quinta-feira, 27 de julho de 2023

PERDIDOS NO SPACEY

Já fui encurralado em boate por um cara mais velho que queria me beijar. Já recebi telefonema no meio da noite com alguém dizendo que queria me comer. Mensagens semi-obscenas, chegam várias, de meninos do interior que se sentem encorajados pela distância. Tudo isso configura assédio sexual? Pela cartilha atual, sim. Só que ninguém me forçou a nada. Ninguém me ameaçou, nem prometeu algo em troca. Na maioria das vezes, eu recusei polidamente (sim, teve vezes em que a cantada deu certo). Lendo as acusações contra o Kevin Spacey, vejo que ele era adepto de uma abordagem, digamos, mais pesada. Mas isto é crime? Não bastava o alvo dizer "não, obrigado"? Não: hoje em dia, tem que processar e, quem sabe, faturar uns trocados. Ontem Spacey foi absolvido em Londres, como já havia sido absolvido em Nova York. Suas supostas vítimas saíram de mãos abanando; os juízes enxergaram má fé. Mas o fato de o ator ter sido inocentado não significa que ele poderá retomar sua carreira. Veja o caso do Woody Allen, que jamais foi condenado por nada e, mesmo assim, virou persona non gratíssima. Abuso, assédio, estupro, tudo isso é coisa séria, e merece ser tratado como tal. Mas, a partir do momento em que tudo vira abuso, em que qualquer acusação merece crédito, por absurda que seja, surgem os aproveitadores e os ressentidos. Todo cuidado é pouco.

19 comentários:

  1. Onde você leu as acusações amor? Posta pra gente

    ResponderExcluir
  2. Delícia uma cantada obscena e pesada , recusar e pensar nisso por meses. AMO!

    ResponderExcluir
  3. Esse aí da foto é o Luiz Fernando Guimarães?

    ResponderExcluir
  4. Por causa dessa coisa de que tudo é considerado abuso, na faculdade americana que eu trabalho, professor não deve dar carona ou ficar a sós na sala de aula com um estudante. Se você tá falando com o prefessor no final da aula e todoundo vai embora, ele te convida a termina a conversa no corredor.

    ResponderExcluir
  5. Lembrei da Danusa Leão, já no fim da vida, teve coragem de dizer que toda mulher deveria passar perto de uma obra para ser cantada pelos peões! Que isso aumenta e muito a auto estima. Foi cancelada até pelos netos politicamente corretos, goodvibes. Rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha tia de 81 anos diz o mesmo. Porém, sempre achei isso absurdo.

      Excluir
  6. Existe a conveniência do discurso. O discurso de que existe uma paranóia generalizada e que pessoas inocentes estão sendo condenadas ou perseguidas é um discurso da direita. Ela não está preocupada com o processo legal (senão se mobilizaria com várias outras pautas), mas sim com o patriarcado.

    Mas -- claro que há exceções (e quando falo em patriarcado também incluí gays que copiam modos de agir dos héteros agressivos).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antes de namorar eu era tipo os heteros agressivos como vc diz, só que gay, e de boa, eu manipulava ate conseguir ficar com o cara, e tb ja fui vitima de caras feios e pegajosos e tudo bem, fazer o que? o cara quer, ele vai insistir, agora joao se for um lindo insistindo para te pegar, ai esta tudo certo, nai nao é assedio, ai esquecem do patriarcado e tudo o mais, sono dessa geracao cheia de certezas.

      Excluir
    2. 22:20-Como diz o Tony:hoje em dia,tem
      que processar e,quem sabe,faturar uns
      trocados.É o lava-jatismo americano.
      Aqui,acabaram literalmente com o reitor
      da UFSC.Lá,com o Kevin.O ótimo filme
      Tár mostrou como é que isso funciona.

      Excluir
    3. 22:20-Kevin Spacey é,e sempre foi
      de esquerda.Não é Clint Eastwood.

      Excluir
    4. Não tô falando do suposto agressor.

      Excluir
  7. Acho importante considerar o jogo de poder.

    Um ator jovem e iniciante ficar recebendo “cantadas” agressivas e repetidas vezes de um ator mais velho, consagrado em hollywood, famoso no mundo inteiro e que tem o poder de te tornar persona non grata na indústria é diferente de receber uma cantada mais ousada de um desconhecido.

    Lembro do relato da Lupita Nyongo contando quando o Harvey Weinstein a pressionou para dormir com ele. Ela recusou, mas ficou paranóica pensando que a carreira dela tinha acabado, antes mesmo de deslanchar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nada a ver:ele não era dono de um
      estúdio de cinema como o HW era.

      Hoje,estamos na época do "Quem
      Não Lacra,Não Lucra".Pra quem
      achava que assassinar reputações
      era coisa nossa como o Conje e
      Deltan fizeram por aqui,estão
      redondamente enganados.

      Excluir
  8. As bichas dessa nova geracao sao ridiculas nesse sentido, eu faço natacao e eu elogiava meu professor hetero, fazia piadinhas e eles adoravam e levavam na boa, ai entrou outro gay novinha na turma e peguei ele falando que isso nao era legal e que isso era assedio, ainda bem que os professores me defenderam, pq ele poderia me causado problemas. OBS. já transei com muitos heteros curiosos e eles (heteros)adoram ser mimados.

    ResponderExcluir
  9. Tony,
    O que você acha quando a Camille Paglia, feminista americana, diz que o "Don't blame the victim" não pode ser confundido com a falta de noção em relação a determinados comportamentos?
    Ela sustentou isso até na participação dela no "Roda Viva". Disse que uma mulher sabe com qual roupa ela está mais segura. Um assédio é sempre uma violação abominável, mas ele não apaga a noção de que nós sabemos em quais situações nós estamos mais sujeitos a ele. Ela fala, inclusive, que ela admira mais a postura dos gays, que se lançam em determinados ambientes admitindo que sabem o risco que estão correndo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um tema bem complexo!
      Mas cabe enfrentá-lo para evitar o crime de estupro, um dos crimes mais hediondos da humanidade, e proteger crianças e adolescentes do abuso sexual!

      Excluir
    2. 10:08-Sim,mas este caso do Kevin
      lembrou muito a Escola Base,claro!

      Excluir