domingo, 4 de dezembro de 2022

O QUE AMEI DEMAIS

Sou obcecado por fazer listas dos melhores do ano. Chegou a época, mas estou com dificuldade para decidir qual foi meu filme favorito de 2022. "Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo"? "Triângulo da Tristeza"? "Argentina, 1985"? Enquanto a dúvida persiste, já sei qual foi o melhor filme não deste ano, mas que eu vi este ano: "Darling - A Que Amou Demais", de 1965. Encontrei uma versão gloriosamente restaurada no MUBI, que vem se tornando para mim uma plataforma cada vez mais indispensável. Forma e conteúdo do longa permanecem modernos. O diretor John Schlesinger conta, com forte influência dos maneirismos da Nouvelle Vague, a história da modelo-e-atriz Diana Scott, que não tem o menor prurido de dormir com quem puder ajudá-la a subir na carreira. Julie Christie, aos 25 anos, está em todas as cenas, e acho que foi a primeira vencedora do Oscar a aparecer nua num filme. Um de seus pares é o divino Dirk Bogarde, com quem já disseram que eu me pareço (ou parecia...). Também há uma sugestão de cunnilingus, viadagem explícita, aborto e até uma festinha com sexo ao vivo. O espírito libertário da Swingin' London dos anos 60 parece coisa de outra planeta, comparado com a caretice que impera nos dias de hoje. "Darling" não envelheceu um segundo, até porque o mundo andou para trás. Amei, e agora procuro um filme deste ano de que eu goste mais.

17 comentários:

  1. Faz um tempo que estou analisando a possibilidade de assinar o Mubi. Você me convenceu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Toninho nem sabe que Londres tem
      um prefeito de esquerda-e o Brexit
      perdeu na capital britânica.É igual
      comparar NY com o Texas,por exemplo.

      Excluir
    2. Não, não sei. Eu nunca sonhei com você, nunca fui ao cinema, não gosto de samba, não vou a Ipanema, não gosto de samba nem gosto de sol.

      Post de 2015:
      http://www.tonygoes.com.br/2016/05/yes-we-khan.html

      Excluir
    3. Só esqueceu de dizer que a Julie
      Christie continua sexy até hoje.

      Excluir
    4. 22:00-Londres nunca deixou de ser
      cosmopolita....já o interior de SP é
      um caso perdido,Tony.

      Excluir
  2. Ansioso pelas suas listinhas, mas comecei a assistir o filme argentino e achei tão sem sal, ele melhora no meio para o final?

    ResponderExcluir
  3. Meu voto vai para "Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo" que se fosse um filme de uma grande produtora teria sido um sucesso estrondoso.

    ResponderExcluir
  4. Pensando em qual vai ser a capa e o título dos seus melhores/piores do ano.
    A de 2018 e 2022 foram marcantes.

    ResponderExcluir
  5. *Corrigindo: as de 2018 e 2020 foram marcantes.

    ResponderExcluir
  6. Relendo o seu último post de 31 de dezembro de 2018 da para perceber que apesar da vitória do B., você conseguiu ser um pouco otimista. Acho que todos nós esperávamos turbulências, mas ninguém estava preparado para o pandemônio que seriam esses últimos quatro anos. Parece mentira que esse pesadelo tá acabando...

    ResponderExcluir
  7. Não confio em vc pq vc não gostou de Dark. Sua profissão deveria lhe obrigar a assistir tudo até o último minuto antes de emitir uma opinião. Viva Dark.

    ResponderExcluir
  8. Já tinha ouvido falar deste filme, pq parece é o favorito da cult Sofia Coppola...
    Imagino que a viadagem explicita se deva ao diretor, gay assumido.
    Vou assinar este Mubi, mestre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se bem que falar "viadagem" caiu na
      boca das Cássia Kisses da vida,hoje
      em dia,10:06.

      Excluir
  9. Vou a seguir sua recomendação. Detesto tudo o que indica de música. Mas você acerta maravilhosamente nos filmes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 11:49-Já estou imaginando a manchete
      de amanhã do engraçadinho Meia-Hora
      do RJ sobre o Japão e a Coréia do Sul
      ficarem de fora da copa:ELES NÃO
      ABRIRAM O OLHO.Se isso é jornal
      popular,estamos phodidos.

      Excluir
  10. O meu filme do ano é "Moonage Daydream"

    ResponderExcluir