sexta-feira, 31 de março de 2023

ÓDIO E NOJO

Hoje o golpe militar de 1964 completa 59 anos. Cresci aprendendo que se tratava de uma revolução a ser muito celebrada, mas no final da adolescência percebi que o Brasil não só era uma ditadura, como os ditadores eram uns baitas de uns incompetentes. O regime militar criou boas coisas, como o FGTS e a Embratel, mas deixou um legado de hiperinflação e inúmeros casos de corrupção mal resolvidos. Sem falar, é claro, das torturas, assassinatos e prisões de quem se opusesse aos milicos, e da censura, e do silenciamento de milhões de brasileiros, que por mais de duas décadas não puderam escolher seu presidente. Ulysses Guimarães disse que tinha ódio e nojo da ditadura, e eu também tenho. Não há ameaça comunista que justifique a lambança feita no Brasil pós-64. E o pior é que os generais daquela época eram uns lordes perto do baixo nível de Heleno, Mourão, Pazuello, Villas-Boas e outros monstrengos que saíram das sombras durante o desgoverno do Bozo. Desses também tenho ódio e nojo, assim como de qualquer um que pregue a volta da ditadura.

2 comentários:

  1. O Mio Babbino Caro
    Faço das suas palavras minhas Pa lavras.

    ResponderExcluir
  2. E nunca houve ameaça comunista...

    ResponderExcluir