domingo, 20 de novembro de 2022

NÃO CONTAVAM COM A MINHA ASTÚCIA

"Chaves" é que nem miojo: se você não experimentou quando criança, não vai gostar depois de adulto. E eu já tinha uns 24 anos de idade quando as aventuras do Chavo del Ocho começaram a ser exibidas pelo SBT. Torci o nariz para a série durante muito tempo, e até hoje nunca assisti a um episódio completo. Mas a presença do Chaves na cultura pop brasileira é tão grande que eu conheço todos os personagens e sei de cor vários de seus bordões, como "foi sem querer querendo" ou "prefiro morrer do que perder a vida". Foi com esse espírito (chespírito?) que fui ver "Chaves - Um Tributo Musical", que estreou em 2019 e voltou ao cartaz em São Paulo para uma temporada relâmpago no Teatro Opus. E não é que eu gostei bem mais do que esperava? O elenco é todo formidável. Fabiano Augusto, como Roberto Bolaños, canta maravilhosamente bem. Gustavo Wabner está irreconhecível como Quico. E Mateus Ribeiro faz um Chaves impecável, com direito a caco e tudo. O espetáculo é um pouco longo - tem quase três horas de duração, com um intervalo - ainda mais se pensarmos que tem muita criança pequena na plateia (e elas não se fazem de rogadas quando querem chorar). Mas as música são ótimas e as cenas  na vila são sensacionais. Só fica em cartaz até domingo que vem: portanto, sigam-me os bons.

6 comentários:

  1. Eu lembro de assistir Chaves em dois momentos:
    Quando eu tinha 8 anos (em 2001) eu assistia na hora do almoço.
    E em 2006 (já com 13 anos) eu lembro que passava de manhã e como nesse ano a escola que eu estudava estava em reforma as minhas férias foram mais longas.

    ResponderExcluir
  2. Eu amo Chaves até hoje.

    ResponderExcluir
  3. Viado chato pseudointelectual de merda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 23:27-É TEU KOO,MALACRAIA.
      PROCURE UMA ROLA.

      Excluir
    2. 23:27 É a sua descrição para o Grindr?

      Excluir