depois, o premiê Mahendra Modi inaugurou um gigantesco templo dedicado a Ramirez no local, batizado pela imprensa indiana de "Vaticano hindu". É uma provocação absolutamente desnecessária, porque a Índia tem a segunda maior população muçulmana do planeta (só pede para a Indonésia), com mais de 200 milhões de pessoas. Só que os hindus somam mais de um bilhão, e Modi quer deixar bem claro que são eles que mandam no país. É populismo dos mais rasteiros, que pode descambar para ainda mais violência. Mas isto não é problema para o primeiro-ministro: ele só quer garantir sua reeleição. Nem que custe um banho de sangue.

3 comentários:

  1. Em 2011, fui numa grande conferência estrangeira em Mysore.
    Na entrada do centro de conferências tinham soldados armados com metralhadorasa assim como nas portas dos hotéis que ficamos.
    Os ônibus que nos transportavam eram sempre escoltados pela polícia.
    Os indianos que organizaram o evento diziam que tudo aquilo era para evitar um ataque terrorista que que alguém poderia fazer por causa da alta concentração de pessoas estrangeiras, onque chamaria a atenção da mídia internacional.

    ResponderExcluir
  2. ÍNDIA:Vai indo que eu não vou,mesmo.kkkkkkkkkkkkk
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  3. Olhando a foto, juro que eu pensei que fosse um Carro Alegórico da Unidos da Tijuca kkkkkkkkkkkk Ainda bem que vc explicou do que se tratava. Então, meus respeitos aos hindus, assim como meus respeitos a todas as religiões.

    ResponderExcluir