domingo, 14 de maio de 2023

CHILE, 1976

Nenhuma das ditaduras militares que sufocaram quase toda a América Latina nos anos 70 teve mais apoio interno do que a chilena. Até hoje tem quem defenda o general Augusto Pinochet como o salvador da pátria, especialmente (e obviamente) na classe alta. Por isto mesmo, é interessante que a protagonista de "1976" seja uma mulher burguesa que, a pedido de um padre, ajuda um militante de esquerda ferido. A princípio ela pensa que o rapaz é um criminoso comum, mas não demora a perceber a verdade. E não só continua a cuidar dele, como passa a levar recados para seus companheiros e a arriscar o próprio pescoço. A diretora Manuela Martelli se inspirou na história de sua avó para seu filme de estreia, que está disponível na Netflix. Curto, acinzentado e pungente, "1976" é mais um lembrete dos horrores que os milicos fazem quando tomam o poder.

4 comentários:

  1. As ditaduras militares nas Américas, na África, se caracterizaram pela crueldade e pelo continuismo. Aqui no Brasil, foram governos corruptos, incompetentes, que inflaram o estado e atrasaram o país. Esta "nova volta" deles com uma pretensa eficiência deu no que deu, vide o Pazuello na saúde. Só que o nosso período de ditadura militar também foi caracterizado por uma esquerda elitista e sem noção da realidade, formada por jovens de classe média que queriam implantar uma outra ditadura, a do proletariado. Isso em um país do tamanho do Brasil Também eram criminosos que assaltaram, mataram, sequestraram e eliminaram dissidentes.

    ResponderExcluir
  2. O Mio Babbino Caro
    Por essa descrição me remete direto ao conto "A igreja do Diabo" de Machado de Assis. Talvez de fato não haja nada de novo debaixo do sol.

    ResponderExcluir
  3. Em Santiago a população é 50/50 sobre Pinochet. Pior que o Brasil, mas não tão distante do que queriam que a gente relesse a nossa ditadura.

    ResponderExcluir
  4. E vc não defende a burguesia Tony? A máquina de propaganda dos militares em todos os lugares sempre foi muito eficiente e avassaladora só lembrar da sua querida rede globo e porque ela existe, infelizmente o povo ainda leva a mídia a sério mas ainda acredito que a cabeça da burguesia vai rolar bonito e vamos pular em cima de seus corpos filhos e netos.

    ResponderExcluir