segunda-feira, 17 de julho de 2023

DÚVIDA FLAMEJANTE

Às vezes eu saio do cinema sem saber se gostei ou não do filme. Foi o caso com "A Noite do Dia 12", que estreou no Brasil depois de sagrar-se o grande campeão do último César, o Oscar francês, com seis estatuetas ganhas. Trata-se de um policial bem austero, sem cenas de perseguição, sem suspense, quase sem trilha sonora. O crime que está sendo investigado é horrível, e baseado numa história real: uma moça, voltando para casa à noite numa cidade do anterior, é abordada por um sujeito que joga gasolina nela e acende um isqueiro. A polícia logo descobre não um, mas uma penca de suspeitos. A garota gostava de trepar por aí,  geralmente com caras meio malucos ou até violentos. As atuações são precisas e, como nenhum dos atores é famoso, quase parece que estamos vendo um documentário. Agora vou ter que dar um spoiler, então pare por aqui se você pretende ver o filme. "A Noite do Dia 12" termina sem que o assassino seja encontrado, tal como aconteceu na vida real. E aí, eu fiquei me perguntando: what's the point of all this? Por que provocar tanto a plateia, para então deixá-la insatisfeita? Talvez seja para denunciar o machismo. A sociedade francesa, tal qual a brasileira, acha OK o feminicídio, ainda mais se a vítima era uma dadeira. Os policiais são todos homens; só três anos mais tarde, quando entram duas mulheres no caso, é que as investigações avançam mais. De qualquer forma, não é um filme chato, embora exija atenção do espectador. Gostei de ter visto, mas até agora eu não sei dizer se gostei do longa em si.

Um comentário:

  1. Interessante o ponto de vista. Se bem me recordo, 3 Anúncios para um crime, de hollywood, com a frances mcdonald (kkk nao lembro o nome), nessa mesma linha e que levou tudo em seu ano, também não acham o assassino. Mas gostei demais. Mas rola uma frustraçãozinha sim

    ResponderExcluir