quinta-feira, 21 de setembro de 2023

FALTA ALGUÉM EM NURENBERG

Advogados que defendem vândalos, racistas, homofóbicos e feminicidas estão ficando sem argumentos a favor de seus clientes, ainda mais quando esses foram pegos com a boca na botija. Veja só como o advogado Ronaldo Alves Andrade tentou arrancar lágrimas a plateia durante a sessão que resultou na mais do que justa perda de mandado do agora ex-vereador Camilo Cristóforo, por dizer "coisa de preto" quando o microfone ainda estava aberto. "Adolf Eichmann veio (não, fugiu) para a Argentina, e aí a Mossad, polícia secreta de Israel, mandou sequestrar esse oficial (não, capturou um fugitivo) levando-o para julgamento em Israel. É evidente que o julgamento só poderia ser um, enforcamento de Adolf Eichmann. Não poderia haver julgamento imparcial, ele não estava sendo julgado por julgadores não-imparciais. Eichmann não foi julgado, foi pré-julgado". Cotiaidnho do Eichmann, não é mesmo? Despachou milhões de judeus para a morte e ainda alegou que só cumpria ordens, inspirando a Hannah Arendt o imortal conceito da "banalidade do mal". Os advogados dos réus do 8/1 estava obviamente jogando para os minions, mas esse Andrade conseguiu ir ainda mais baixo. Alguém que não seja escancaradamente neonazista vai se comover com essa cretinice?

8 comentários:

  1. Pior que neonazistas não faltam no Brasil e ainda existe por aqui o curioso fenômeno dos nazipardos. Alguns deles estavam nos ataques de 8 de janeiro.

    ResponderExcluir
  2. Muita VA desses advogados.

    ResponderExcluir
  3. TODOS tem direito a defesa. Até os nazistas tiveram. Por que não os patriotas de 08/01? O advogado só estava argumentando.

    ResponderExcluir
  4. E mundão de merda se fossem rapazes negros seriam mortos.
    Privilégio branco até pra tirar a pica pra fora bando de pau no cu forçado

    ResponderExcluir
  5. lembra quando o Snowden foi pra Russia ele mencionou essa frase 'só estava cumprindo ordens' dando a entender que o aparato de repressão americano estava aprontando mais do que sabemos e no Brasil.

    ResponderExcluir