segunda-feira, 5 de dezembro de 2022

VÃO-SE OS VÉUS, FICAM OS DEDOS

Quando eu estive no Irã em 1978, vi nas ruas mulheres de todo tipo: desde as mais ocidentalizadas, de cabelos soltos ao vento, às embrulhadas em pesados véus negros. Tem coisa mais pedante do que começar um texto com "quando eu estive no Irã"? Mas é verdade. Essa visita, que aconteceu ainda na época do xá, me marcou muito. Seis meses depois, aconteceu a revolução que instalou a ditadura teocrática que resiste até hoje. Mas, por quanto tempo mais? Ontem o regime piscou pela primeira vez, desde que começaram os protestos pela morte daquela moça morta pela polícia dos costumes em setembro. Para se manter no poder, os aiatolás topam acabar com essa milícia religiosa e dar um sossego para a classe média urbana. Será que isso basta? A garotada quer curtir a vida adoidado, e Teerã tem uma vida noturna secreta e surpreendente. Quando eu voltar lá, quero poder beber na rua.

6 comentários:

  1. Não tô botando muita fé não.
    Acho que vão acabar com a polícia dos costumes e criar a polícia da conduta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que Irã o quê....aqui,as mulheres foram
      tratadas como lixo pelo governo Mijair.

      Excluir
  2. 😂😂😂 Quando comecei a ler, pensei: porra, o cara já foi até ao Irã! Mais viajado que a Glória Maria rsrsrs
    Os homens eram bonitos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lá,só tem barbudo-é obrigatório
      ter barba,sabia,jênio?kkkkkkkkk

      Excluir
    2. Tonico era virgem a época. Mas respondendo, na média são bonitos sim.

      Excluir