sexta-feira, 6 de outubro de 2023

GUERRA E PAZ

Mais do que merecido o Nobel da Paz para a dissidente iraniana Narges Mohammadi. Mas tenho cá sérias dúvidas de que o prêmio a ajude a ser libertada. Pelo contrário: depois de um ano dos maiores protestos desde a queda do xá, o regime dos aiatolás continua firme, e aumentou ainda mais a repressão às mulheres. O pior é que esse recrudescimento pode ser parte da estratégia do presidente Ebrahim Raisi para se reeleger em 2025 e, quem sabe um dia, chegar a Líder Supremo do país. Acontece que seu governo tem sido um desastre econômico. Então, ele apela para a guerra cultural, no sentido mais literal possível. E é assustador pensar que este massacre todo agrade aos conservadores. Pode anotar: não vai haver transição de poder tranquila no Irã.

2 comentários:

  1. As sanções econômicas do ocidente só pioram as coisas para a classe média e os pobres. As elites - políticas, econômicas e religiosas, ficam cada vez melhores e mais fortes por causa disso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se as coisas nunca se tornarem pior para a classe média e os pobres nunca haverá a menor esperança de uma revolução. Ninguém vai causar uma rebelião só por questões culturais, sem é preciso o fator econômico.

      Excluir