quarta-feira, 1 de fevereiro de 2023

UM LUGAR NO OSCAR

Só vi duas indicações serem revogadas desde que comecei a acompanhar o Oscar para valer, no distante ano de 1976. A primeira vez foi em 1994, quando a Academia desclassificou o candidato do Uruguai a melhor filme em língua estrangeira. "Un Lugar en el Mundo" é uma coprodução entre Uruguai e Argentina, e se passa inteiramente na Argentina. Os velhinhos acharam que o longa não era suficientemente uruguaio, e o tiraram do páreo. Na época correu que os produtores do mexicano "Como Água para Chocolate" queriam ficar com a vaga reaberta, só que não havia vaga nenhuma. A Academia não indica outro título ou pessoa para o lugar de uma indicação rescindida, pois isto deixaria claro que o novo indicado havia chegado em sexto lugar - e esse tipo de ranking jamais é divulgado, nem o percentual de votos do eventual vencedor. Oscar não é BBB, bebê. Ah, em tempo: se puder, veja "Un Lugar en el Mundo". Está disponível na Amazon Prime Video.

A outra vez foi em 2014, quando a canção "Alone But Not Alone", do filme do mesmo nome, foi desclassificada em sua categoria. Sua indicação havia sido uma supresa total: era para um longa evangélico, e Oscar costuma ignorar esse gênero. Aí foram cavucar e descobriram que o compositor havia sido diretor do departamento de música da Academia e tinha os e-mails de vários membros, para os quais escreveu pedindo votos. Essa é uma tática proibida, e o sujeito perdeu a vaga, louvada seja a Deusa. Mas foi este precedente que me fez temer por Andrea Riseborough. A campanha da estrela de "To Leslie" não foi tão espontânea assim: havia duas firmas de RP por trás de tudo. Além disso, a atriz Frances Fisher procurou diretamente vários colegas, e um crítico ainda equiparou a performance de Andrea à de Cate Blanchett em "Tár" (é proibido citar concorrentes numa campanha pelo Oscar). Só que Andrea, ao contrário dos outros desclassificados, é da patota. Uma atriz respeitada, com trabalhos incríveis no currículo, que jamais havia sido indicada. Aposto que tudo isso pesou. Ah, em tempo: também é branca. Será que a Academia teria sido tão leniente se a atriz em questão fosse Viola Davis?

6 comentários:

  1. Resposta:NADA A VER,Tony.E,quem
    vai ganhar o Oscar de melhor atriz é
    Cate Blanchett-o filme dela deveria
    ganhar o Oscar de melhor filme,também.

    ResponderExcluir
  2. Como água para chocolate não ter um Oscar é um absurdo!

    ResponderExcluir
  3. E você, hein Tony, caiu no conto de espontaneidade da indicação de Andrea. Viola ficou de fora do Oscar e isso só mostra o quanto de racismo existe na Academia, um lugar de artistas que se autocelebram como promotores da diversidade mundial. E olhe que Viola é uma atriz de renome. Tenho dúvidas se esse Oscar irá mesmo para Blanchett, que já poderia ter 3 caso a Academia premiasse com mínimo rigor boas interpretações. Quantas atrizes de cor na história do Oscar não foram preteridas, que nem ao menos sequer chegaram a ser indicadas? Até hoje só uma atriz de cor possui Oscar na categoria em papel principal, Halle Berry. Cá de onde estou torço para que Michelle Yeoh seja vencedora, pela boa interpretação e para que o racismo perca, ainda que de modo residual, no Oscar.

    ResponderExcluir
  4. Na verdade "un lugar en el mundo" perdeu a indicação pela Argentina para " el lado óscuro del corazon" do Eliseo Subiela... por isso acabaram submetendo o filme pelo Uruguai, que não tinha produção naquele ano (o país ficou uns 50 anos sem produzir nenhum filme). Quando saiu a indicação rolou uma invejinha dos Argentinos que fizeram a reclamação p a academia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nao foi bem assim. Os jurados do comitê que selecionaria o representante argentino de dividiram: metade queria "Hombre Mirando al Sudeste", outra metade queria "Un Lugar en el Mundo". Como este último era uma coprodução com o Uruguai, resolveram salomonicamente inscrever os dois filmes no Oscar: um pela Argentina, o outro pelo Uruguai. E quem reclamou para a Academia foram os produtores do mexicano "Como Água para Chocolate".

      Excluir
  5. apesar da atuação fosfórica atlante efervescente de cate blanchett - e se ela diria tonyah "abiscoitar" o oscar ninguém vai poder reclamar, eu ainda sinto que a vez é da michelle yeoh - premiações estão lentamente perdendo a razão de ser, ou sou só eu mesmo?

    ResponderExcluir