quarta-feira, 15 de novembro de 2023

HOSPITAL DO BARULHO

Hoje é daqueles dias que desafiam a lucidez de quem não é torcedor fanático de nenhum dos lados entre Gaza e Israel. A forças israelenses invadiram o hospital al-Shifa, o maior de Gaza, depois de bombardeá-lo sem dó por dias, para encontrar miltantes islâmicos lá dentro. Parte do mundo grita "genocídio", a outra repete que Israel tem mesmo é que pegar pesado. Minha amiga Mariliz Pereira Jorge lembrou na Folha que o exército israelense não viola mulheres, não degola bebês na frente dos pais e nem leva velhinhas como reféns. De fato, precisamos ter em mente que o Hamas é tão horrível quanto o Estado Islâmico: sanguinários, insensíveis, contra os direitos das mulheres (que eles oprimem) e dos gays (que eles matam). Nossa esquerda não sente um pingo de vergonha por apoiar esses bandidos? Só que muita gente ainda confunde o Hamas com os palestinos, e o desgoverno Netanyahu com Israel. OK: ambos foram eleitos legitimamente por seus povos. Mas o Hamas não prmove eleições desde 2006, e Bibi vem fazendo o que pode para dinamitar a democracia israelense para se eternizar no poder. Porque ele sabe que, no minuto em que essa guerra acabar, seu mandato também acaba,. e ele terá que enfrentar numerosas acusações na Justiça, igualzinho ao Edaír. O primeiro-ministro criminoso acha que pode fazer o que quiser e perder a simpatia de todas as nações do mundo, conquanto ainda tiver carta branca dos Estados Unidos. Acontece que a paciência de Joe Biden está acabando, e o eleitorado jovem pode se votar contra ele nas eleições presidenciais de 2024.

11 comentários:

  1. Sua amiga Mariliz está sendo muito ingênua a acreditar que um exército numa guerra não viola mulheres e não mata crianças. A guerra aflora o que há de pior no ser humano e estupro é uma das primeiras coisas que ocorre numa situação de conflito quando o lado adversário é capturado desde que o mundo é mundo. É assim em qualquer lugar, em qualquer época. Imagina se esse tipo de coisa não vai acontecer em uma situação onde o ministro da defesa fala de forma clara que as leis da guerra estão suspensas e que ele não se responsabiliza pelo que o seu exército fizer como falou o ministro da defesa de Israel?
    Que fique claro: não estou defendo grupo terrorista algum aqui.

    ResponderExcluir
  2. Hamas governa legitimamente a Palestina?
    Não sabia.
    Senti-me burro agora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você não é burro, só é desatento. Releia o texto: eu escrevi que o Hamas foi ELEITO legitimamente, em 2006, e desde então nunca mais promoveu eleições. Ou seja, sua legitimidade foi para o caralho há muito tempo.

      Excluir
    2. Pior é Israel que é governada POR UM TRUMPISTA
      E BOZISTA METIDO A CRENTE há muito tempo.

      Excluir
  3. Sério q vc tá passando pano para Israel?

    ResponderExcluir
  4. Israel mata logo às centenas, mas à distância pra manter a sepse de tudo.

    ResponderExcluir
  5. Que passada de pano, hein? Como assim o exército de israel não faz isso nem aquilo? Eles literalmente vem massacrando civis a rodo, taxando todo palestino de terrorista. Pergunta pra sua amiga qual o segredo pra justificar genocídio étnico, porque aparentemente ela descobriu.

    ResponderExcluir
  6. Obrigado pelo texto no ponto. Estamos diante de um crime talvez somente visto na África do Sul.

    ResponderExcluir
  7. A esquerda, eu sou de esquerda, não apoia o Hamas e sim o direito a existência do povo palestino, que há anos (desde os anos 40 do século passado) vem sendo oprimido e assassinado pelos israelenses

    ResponderExcluir
  8. Eu fiz um comentário muito respeitoso, porém crítico que não foi considerado...

    ResponderExcluir