segunda-feira, 6 de novembro de 2023

ASSASSINARAM O CAMARÃO

Eu já era adolescente quando os Trapalhões se tornaram um fenômeno de popularidade, então o humor do grupo nunca me pegou de jeito. Achava óbvio, rasteiro, para quem não tinha as primeiras letras. Mas claro que alguns esquetes eram mesmo engraçado, e o talento dos quatro, inegável. Até escrevi uma ação de merchandising para uma marca de iogurte interpretada por eles, e fui ao Rio acompanhar a gravação. Depois de tantos anos, só didi e Dedé continuam entre nós, mas Mussum se tornou uma entidade. Maior do que jamais foi em vida. E o mais recente furto dessa carreira pós-mortem é "Mussum - o Filmis", que traça a carreira de um dos maiores humoristas brasileiros de todos os tempos. O roteiro tem meio que um final feliz, pois acaba antes que as complicações de um transplante de coração levassem embora o biografado, em 1994. Só o camarão dos Originais do Samba tem morte trágica no longa de Silvio Guindane.. Talvez seja melhor assim, para o público sair do cinema de coração mais leve. Embalado pela assombrosa atuação de Ailton Graça e do elenco de apoio, muitos deles parecidos às figuras históricas que encarnam. "Mussum" não chega a ser uma obra-prima nem propõe uma reflexão profunda sobre o racismo estrutural, mas é um retrato honesto e divertido de uma figura que faz parte da memória afetiva de todos nós.

16 comentários:

  1. Os textos do Tony começam tipo "Eu já era casado quando a menina Dercy dava seus primeiros passos no teatro.".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deixa ele bancar o sábio ancião em paz.

      Excluir
    2. Tony é quatrocentao carioca, phyno,viajado! Falando em Dercy, a filha dela morreu domingo.

      Excluir
    3. 01:11 O mais fodástico é que a garotada com 20 e poucos nem sabe quem é Dercy.

      Excluir
    4. 13:51-Sabem,sim-principalmente,por causa
      do Youtube.E o Mussum,também.

      Excluir
    5. Ao 12:14: no Rio não se usa a expressão "quatrocentão" (e em São Paulo, cada vez menos). Eu sou carioca, mas minha mãe paulista era quatrocentona. Acho que isto faz de mim um duzentão.

      Excluir
  2. Quem continua entre nós não é o Didi. É o Dr Renato.

    ResponderExcluir
  3. Os Trapalhões programeco horroroso extremamente gayfobico! Muito me admira que gays gostem daquilo! E os únicos ali com carisma era Mussum e Zacarias, os outros dois apenas canastrões.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 08:01-Programeco horroroso é novela crente da
      Record!O resto é coisa de patrulheiro!kkkkkk

      Excluir
    2. Só o Mussum era engraçado.Ele tinha uma incrível
      alegria de viver que muita gente que é podre de rica
      não tem como o Neymala.Mussum Forévis!!!!!!!!

      Excluir
  4. Por que meu comentário foi censurado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este filme mostra que existe vida inteligente
      no cinema nacional,com certeza.

      Excluir
    2. Com você se identificando como anônimo, não tenho com saber qual foi seu comentário censurado. Manda ele de novo.

      Excluir
  5. O Zacarias também era engraçado. O Dedé interpretava o sem graça do grupo. E o Dr. Renato o que pior envelheceu. Alguém rápido faz uma camisa:
    Didi
    Dedé
    Paul &
    Ringo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Mussum era o mais engraçado dos 4.E também
      cantava e tocava instrumentos musicais.Só assistia
      Os Trapalhões por causa dele.Este sim,foi um mito.

      Excluir