segunda-feira, 4 de setembro de 2023

SUPREMO MACHISMO

Tudo bem que Lula foi mandado para a cadeia por juízes do STF que ele ou Dilma haviam indicado. Mas, por mais traumatizado que ele tenha ficado, isto não lhe dá o direito de apontar mais um amigão do peito para o STF. Incrível como o presidente, dono de um faro político tão elogiado, não tenha percebido que já basta o Zanin e que o Supremo não pode ter apenas uma mulher. Não no ano da graça de 2023. Consta que a Janja está tentando fezer a cabeça do marido, porque mais um homem branco na corte simplesmente não dá. Queremos uma mulher, e de preferência, negra! Tomara que a primeira-dama tenha sucesso. Caso contrário, em 2026 eu vou ter que procurar um candidato realmente progressista.

ATUALIZAÇÃO: Lula continua dando provas de que só está preocupado consigo mesmo, não com sua base e nem mesmo com o Brasil. Nesta terça, o presidente defendeu que os votos do STF sejam secretos, um absurdo total. Disse que isto protegeria os ministros da fúria dos que forem contrariados pelas decisões da corte. Balela: Lula só quer proteger a si mesmo, depois das críticas que recebeu por indicar o homofóbico Cristiano Zanin. Só conseguiu mais um motivo para ser criticado.

13 comentários:

  1. Tonyah não perde a oportunidade de criticar o melhor presidente do Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os governos do PT quase nunca
      acertaram nomeando ministros do
      STF.O Alexandre,nomeado pelo
      Temer,é muito mais progressista
      que o reacionário Zanin.

      Excluir
    2. Ele é incriticável ?

      Excluir
    3. Veja a fala toda de Lula em sua 'ATUALIZAÇÃO': Ele sabe que os votos dos ministros não podem ser secretos.

      Excluir
  2. “ isto não lhe dá o direito de apontar mais um amigão do peito para o STF”
    Como fizeram todos os presidentes inclusive ele e Dilma”
    Fatão: depois que o mandato acaba, acaba qualquer romance entre presidente e ministro indicado.

    ResponderExcluir
  3. Não basta ser mulher e negra. Tem que ser TAMBÉM progressista.
    O que me preocupa é que essa é uma bomba que vai explodir primeiro no nosso colo. Mais um conservador pavimentaria o caminho para um futuro tenebroso para quem é LGBTetc. Um dia a extrema-direita vai, infelizmente, chegar ao poder novamente e colocar mais quantos ultra radicais a situação permitir. Não gosto nem de pensar.

    ResponderExcluir
  4. Se ele colocar uma mulher negra integrante da Universal do Reino de Deus, tá valendo?

    ResponderExcluir
  5. Há uma diferença entre a divulgação do resultado de um julgamento e a divulgação de como cada juiz votou. Na Alemanha, há a divulgação apenas do resultado, salvo se o juiz quiser divulgar seu voto dissidente. Existe uma crítica sobre o personalismo dos juízes da Suprema Corte no Brasil e nos EUA, mas mesmo nos EUA há pouca divulgação sobre o processo de deliberação dos juízes. Conta-se, por exemplo, que juízes lá tendem a fazer o papel de "advogado do diabo" nas arguições com advogados para testar a força dos argumentos. Não há transmissão. Num país pouco transparente como o Brasil, existe sempre a preocupação de que isso atinja a publicidade das decisões. Mas é fato que há muitas decisões individuais (liminares, decisões monocráticas etc) e pouca valorização do resultado do colegiado. Sem contar os ministros que gostam de aparecer, falar dos casos que vão julgar etc. O que o Lula quis dizer com o comentário só as vozes na cabeça dele podem esclarecer por completo. Mas há, sim, um debate sobre a forma como se divulgam os resultados de decisões colegiadas. E, sim, é uma preocupação danada se o Lula nomear mais um homem branco conservador. Se ele não fizer o movimento no sentido de alguém progressista, podemos esperar coisas parecidas com o que a Suprema Corte dos EUA vêm decidindo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cada país tem suas tradições. A Alemanha tem análise abstrata de constitucionalidade. Os EUA têm análise concreta, vinda de uma cláusula constitucional inespecífica, típica de um documento de séculos atrás. O Brasil mistura ambos. Ou seja, uma lei pode ser questionada sem um caso que a aplique (modelo alemão e austríaco). Cada país é um país.

      Excluir
  6. Ah, como são gostosas as pautas identitárias! Por que o sinônimo de diversidade sempre tem que ser uma mulher negra? Qualquer indicação diferente de uma indígena trans não-binária obesa neurodivergente cadeirante será uma grande decepção!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 02:52-CALA A BOCA,MALACHEIA!!!!!

      Excluir
    2. Porque o Brasil recebeu 5 milhões de escravizados, querido. Parece que você não se educou sobre.

      Excluir