quarta-feira, 25 de janeiro de 2023

ANDANTE FORTISSIMO

"Tár" foi produzido por um grande estúdio de Hollywood, e seus valores de produção denunciam que houve muito dinheiro por trás. Mas o tom do filme é típico do cinema independente. As primeiras cenas são longuíssimas, sem pressa de deslanchar a história. Há uma entrevista com a talentosa maestro vivida por Cate Blanchett. Depois a vemos dando uma aula fascinante na renomada escola Julliard de Nova York, e desancando um aluno que não gosta de Bach porque o compositor era um homem branco cis que teve 20 filhos com mulheres diferentes. Só quando conhecemos bem o lado bom de Lydia Tár é que o ruim começa a aparecer. No auge do poder e da glória, ela se comporta feito um homem: paquera menininhas e promete favores, para desespero de sua esposa. O caldo entorna quando uma de suas namoradas se mata, depois que a própria regente a desrecomenda para vários trabalhos. A moça era mesmo desequilibrada, mas o mundo de hoje não quer nem saber. Tár é rotulada como uma predadora, mesmo não sendo tão canalha como um Harvey Weinstein. É preciso prestar muita atenção a pequenos detalhes, porque eles se revelam importantes mais adiante. O final, que se passa na Tailândia, parece transplantado de outro roteiro, mas eu gostei dessa mudança de clima. Com mais de duas horas e meia de duração, o terceiro longa de Todd Field foi indicado a vários Oscars, e Cate Blanchett, ostentando um alemão fluente, periga levar sua terceira estatueta. Mas trata-se de um filme exigente, que discute arte, sexismo e política no rarefeito universo da música clássica. Talvez não por acaso, o sobrenome Tár permite dois anagramas sintomáticos: art e rat.

3 comentários:

  1. Esta foi uma grata surpresa nesse Oscar. Cate Blanchett magnífica, merecedora do seu terceiro Oscar (mas meu coração está com Michelle Yeoh), um roteiro preciso e um final que você já conhece, foi algo que não esperava, mas gostei muito.
    É um filme que você deve assistir com calma, absorver o mesmo e refletir. Mas podia ser um pouco mais curto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Filmes com conteúdo podem ter
      o tempo que quiserem,LL Jr.

      Excluir
  2. EITA. CONTOU O FILME TODO, HEIN???

    ResponderExcluir