sexta-feira, 22 de setembro de 2023

FOGO PERDIDO

Foi injusto de minha parte esperar que, logo no romance seguinte, Itamar Vieira Junior entregasse uma obra-prima do mesmo calibre de "Torto Arado". "Salvar o Fogo" não é ruim, mas não engaja nem encanta como seu ilustre antecessor. Talvez porque o autor não tenha saído de sua zona de conforto: a história mais uma vez tem protagonistas femininas, que sofrem todo tipo de opressão num cenário baiano de extrema pobreza rural. Tem até uma personagem que aparece em "Torto Arado", Maria Cabocla. Nada disso seria grave se a narrativa algo desfocada tivesse me agarrado. Levei mais de três meses para completar a leitura. Também fiquei esperando por um momento de total deslumbramento como a última parte do "Arado", e ele não veio. Itamar ainda reagiu mal às críticas negativas ao livro, e acusou de racismo Lígia Diniz, que fez uma resenha contundente na revista "451". Saiu chamuscado pelo próprio fogo que ateou.

14 comentários:

  1. Três meses pra ler um livro? Então é ruim msm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não,é que o Tony tem muitos afazeres,
      mesmo.Hoje em dia,o povo fica mais
      tempo vendo celular que livro-não estou
      falando do TG....

      Excluir
  2. Não é a primeira vez que ele fica pistola com críticas -- vindas de mulheres. Uma escritora negra, cujo nome agora não consigo lembrar, criticou alguns aspectos de Torto Arado -- embora tenha dito que gostou muito do livro, foram só alguns aspectos -- e recebeu uma péssima reação do autor. Uma pessoa que escreve precisamente sobre mulheres fortes deveria ter um pouco mais de preparo para lidar com críticas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema é que tem gente que não quer
      saber que escritores negros de sucesso.
      Nos EUA,pode.Aqui,não.Hipocrisia....

      Excluir
    2. Inclusive você, né? Falou mal do Rio, palco de praticante todas as histórias de Machado de Assis...Kkkk

      Excluir
    3. João,o Rio tem um vereador bolsonarista
      e dirigente do Framengo que mordeu a
      virilha de um torcedor.....É a Malafaiolândia,
      Edir Macedolândia e Carluxolândia ao
      mesmo tempo.kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
    4. 20:56-Aquelas pseudo-cantoras que
      a mídia gosta,atualmente são do RJ.
      Uma pior que a outra.....

      Excluir
    5. Já viajei Brasil afora e garanto que a qualidade da música é bem abaixo. No Rio ainda tem uma roda de samba, uns tambores de olokum. Você chega em qualquer cidade media fora do RJ e o cardápio são bandas de música tosca. Sertanejo. Uó!

      Eu não frequento a Barra da Tijuca...

      Excluir
    6. É,mas ela pertence ao RJ.Assim,como Dona
      Ludmilla,Anitta,Iza,Jojo Todinho Estragado,
      etc.A Barra pertence ao RJ assim como
      Guaianazes pertence a SP.Mas,tem gente que
      esnoba.....na tua terra,não tem nenhuma rádio
      que toque sertanojo.Não faz falta nenhuma.

      Excluir
  3. Itamar passou por volta de um mês sem nunca mencionar a tal crítica, e só o fez quando a racista o chamou de intelectualmente preguiçoso quando ele a ignorou no twitter. Uma mulher branca ofender publicamente a capacidade intelectual de um homem negro e o chamar de "sujeito" é literalmente um ataque racista (direto do Brasil colônia, diga-se de passagem). Para um "aliado" você adora se fazer de tonto, virando parte do problema e não da solução.

    ResponderExcluir
  4. Eu não consegui terminar Torto Arado. Fui até a metade e decidi ir para coisas mais interessantes. Não achei ruim, mas também não me prendeu. Acho que toda a expectativa de tanto ouvir que era uma obra prima, também não ajudou.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Traduzindo:o brasileiro não gosta de escritores
      negros porque somos um país hipócrita,mesmo.

      Excluir
    2. Eu tenho muita dificuldade com best sellers...

      Excluir
    3. João,o brasileiro só gosta de escritor negro
      gringo.Conseguiram transformar o Machado
      de Assis num branco,com muito esforço da
      nossa elite.Faz pouco tempo que isso mudou.

      Excluir