quinta-feira, 29 de dezembro de 2022

O REI DO BRASIL

Geralmente eu não dedico posts aqui no blog aos mortos célebres sobre os quais já escrevi na Folha. Não é por nenhum questão contratual: é por pura falta de assunto. Coloco tudo o que eu sei sobre a pessoa no texto para o jornal e aí não sobra nada para vocês, leitores que não me pagam. Sobre o Pelé, saiu uma coluna no F5 onde eu conto meu único contato pessoal com ele e ainda tento analisar o que ele significou - e ainda significará por muito tempo - para o Brasil. De fato, não tenho mais nada a comentar sobre o Rei do Futebol. Mas aí é que está; o cara era mesmo rei, e muito mais do que só no esporte. Viverá para sempre.

4 comentários:

  1. Era uma pessoa controversa. Renegou uma filha. Só se envolvia com mulheres brancas e loiras (hoje seria cobrado por isto). Adorava mulheres novas ("sugar daddy"). Apoiou a Revolução de 64 e não se envolvia em política. Enfim, não era um santo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ninguém é santo. A história com a filha renegada é sim controversa, mas se envolver com mulheres brancas é uma questão pessoal e sua primeira mulher era um pouco mais nova do que ele. Sugar daddy? Tá louco?

      Excluir
    2. Não. Negros que só se envolvem com pessoas brancas podem ser meros reprodutores de racismo. Mas este assunto não deve ser tratado como o santo das 07:06, tratou!
      Pelé é rei!!!

      Excluir
    3. Anônimo 30 de dezembro de 2022 às 12:42 - Negros podem se reprodutores de racismo e também podem ser racistas. Se liga! Qualquer um pode ser racista ou machista, fascista, LGBTQIAPN+fóbico e etc.

      Excluir