quarta-feira, 17 de maio de 2023

É HOJE O DIA

17 de maio é o Dia Internacional de Combate à Homofobia. Foi nesta data, em 1990, que a Organização Mundial da Saúde retirou a homossexualidade da lista de doenças mentais. Desde então, podemos dizer sem medo que os homofóbicos é que são doentes. O dia de hoje merece ser comemorado, até porque nenhuma outra causa avançou tanto em tão pouco tempo. Não havia bem um movimento LGBTQIA+ antes de 1969, só iniciativas isoladas, mas o levante de Stonewall nos uniu e nos energizou. Desde então as conquistas foram inúmeras, principalmente nos países mais ricos. Aqui no Brasil, temos coisas ótimas, como diversas proteções legais e uma juventude muito mais inclusiva do que as gerações anteriores. Mas também somos o país que mais mata transexuais e travestis no mundo, e é um vexame que o Congresso até hoje não tenha aprovado uma lei regulamentando o casamento igualitário. Só podemos nos casar porque o Supremos assim decidiu, mas uma mudança conservadora na corte pode por tudo a perder. Por isto mesmo, não podemos relaxar. Temos que entender, de uma vez por todas, que quem se diz "a favor da família" na verdade está se dizendo contra a diversidade sexual. Temos que cobrar a Globo, que sempre foi nossa aliada, mas de uma semana para cá já cortou duas cenas de beijo lésbico em sua dramaturgia - uma delas, numa série que vai ao ar depois das 23 horas. Não há evangélico ou agronegócio que mereça uma única fraquejada da nossa parte, porque o que está em jogo é nada menos do que a nossa cidadania.

7 comentários:

  1. Assino embaixo em tudo que foi dito, mas não posso deixar passar um detalhe. Essa suposta estatística do número de assassinatos contra gays, trans/travestis, etc. é totalmente furada. Ela começou a ser feita pelo Grupo Gay da Bahia com base em notícias e sem nenhum rigor, averiguação ou critério; qualquer morte entrava como homofobia. Não que esse tipo de crime não seja comum e ocorra com frequência pelo país, muito pelo contrário; não tenho dúvidas que muitos homicídios desse tipo ainda ocorram. Por isso mesmo que eles deveriam ser contabilizados em uma estatística oficial e não através de manchetes. Ainda assim, o suposto e infame recorde nacional foi tão alardeado e noticiado sem nenhum questionamento que já virou "verdade".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estatística oficial feita pela polícia
      bozista?Esquece,Carluxo.Teu
      textão de Facebook passando pano
      pra quem mata quem não é hétero
      é pra Damares ver.

      Excluir
  2. Parabéns pelo seu dia. Antes gays, lésbicas e travestis eram consideradas pessoas leprosas e suas histórias silenciadas. Hoje simplesmente são exemplos para homossexuais e transexuais de hoje para que lutem pela sua identidade e serem respeitados. E a história dos GLBTQIAP é disputada a tapa para virarem livros,filmes e série e até exposições. Fora teses de mestrados e doutorados. Luta árdua que ainda tem de ser combatida. Mas nada é mais gostoso do que uma vitória com bastante luta.

    ResponderExcluir
  3. Tive uma terapeuta que afirmava que a homossexualidade era trauma de infância

    ResponderExcluir
  4. O Mio Babbino Caro
    Historicamente foi outro dia e lembro muito bem o regozijo dos nossos Irmãos e Irmãs na sede do Somos na Rua Abolição.
    Edu, R.I.P.

    ResponderExcluir
  5. Ainda há muito o que superar! Inclusive as gays que não gostam de ser gays e se intoxicam para assumir sua sexualidade. Precisamos falar sobre isso! Homofobia, autohomofobia e os tóxicos.

    ResponderExcluir
  6. NAO ENTENDO GAYS QUE ATACAM A GLOBO, COM TODOS OS DEFEITOS, ELA AJUDOU MUITO A CAUSA GAY.

    ResponderExcluir