quarta-feira, 1 de novembro de 2023

TRAVESSURAS, GOSTOSURAS E GUERRA CULTURAL

Os dois netos do meu marido me chamam de vovô, então são meus netos também. A mais velha tem 9 anos de idade e o mais novo, 6. Ontem eles se fantasiaram de vampiro e alma penada, e ficaram especialmente fofos. Vampiro a quem falta um dentinho, olha só que perigo. Essas duas crianças já entenderam o significado do Halloween: é uma festa em que você se fantasia de monstro para aliviar o medo da morte. Os doces são meros coadjuvantes. Lá nos Estados Unidos, o Halloween já está sendo desvirtuado. Tornou-se um simples carnaval, em que as pessoas se fantasiam de qualquer coisa. Aqui no Brasil, virou pretexto para guerra cultural. Católicos e evangélicos reclamam da origem "satânica" da data, e teve até prefeito burro do interior proibindo qualquer tipo de comemoração. Já os wokes acham que se trata de colonialismo cultural, como se o Natal e o Réveillon fossem festas tipicamente brasileiras. A galera ignora que o Halloween data de antes do cristianismo. Os antigos celtas já celebravam um dia em que espíritos estariam à solta pelo mundo. Então, podemos dizer que é uma tradição profundamente nossa. Porque um número enorme de brasileiros tem antepassados europeus, e os celtas estão na árvore genealógica de quase todos os povos da Europa moderna.

43 comentários:

  1. Espero que o prefeito burro do interior vire fantasia de Halloween no próximo ano. Algo bem bizzaro, com a cabeça aberta e lá dentro não tem nada, é oca, onde pode-se depositar os doces recebidos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já temos o fast-food da comida,agora temos o
      fast-food cultural.Curupira que é bom,nada.

      Excluir
  2. Respostas
    1. Não,é uma coisa que lembra duas palavras
      que o Tony usa muito:cafona e brega.

      Excluir
  3. Muitas festas tradicionais brasileiras são na verdade heranças culturais de outros países e que foram adaptadas aqui -carnaval, festas juninas, festas de dias dos mortos, etc. É a deixa para os chatos falarem em imposição cultural ou a chata-mor da Gabriela Priolli defender a transformação do São João em micareta. Uma vizinha evangélica impedia a filha de participar das quadrilhas por ser uma "festa pagã". Pqp.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pior que transformar São João em micareta é
      importar festa de país que não tem nada a ver
      com a gente.Já importamos "as armas pro
      cidadão de bem" agora,isso também?Pqp.

      Excluir
    2. E assustadora a incapacidade de debate, troca de ideias e compreensão de tese e anti-tese da sociedade brasileira. A "chata" Gabriela Priolli não defendeu a transformação de São João em micareta - ela somente atentou para o perigo de impor o que é "tradição" e o que não é. Cultura, principalmente a brasileira, é mutável, evolui e é inclusiva. Sim, existe uma dominação do sertanejo (que eu abomino, por sinal) no cenário musical brasileiro, mas é altamente arrogante e tipicamente sudestino definir qual tipo de música é aceitável e deve ser tocada, em detrimento ao que o público quer escutar.

      Excluir
    3. Esperando a Joana vir aqui responder pra falar que é do sudeste de onde vem música boa. #fight

      Excluir
    4. Não tem nada a ver com "sudestino"-tirando a
      Capital e Grande SP,Araraquara e Niterói-o
      Sudeste deu mais votos ao 22 que ao 13 no
      ano passado.95% dos cantores sertanojos
      apoiaram o Inelegível-o Gustavo Lima,por
      exemplo,é do Sudeste(Sul de Minas).

      Excluir
    5. Eu não achei errado o que a Prioli falou não, mas também não acho que a sociedade francesa do Fernando seja ótima para discussões. Se fosse, não teriam os franceses proibido o hijab.

      Excluir
    6. Sabia que você não ia me desapontar, Joana.

      Excluir
    7. João,

      Hora de acertar o número de sessões com o terapeuta e a dosagem dos medicamentos, porque os comportamentos compulsivos-obsessivos estão voltando.

      Mil perdões, esqueci que o sistema de saúde americano não é universal. :/

      Bisous et me erra,
      Fer.

      Excluir
    8. Vivo nos dois países, bebê. Tenho saúde tanto nos EUA quanto no Brasil. Já soube que a fila tá longa em Paris e que nem todo mundo tem acesso a PrEP e testes para DST...tenso, hein! Bisous, os que bom que gostamos da Prioli...

      Excluir
    9. Na França,proibir manifestações pró-Palestina
      lembra muito um famoso filme americano.Mas,
      felizmente,milhares de manifestantes foram as
      ruas.Macron,Macron......

      Excluir
    10. João,

      Olha só! Plano de saúde privado em dois países. Mas... isso não quer dizer que você TEM, mas PAGA por, não é mesmo? Privilégio de classe se chama? Melhor não deixar os amigos woke saberem disso, hein...

      E pequeno teste: qual é o protocolo do sistema de saúde francês para obtenção da PrEP e exames de DSTs?

      Excluir
    11. Liberté apenas para franceses...
      Adoro a França, as coisas culturais...mas não dá para passar pano.

      O problema dos EUA é que todos implicam com este, mas poucos os conhecem. Fernandinho mesmo um dia falou que a sociedade multicultural americana é ruim, porque ninguém se entende. Como se a França fosse homogênea (não é, mas nega e abafa sua diversidade étnico-cultural e linguística -- nem o pedacinho de País Basco reconhece). Aí fica nessa...guerra de estereótipos. Acho que Fernandinho já deve ter algum tipo de documento para conhecer os Estados Unidos da América e se apaixonar...
      Como tantos franceses que amam viajar aos EUA e torram seu dinheiro lá (só não podem esquecer da higiene básica, porque americano é limpo quase como nós, brasileiros).
      Bitocas!

      Excluir
    12. Para de enrolar e responde a pergunta: qual é o protocolo do sistema de saúde francês para obtenção da PrEP e exames de DSTs?

      Estou ansioso esperando pela tua brilhante resposta, mon cher.

      Excluir
    13. Eu não pago pelo meu plano de saúde nos EUA. Meu empregador paga. Acho que você não conhece o sistema americano, que também existe em outros países. Tipo nós do Sul Global que pagamos pelo seu direito a greve e outras belezuras francesas. Inclusive você posta bastante aqui hein? Tá de greve? Kkkk

      Excluir
    14. O maior problema do sistema americano são as coparticipações. Exorbitantes.

      Mas acho que há muita coisa boa nos EUA, sim.

      Excluir
    15. Joãozinho,

      Deixa de enrolar e assume: você não sabe. Você faz afirmação sem estar baseado em fato e fala merda. Quando você é confrontado e encostado na parede, ataca a pessoa no lugar do argumento. Tudo isso para quê? Desviar a atenção da tua arrogância e altíssimo nível de insatisfação pessoal.

      Tua dialética tá digna de um troll trumpista-bolsonarista, apesar do teu verniz acadêmico. Se manca. Uma pessoa com as tuas oportunidades (criação ZS, família tradicional, percurso acadêmico em federal e no exterior) tem obrigação moral de estar em outro patamar. Tá de dar pena.

      E para evitar vexame futuro teu: a PrEP é um medicamento prescrito por qualquer clínico geral aqui na França sob condição de realização de bateria de exames (HIV e DSTs). Consultas, exames em hospitais ou laboratórios privados e medicamentos prescritos são 100% reembolsados pelo sistema - os dois últimos até mesmo sem necessidade de pagamento prévio, somente chegar na farmácia e sair com tudo. Sistema válido inclusive para os migrantes ilegais sem papéis e pedidos de asilo. Como eu sei disso tudo? Um ex proprietário de farmácia, 4 amigos médicos e 6 meses trabalhando na Cruz Vermelha como voluntário para processar pedidos de asilo. Como eu sei que você não sabe? A única forma de ter problema de acesso é faltando PrEP, o que é impossível dado que a indústria farmacêutica é um dos pilares desses país. Portanto, fake news mais uma vez, inteligentão.

      E acabou a minha paciência com os teus arroubos trollistas assim como o que restava de respeito com você. Agora falou merda, vai levar de volta.

      E musiquinha para acalmar tua noite de sexta-feira, porque o champagne tá esquentando e a paciência acabou.

      https://www.youtube.com/watch?v=H1Yt0xJKDY8

      Excluir
    16. KKKKKKK

      Que mágoa de caboclo é essa, bebê? Não pode falar mal da França? Eu tenho que aplaudir a Martinica e o Haiti? Aff, menos. Vergonha me dá quando você fala de um país que sequer visitou.

      Obrigado pela aulinha de PrEP. Fico contente que seja assim, porque a fama é da França é de bareback sem teste de DST...mas que bom que as coisas estão melhorando e os inferninhos europeus estão com mais dignidade...

      Sobre "imigrantes ilegais", o certo é "indocumentados", tá? Nenhum ser humano é ilegal.

      Toda a minha formação no Exterior veio de mérito + bolsas. Nunca gastei 1 centavo. Você também foi estudar n Exterior e, até onde sei, escola de negócios na França não é pra qualquer um...

      Mas um beijo para você, curte sua champagne e o outono. Um beijo!

      Excluir
    17. Conheço vários migrantes indocumentados nos EUA, que têm cidades, universidades, empresas que acolhem essas pessoas. Eu duvido que tenha doutorandos na França sem documentos. Espero que tenha mas acho que as chances são baixas. Depois me conta, bebê. E bom fds...indo correr! Porque preciso cuidar deste corpo lindo...

      Excluir
    18. BOA,JOÃO!!!!!!!!!!!Abraços.

      Excluir
  4. Você conseguiu escrever este post sem falar do infame "dia do Saci", o que eu acho de uma deselegância imensa com o já existente dia do folclore (22 de agosto).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele colocou o Saci na capa do post,você não viu????
      Infames são feriados tipo 7 de Setembro e 15 de
      Novembro.Nem vou falar dos feriados religiosos.

      Excluir
  5. O Mio Babbino Caro
    E não há como não ceder ao encantamento das crianças. Tendo a achar que tudo isso que acontece nesse período de finados e todos os Santos, vá se fundindo adquirindo traços regionais e continue a brincadeira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só se for as crianças de classe média-alta,claro.
      Nossa elite odeia o Brasil-são cabolclos querendo
      ser ingleses,como dizia o Cazuza.

      Excluir
    2. É só uma festa a mais. Na minha época nem Dia das Crianças tinha, era só o Natal e olhe lá. Lembro, por exemplo, que o dia de Cosme e Damião era bem popular, hoje nem tanto. As crianças se divertem, o comércio lucra, o pessoal das empresas também entram no clima. Não precisa entrar em grandes discussões culturais e nem substituir as festas tradicionais por causa disso.

      Excluir
    3. Seu VELHO... é assim que as viadas novinhas acham que definem qualquer opinião além de seus verdes miolos

      Excluir
    4. É só uma festa que não tem nada a ver com a
      nossa cultura-é igual Dia das Mães e Dia dos
      Pais-que também os americanos inventaram.
      Brega e cafona,cafona e brega que só vendo.

      Excluir
  6. Texto fantástico, entretanto, uma cultura não exclui a outra! Tão fácil resolver. Só se fantasiar de Saci Pererê! Quanto aos religiosos de plantão, é só olhar para o próprio umbigo e perceber o qual monstruosos eles tem sido ultimamente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É colonialismo cultural,sim!Usam uma palavra
      inglesa como o nome desta festa importada
      dos EUA.O Saci Pererê é negro e brasileiro!

      Excluir
    2. Nelson Rodrigues e Ariano Suassuna mandam
      lembranças-claro,somos uma República das
      Bananas e uma República de Bananas ao mesmo
      tempo!!!!United States of Piauí,como cantava o
      Gonzagão(mais atual do que nunca)!!!!

      Excluir
    3. Pode fazer blackface pra se fantasiar de saci? Uma perna eu já cortei.

      Excluir
    4. 10:44-Vai fritar hamburguer com o Carluxo
      na terra do Halloween.Ou botar a tua vó pra
      fazer o papel de bruxa.

      Excluir
    5. 16:23-Você trocou os filhos:é o Bananinha
      que fritava hamburguer........rs.

      Excluir
  7. "...como se o Natal e o Réveillon fossem festas tipicamente brasileiras." Calma né, Tony!?! O que seriam festas brasileiras? Essas datas compõem o calendário do colonizador português.
    Realmente, até a primeira década dos anos 2000, os brasileiros não comemoravam halloween, nem criança nem adulto, acho que a data foi puxada com as redes sociais, já que é uma festa extremamente instagramável. Acho curioso como o pessoal do norte busca motivo para para se fantasiar, dos desfiles de moda ao halloween, desejo este que conseguimos saciar na nossa semana de Carnaval.
    O bacana é que essa festa não tira a comemoração do folclore brasileiro, então deixa o povo arranjar motivo para se fantasiar e se divertir, a realidade já anda dura demais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que povo?Só se for a turma que empina a pipa
      no playground do condomínio.É uma festa
      instagramável e insuportável aqui no Brasil.
      Em NY é diferente,lá o Halloween vale a pena ver.

      Excluir
    2. No CCAA sempre teve halloween nos anos 90, mas era algo só entre as turmas. não saía do curso.

      Excluir
  8. Isso tudo é puro bafafá que o pessoal cria para chamar a atenção, como o tal prefeito bem conseguiu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nosso povo é esquisito:quando torcem pro Brasil
      na Copa do Mundo,são nacionalistas.Mas,quando
      chega a hora das festas populares,pegamos o que
      vem de países que tem metade da nossa existência.

      Excluir
  9. Lembremos que o halloween é festa celta que também existia provavelmente na Península Ibérica. Tanto é assim que a Igreja Católica criou os dias 1/11 e 2/11. Os celtas estavam em Portugal e Espanha. Eram os celtibéricos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É,mas o Halloween é muuuuuuuuuuuuuuuito
      americano.Assim como o Natal de hoje em dia.

      Excluir