quinta-feira, 17 de agosto de 2023

A DOR QUE DEVERAS SENTE

Aqui no Brasil, não fazemos muita ideia da tal da crise dos opióides que há décadas devasta os Estados Unidos. Para entender do que se trata, nada melhor do que a minissérie "Império da Dor", que estreou na semana passada na Netflix. O título não é dos mais convidativos, e o tema é realmente espinhoso. Há muitas cenas e embrulhar o estômago, outras, francamente revoltantes. Mas a história real é realmente assombrosa. Na década de 1990, o FDA, a Anvisa americana, aprovou analgésicos que eram praticamente heroína em pílulas. O mais célebre deles, OxyContin, foi criado por uma farmacêutica inescrupulosa chamada Purdue. Através de um marketing intenso e de uma agressiva força de vendas, a droga passou a ser receitada em doses crescentes até para casos banais de dor nas costas. O resultado foi uma legião de viciados, que sofriam terríveis crises de abstinência e chegavam a cometer crimes para conseguir mais comprimidos. Centenas de milhares morreram, destruído famílias inteiras. Como que essa maracutaia assassina durou tanto tempo é um mistério só explicado pelos rios de dinheiro que corriam nesse mercado. É meio chocante ver Mattthew Broderick, o Ferris Bueller, como um senhor de idade. E Uso Aduba, a Crazy Eyes de "Orange is the New Black", está fenomenal como uma agente 'no bullshit'. "Império da Dor" merece ser vista, doa a quem doer.

28 comentários:

  1. Lembro de ter ouvido em um podcast sobre como as farmácias lá são diferentes daqui, uns verdadeiros shoppings sempre com muita novidade e as propagandas de remédios na tv serem absurdas. Vou dar uma conferida.

    ResponderExcluir
  2. Meu gaydar apita para o Matthew Broderick envelhecido.

    ResponderExcluir
  3. A mesma história é contada na minissérie DOPESICK, com Michael Keaton. Achei ela melhor.

    ResponderExcluir
  4. Mathew Broderick é um caso estranho em termos de visual. Ele foi virando outra pessoa quando foi envelhecendo. Foi ganhando até uma expressão diferente.

    ResponderExcluir
  5. minha péssima mae me obrigou a tomar remedios psicoativos na adolescencia insana com crise de depressao inventava doenças pra mim esses remedios eram marquetados para maes como ela, resultado: quase morri de nefriti meu corpo rejeita remedios não tomo nem aspirina, engordei 20 kilos aos 15 anos graças ao risperdal remedio para esquizofrenico que era marquetado para crianças, o qual fui obrigada a tomar novamente durante o golpe e que mais uma vez quase me matou!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já identifiquei. É a “perseguida durante o golpe”.

      Tava sumida

      Excluir
    2. nunca estive sumida todo post do Tony tem um comentário meu, já identifiquei é o pobre de direita que odeia o PT porque tem vergonha de assumir que é pobre interiorano e tosco.

      Excluir
    3. e sim fui perseguida durante o golpe talvez um motivo pra me orgulhar porque quem é burro como vc provavelmente achou emocionante as jornadas de junho a lava jato não precisou ter o tel grampeado só quem tem mais de 2 neuronios e isso inclui o Lula teve que ser perseguido. Resumindo essa é a industria farmaceutica veneno pra criança, segurar dados sobre a AIDS para ficar mais difícil encontrar a cura inventar doenças pra vender remédios, chegamos ao mesmo nível dos EUA de psicoativos, com a liberação das armas, clubes de tiro etc já nos tornamos o novo inferno na terra. Como diz o meu pajé todo remédio vem de uma planta é melhor ir direto na fonte e tomar um chá ou como o povo Guarani chama moã.

      Excluir
    4. Sinto pela dor que a sua mãe te causou. Síndrome de Munchausen por proxy é uma doença pouco conhecida. Sua mãe sofre de uma doença mental complicada e ela te usou como proxy para chamar atenção a ela mesma. Entender a doença dela pode ter ajudar a processar a tua infância. Tudo de bom pra vc.

      Excluir
    5. 05:31-Estes textões de Facebook chatos.
      O sujeito não sabe,ou não quer saber que
      foram os interioranos do Nordeste que
      elegeram o Lula que está de volta.Não
      foram os sudestinos,mesmo-com raras
      exceções.kkkkkkkkk

      Excluir
    6. Isso aqui é o Blog do Tony Goes,não
      é o Fantástico,ops,Lacrástico.

      Excluir
  6. No Brasil, existe uma crise de benzodiazepinicos, né? Eu tomei Frontal por 5 anos. Tive a "brilhante" ideia de parar por conta própria. No terceiro dia, o meu cérebro mudou de frequência. Meus pensamentos eram absurdos, eu sofria muito e... não lembrava que eu tomava alprazolan e que óbvio que eu tinha que tomar novamente. No quinto dia, eu tive uma síncope. Hoje, eu fico de cara quando brinca sobre usar Rivotril...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal,vamos culpar "o sistema",e votar
      num psicopata pra presidente em 2026.
      Bacana.....kkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
  7. Rivotril é barra também. Tomei crônicamente por 7 anos. Meu desmame foi assistido e, mesmo assim, foi barra. Essas p***** tinham tudo que vir QR code de um vídeo explicando como vai ser o desmame. 90% não usariam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso aqui é o Blog do Tony Goes,não
      é O Povo na TV nem o Homem do
      Sapato Branco.kkkkkkkkk

      Excluir
  8. Eu fui gestor de uma unidade gestora-U.E (Secretaria, Superintendência, Fundação, etc...). Na minha unidade, existe a cultura de pegarem um funcionário de carreira e darem o cargo de comissão de gestor para ele. Foi o que aconteceu comigo. Fui MUITO ingênuo em aceitar. A dor de cabeça, o estresse e a opinião pública julgando cada decisão não são pagos pelo valor do subsídio do cargo. Um mês no posto e eu estava uma pilha de nervos. Um colega me apresentou o Frontal. O remédio virou rapidamente meu melhor amigo. Passei os oito anos como gestor com o Frontal do meu lado. O desmame foi horrível. Tinha muito medo.
    Estou sem há dois anos, mas ainda me considero adicto. Meu sono é um lixo comparado ao que eu tinha com o remédio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já que vocês estão falando em benzos, vocês se identificaram com uma cena específica dessa série, onde o povo vai buscar receita em médicos diferentes? Eu sim! Cheguei em 8mg/dia de Rivotril. Ia buscar receita em dois médicos.

      Excluir
    2. Isso aqui é o blog do Tony Goes,não
      é BBBosta nem A Fazenda do Curral.

      Excluir
  9. Eu oscilava entre 4mg e 8 mg de alprazolan. Durante os quase dez anos que usei, nunca peguei receita com psiquiatra. Eu garantia os 4 frascos indo em dois prontos-socorros por mês. Só fui para o psiquiatra mesmo para o desmame. Eu sei, completamente irresponsável.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso aqui é o Blog do Tony Goes,não é
      programinha sensacionalista da Record
      ou da Rede TV.kkkkkkkkkk

      Excluir
    2. Amigo, tu é tão otário... sempre com uns comentários que parecem Bully querendo intimidar vítima. Sério, vai se tratar. Outra, nos primórdios desse blog, o Tony repetia que o blog não é uma democracia, que ele é um monarca. Se os comentários são aprovados, é um bully chato que nem você que vai criticar?

      Excluir
    3. 18:54-Isso aqui é o blog do Tony Goes,
      não é Facebook pra desabafar,nem
      programinha sensacionalista da Record
      ou da Rede TV,essas jequices caipiras
      pra fazer o povinho chorar em troca de
      umas pohas de pontos de audiência.
      kkkkkkkkkkkkk

      Excluir
  10. 20:58,
    Estou aqui há muito tempo e o Tony já cansou de dizer que quem manda é ele e que o comentário tem que ser muito radioativo para ele não aprovar. Eu não vejo como pessoas falando sobre seus excessos com remédios pode ser considerado "fuga ao tema". Eu estava até lendo com curiosidade, sabia?
    Teve um post recente sobre o Eduardo Leite em que os comentários acabaram por ser sobre as escolas cívico-militares. Foi bem mais "fuga ao tema" do que aconteceu aqui.
    Se o Tony aprova, não é você que vai dar uma de autoritário e dizer que aqui não é o lugar para aquele comentário... rebate a ideia, por exemplo. Ou faz um blog seu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 13:19-O post sobre o Leite teve um
      monte de reaça jeca defendendo as
      escolinhas de milicos,sabia?Uau,fuga
      ao tema....kkkkkkkk
      Eu já rebati a idéia e não vou fazer
      blog meu,porque concordo com 95%
      do que o Tony publica.Tem gente que
      não gosta de remédio e foi se tratar
      com o João de Deus.Deu no que deu.

      Excluir
  11. 20:58, eu visito o blog do Tony faz uns 15 anos. Eu não tenho rede social. Eu gosto muito daqui. Já houve vários personagens aqui, de uns, eu até pulava os comentários. Eu acho que você é o primeiro que quer fazer o papel de censor do que pode ou não ser dito (o Tony faz isso, ok?). E faz isso, como já foi dito, no papel de bully, de troll.
    Agora, deixa eu te ensinar uma coisa: no Brasil, não há uma crise de opióides. Quando você quebra um dedo, por exemplo, vão te passar Tramal (tramadol), dez vezes mais fraco que a morfina que é duas vezes mais fraca que a oxicodona. A oxicodona é muito cara no Brasil, a receita é amarela e é receitada só para dores punk (câncer, etc.). Como você pode ver, não dá para trazer a realidade de "Império da dor" para cá. Nós não temos esse problema.
    Entretanto, qual substância é abusada aqui além do álcool? Se você é classe média média, ou classe média alta, sabe que são os benzodiazepínicos. Eles não criaram um caos da oxicodona, mas muita gente é viciada neles (só que o poder aditivo é estável e as pessoas conseguem manter o consumo da droga). É normal, logo, que as pessoas façam um paralelo e venham relatar isso. Diferente do que você disse, eu não li nada que quisesse emocionar alguém. Eu li gente falando de um vício e, ainda bem, parece que todos saíram dele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 14:26-Eu censuro o que eu quiser.Aqui,
      ninguém fala se o filme é bom ou não.
      É só lacração pura e simples.Pura e
      simples.Igual estão fazendo com a
      Sandra Bullock,por exemplo.O Supremo
      Tribunal da Inquisição da Internet.kkkkkk

      Excluir