sexta-feira, 14 de abril de 2023

OS INTERMEDIÁRIOS

Até pouco tempo atrás, os países do Extremo Oriente meio que se odiavam entre si, por causa de cicatrizes de guerra ainda abertas. Mas agora o soft power da Coreia do Sul tem passado por cima das rivalidades regionais, e atraído talentos vizinhos. Foi lá que o diretor japonês Kore-Eda Hirokazu rodou "Broker", qe poderia muito bem se passar em seu próprio país. O filme começa com uma jovem depositando seu filho recém-nascido na "baby box" de um suposto orfanato, versão moderna da roda dos enjeitados que havia nas Santas Casas brasileiras do século 19. Acontece que o tal orfanato na verdade é só fachada para um lucrativo negócio de venda de bebês para casais sem filhos. Mas a moça se arrepende, volta no dia seguinte e acaba se juntando aos intermediários - o título original do longa - na tentativa de arranjar um lar para o bebê, pelo preço mais alto possível. No calcanhar deles, duas policiais, uma delas feita por Doona Bae da série "Sense8". Um dos traficantes também é conhecido por aqui, Kong Sang-ho, que estrelou "Parasita" e venceu o prêmio de melhor ator no festival de Cannes de 2022. O resultado é um filme que combina crime, marginalidade e família, bem ao estilo de Kore-eda, com personagens complexos, que seriam desconcertantes se não fossem tão humanos.

2 comentários:

  1. Nunca vi o tal odio entre chineses, coreanos e japoneses fora da bolha conservadora e velha.
    Vários desenhos japoneses fazem um tremendo sucesso na Coréia e na China moderna, assim como muitas bandinhas coreanas vem encantado os japoneses e chineses. Já os Chineses vem ganhando bastante espaço na cultura da Coréia e do Japão através de jogos para video games.

    ResponderExcluir

  2. Como o soft power da Coréia não entrou em acordo com o hard power, o cantor to BTS teve que começar o seu serviço militar hoje pausando sua carreira e o grupo, que só voltam daqui 3 anos.

    ResponderExcluir