sábado, 9 de setembro de 2023

ÂNGELA CAÍDA

O Brasil demora tempo demais para contar suas próprias histórias. É incrível que só agora saia um filme sobre o assassinato de Ângela Diniz por Doca Street, 47 anos depois do crime. O catalizador deve ter sido o excelente podcast "Praia dos Ossos", lançado em 2020, que renovou o interesse pelo caso. Infelizmente, "Ângela" não faz jus a essa história que abalou o Brasil. O longa de Hugo Prata foca apenas a turbulenta relação entre os amantes: não sabemos nada do que aconteceu antes nem depois. Seria interessante entender como vítima e assassino chegaram até ali, e dar ao movimento "Quem Ama Não Mata" a importância histórica que ele merece. Além disso, passada a meia hora inicial, o ritmo se torna arrastado e melancólico. Há todo tipo de lacuna: Ângela foi morta na beira da piscina, não dentro de casa; a "alemãzinha de Búzios", peça-chave do caso, sequer é mencionada; os atores que fazem Adelita Scarpa e Ibrahim Sued não se parecem em nada com os verdadeiros. Mas tanto Ísis Valverde como Gabriel Braga Nunes estão formidáveis nos papéis principais. Ela, em especial, nunca esteve tão bonita, nem tão boa atriz. Tanto Ísis como Ângela mereciam um filme menos caído.

(mais impressões minhas sobre "Angela" aqui, na minha coluna no F5)

5 comentários:

  1. Como diz Larissa do canal Coisas de TV se aparecer o "Gabriel Braga Nunes oferecendo vantagens", corra!

    ResponderExcluir
  2. O Mio Babbino Caro
    Quando comecei a ler "... É incrível que só agora saia um filme..." me veio à mente, Angela Maria, até perceber que novamente era o requentar do caso do velho vendedor de automóveis ou prostituto em Miami, segundo a revista Veja e a 'Pantera', além de seu tempo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Tony não entendeu-se o filme fosse
      feito nos anos 80,o companheiro da
      Angela entraria na Justiça e,proibiria
      o filme de ser feito,igual fez Collor nos
      anos 90 contra a TV Manchete,por exemplo.

      Excluir
  3. Estava com expectativa altíssima depois de ouvir Praia dos Ossos e, infelizmente, achei o filme arrastadíssimo, embora tenha achado Isis espetacular no papel. Inclusive é tão arrastado que dá a sensação que eles ficaram morando naquela casa de Búzios 2 anos

    ResponderExcluir
  4. Infelizmente a misoginia só piorou. Conheço vários casos de abuso inclusive de casais muito jovens onde o homem não tem motivos pra se sentir tão inseguro, tipo tortura psicológica, abuso verbal, humilhações, sabotagens…

    ResponderExcluir