terça-feira, 18 de julho de 2023

A VIDA EM ROSA

Fui à cabine para a imprensa de 'Barbie" na manhã desta terça. "Imprensa" é modo de dizer. O que de fato lotou a gigantesca sala 1 do Cinemark do shopping Eldorado foram centenas de influenciadores digitais, muitos deles vestidos de rosa. Antes da sessão começar, essa galera fez fila para tirar foto no carro da Barbie que está no saguão do cinema, para postar em suas redes sociais e fazer propaganda de graça. Eu fui mais comedido. Entrei, sentei na primeiríssima fila, mergulhei no filme e me esbaldei. "Barbie" é um os melhores filmes do ano, e funciona bem em vários níveis. É uma comédia de rachar o bico, um comercial da Mattel com duas horas de duração e um manifesto feminista que transcende as contradições de sua protagonista.  Barbie libertou as meninas de brincarem apenas de serem mães, e mostrou que elas poderiam ser o que quisessem na vida. Mas também estabeleceu um padrão inalcançável de beleza, e estimulou o consumismo em crianças que mal sabiam falar. O roteiro espertíssimo aborda todos esses ângulos, e consegue ter momentos ácidos, enternecedores, edificantes e empolgantes, um atrás do outro. Tanto Margot Robbie como Ryan Gosling merecem ser indicados ao Oscar, e prêmios em categorias como direção de arte, figurinos e maquiagem parecem barbadas. Como é raro ver um blockbuster que entrega até mais do que promete, e em viés feminino. It's a Barbie world; a gente só vive nele.

16 comentários:

  1. O Mio Babbino Caro
    Tá Legal, mas Barbie é um pouco muito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fica quietinha, a senhora é bicha velha e nao tem lugar de fala, quando for post da Maria Callas, vc se manisfesta.

      Excluir
    2. Ah, sim, claro, porque a Barbie é um fenômeno da novíssima geração. Deve ser fake news que ela foi criada em 1959.

      Excluir
    3. Barbie é a Maria Callas das bonecas.
      BOA,TONINHO.

      Excluir
    4. Me divertindo idiota. Se acha que me ofendeu, si fudeu kkkk Maior orgulho ser bicha velha que driblou AIDS, COVID e Bestas Humanas como Tu.

      Excluir
    5. O Mio Bambinno Caro
      Barbie é um filmaço.Quem não gosta
      é gente recalcada igual o Mário Sérgio
      Conti-que só fica criticando 95% dos
      filmes que ele vê aos Sábados na FSP.

      Excluir
    6. Então a bambina cara pq é bicha velha pode ser parâmetro para gosto pessoal?

      Excluir
  2. NAO VEJO A HORA DESSA ONDA DE INFLUENCER ACABAR, PENSA COMIGO, VC TONY- KA, ASSISTE A FILMES, FESTIVAIS DESDE QUE O MUNDO É MUNDO , VIAJA HORRORES....TEM PARAMETROS, AGORA UM CRIATURA QUE NAO ESTUDA, NAO VIAJA, FICA FAMOSA SABE SE LÁ PORQUE, AI MILHOES DE SEGUIDORES E NADA NA CABECA!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 15:58-Ué,cada um no seu quadrado.
      Antes disso,aturávamos o Gugu e o
      Faustão e hoje,são eles.Não pense
      que,antigamente,não havia gente
      desinteressante.Acorda,Pedrinho!

      Excluir
    2. Nada a ver.Antes,estes milhões de
      seguidores assistiam o Gugu e o
      Faustão aos Domingos há 20 anos
      atrás.Não é de hoje que existem
      criaturas chatas e desinteressantes.

      Excluir
  3. O "O Mio Babbino Caro" são muitos e ainda abriram caminho pra bichinha desorientada ter lugar de fala.

    ResponderExcluir
  4. Pelo que vi, Estadão odiou, NYT...mas The Guardian arrasou com sua matéria falando dos kens castrados! Achei sensacional.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. João,o filme é sensacional,mesmo.
      O resto é pura inveja.

      Excluir
  5. "Barbie mostrou às meninas que elas poderiam ser o que quisessem na vida", infelizmente não há nenhum personagem que faça o mesmo pelos homens, porque até nos dias atuais vigora o "isso não é coisa de homem", inclusive meninos "não podem brincar de bonecas", e todo esse machismo vindo de homens e MULHERES!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente. Papéis de gênero nem deviam existir.

      Excluir
  6. Tá. Acho que vale o esforço de ir ver no cinema.

    ResponderExcluir