terça-feira, 6 de dezembro de 2022

EXCESSO DE REPRESENTATIVIDADE

Os movimentos identitários nunca foram tão fortes como são hoje. Feministas e ativistas contra o racismo ou a homofobia conseguem não só influenciar o debate público, como a própria legislação. Mas, quando o poder cresce, nunca demora para ser abusado. Patrulhas que se acham donas da verdade infernizam a mídia e as redes sociais. As cobranças aumentam exponencialmente. Até quem é simpatizante histórico da causa costuma ser atacado por não usar a palavra certa, "aprovada" dois minutos atrás, ou por não ser inclusivo o suficiente. O resultado é que cidadãos comuns se aborrecem, e acabam votando na extrema-direita.

Eu já fui apedrejado por falar "o travesti", como manda o dicionário. Também já reclamei de quem reclama demais. Nem toda obra que representa alguma das letras da sigla LGBTetc. é obrigada a representar todas. Fora que sempre surge alguém se queixando que as transexuais sergipanas pernetas foram invisibilizadas. É impossível agradar a todos.

Mas isto é o que parece querer a nova bandeira LGBTQIAP+. Alguém achou que as seis cores existentes, que significam aspectos abstratos e não grupos específicos, não eram o bastante. Aí enfiaram os símbolos do orgulho trans e intersexo e até uma alusão ao antirracismo. Daqui a pouco virão os logos dos assexuados, dos não-binários, dos tarados por bichinhos de pelúcia e das trans pernetas de Sergipe. As intenções são as mais nobres possíveis, mas o resultado é desastroso. Para quê mexer num pavilhão que finalmente se firmou e hoje é reconhecido no mundo inteiro? Os LGBTc. sequestramos as cores do arco-íris, a ponto de a bandeira de Pernambuco ser perseguida pela polícia do Qatar. Nossa bandeira é linda, é famosa e é respeitada em cada vez mais lugares. A nova é feia e complicada. Para quê criar novos obstáculos para nós mesmos e abusar da boa vontade do cidadão comum?

15 comentários:

  1. Achei esse quiz o máximo.
    Quero ver quem acerta todas as bandeiras da causa LGBT & Cia. Ltda.

    https://aminoapps.com/c/lgbt-1/page/blog/inclusive-pride-flag-quiz/j05a_rRYtKu3gx5l6kYjM7Rz2Zbj8wljGBG

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho melhor que se faça uma lei pra
      permitir que o povo possa dar chutes
      na bunda e bolsadas na cara dos
      bozistas que estão na frente dos
      quartéis.Eles não merecem perdão,
      nem anistia.

      O Brasil não merece esta gentalha.

      Excluir
    2. Eu bem que tentei, mas não consegui acertar as 38 bandeiras identitárias presentes nesse teste.

      Excluir
  2. As intenções não são as mais nobres possíveis. Normalmente aqueles que protestam contra o governo do Qatar mesmo com a Copa tendo sido aprovada na mutreta faz anos ou aqueles que discutem uma cor a mais na bandeira ou uma letra a mais nessa sigla infinita, pouco participam efetivamente na atividade, na defesa, no apoio e querem mais é aparecer e dar pitaco.É fácil fazer o gesto da pombinha da paz, participar de abraçaço e de se indignar quando a câmera liga. Doar um pouco do tempo e dinheiro por uma causa são outros quinhentos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ih,o identitarismo hoje é o irmão
      gêmeo do neoliberalismo,na
      maioria dos casos....

      Excluir
  3. Concordo.
    Óbvio que existe opressão dentro do próprio grupo minoritário, mas a resposta a isso não pode ser acirrar ainda mais o identitarismo e afastar a (boa) pessoa comum de uma interação social mais relaxada e saudável.

    ResponderExcluir
  4. Nossa eu tenho um ódio disso. Minha bandeira é a de 78 e nunca vai mudar, que peguem esse resto todo aí e que partam pra pqp

    ResponderExcluir
  5. Agora vc entende o sentimento dos conservadores. Eles também dizem que estatuas de heróis racistas não representam o racismo, mas sim outra coisa mais abstrata. Assim não tem porque retirar essas estátuas. Do mesmo jeito, eles também dizem que não tem porque mudar algo que sempre foi de uma determinada forma só para incluir uma minoria qualquer. Essa minoria que busque outros meios de se sentir representada.

    ResponderExcluir
  6. Trabalhadores e pobres excluídos porque não interessam ao capitalismo. O importante é agregar aqueles que possam comprar espaço. Engragar identitários ricos pacifica o capitalismo e faz gerar neoliberais mais descolados e atraentes.

    ResponderExcluir
  7. Não é assexuado, é assexual. Ninguém diz heterossexuado ou homossexuado, por exemplo.🙄

    ResponderExcluir
  8. Faltou os “2S” two souls na sigla. Canadá te odeia agora.
    Pior que a bandeira foi inventada justamente por ser algo inocente. Afinal como se ofender com um arco-íris? Mas os homofóbicos se ofendem com cores. Essa sempre foi a pegada sensacional da bandeira. Concordo que não precisava mudar a bandeira, bastava reinterpreta-la.

    ResponderExcluir
  9. Concordo. Mas não é a mesma coisa com a sigla? Mudam sempre. E sempre com a falácia de "incluir". Colocaram até um + para meio que encerrar essa loucura, mas não adiantou e já mudou de novo esse ano. Nem sei qual é mais. E sou gay.
    Me incomoda essa importação irrefletida do americanismo. Especialmente num país pobre onde os brasileiros mal sabem o português. O esforço que foi inserir a palavra gay de forma positiva no imaginário coletivo e agora é essa sigla impronunciável.
    As igrejas mantém o mesmo nome há séculos.

    ResponderExcluir
  10. Gosto muito da expressão: "Intransferível", porque a Grande Midia abraçou, convenientemente, a fluidez sexual dos anos 60, que fez aquela Década ser chamada de Anos Dourados, aliado a maior escolaridade que via de regra temos, para a exemplo de São Paulo, incrementar o turismo, já que buscamos um certo conforto material! Só que fizeram uma miscelânea de gêneros e atrações sexuais, que atualmente, muitos buscam se enquadrar em definições do que ter uma excelente noite de amor ou meramente sexual com o (a) amigo (a)!

    ResponderExcluir