sexta-feira, 16 de junho de 2023

COM SEDE AO POTE

É surpreendente que o primeiro longa do argentino Demián Szifrón desde "Relatos Selvagens" seja um thriller falado em inglês. Eu teria ignorado "Sede Assassina", não fosse pelo diretor. O título genérico brasileiro só não é pior que o título genérico americano, "To Catch a Killer". Apenas na Europa e na Argentina que Szifón conseguiu manter o nome original, "Misantropo" (googla aí se você não sabe o que quer dizer). Mas que bom que eu fui à cabine para a imprensa: o filme é bem acima da média, com ecos de "O Silêncio dos Inocentes". Shailene Woodley está muito bem como uma policial meio perturbada, que cai nas graças de um diretor do FBI maravilhosamente interpretado por Ben Mendelsohn. Os dois precisam capturar um serial killer que semeou o terror na noite de réveillon em Baltimore, matando gente de longe, a torto e a direito. A premissa está longe de ser original, mas o roteiro sem gordura e a edição impecável, do próprio cineasta, jamais deixam a peteca cair. "Sede Assassina" não tem o humor de "Relatos Selvagens" e nem penetra fundo na psiquê de seus personagens, mas é entretenimento de primeira qualidade. E olha que eu não curto muito esse gênero de filme. Estreia na quinta que vem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário