quinta-feira, 17 de novembro de 2022

BRASIL, 2022

O ministro Dias Toffoli - que foi indicado ao STF sem sequer ser juiz, apenas advogado do PT - foi visto a princípio como uma espécie de Kássio do Lula, sempre prestes a servir sem piscar seu amo e senhor. Os anos passaram, os governos também, e hoje Toffoli parece inclinado a puxar o saco do presidente de plantão, seja lá quem for. Já chamou o golpe de 1964 de "movimento", e agora critica a Argentina por ter julgado e condenado os chefes do regime militar. "Uma sociedade que ficou presa no passado, na vingança, no ódio, e olhando pra trás, pro retrovisor, sem conseguir se superar", disse Toffoli num evento em Nova York. Oi? Preso no ódio está o Brasil, que elegeu um cavalariço brutamontes para a presidência. Nossos vizinhos, como bem mostra o filme "Argentina, 1985", mandou para a cadeia vários generais, e sabe quando houve manifestação por lá pedindo a volta dos milicos ao poder? Nunca. Jamais. Os argentinos cortaram o mal pela raiz. Para isto, contribuíram alguns fatos: além de deixar a economia em pandarecos, como aconteceu aqui, a ditadura deles matou muito mais gente que a nossa, e ainda perdeu uma guerra completamente que ela mesma declarou. Não deu para conter a raiva da maior parte da sociedade. No Brasil, ao contrário, a transição à democracia se deu em câmera lenta, com mil salvaguardas para os coitadinhos dos militares, e o resultado está aí. O asqueroso general Villas Boas acha que milico não só tem todo o direito de se meter em política, como o de governar sem ter sido eleito. Este é o Brasil de 2022.

7 comentários:

  1. O Toffoli é um bosta, como qualquer incompetente que ganha autoridade. A melhor coisa que ganhou a Argentina com esse julgamento foi escancarar, para quem quisesse ouvir (e para outros tantos que tentaram ignorar) as atrocidades cometidas em nome da luta contra o comunismo. Quando era adolescente li o livro “Tortura Nunca Mais”. Não consegui ler tudo. Muito terrível. Mas me fez ver que nenhum ser humano pode ter poder absoluto sobre quem quer que seja. Eu vou encomendar este livro para dar de presente de Natal para algumas pessoas da minha família que estão agora minimizando os malefícios da ditadura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lá,eles tem o Papa,a Rainha da Holanda,
      ganhadores do Oscar e do Nobel.Aqui.....

      Excluir
  2. Que julguem e punam os militares. Também os guerrilheiros de alta classe que assaltaram, igualmente torturaram, mataram dissidentes, sequestraram e sonhavam em transformar um país enorme como o nosso em uma ditadura de esquerda. Cadeia para todos, para o militar torturador que virou diretor de estatal e para a guerrilheira que enfiou um fuzil de assalto na cara de um trabalhador do banco e depois foi eleita presidente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 23:12-CALA A BOCA,CARLUXO VIADO.

      Excluir
    2. Anônima 17 de novembro de 2022 23:12 - Má caráter e faz falsas analogias.

      Excluir
    3. Falsa analogia, ok. Os guerrilheiros eram pessoas do mais ilibado caráter e que queriam uma sociedade mais justa. Eram só um pouco pragmáticos quando tinham que assaltar banco com a população dentro, ou quando torturaram e matavam. Guerra suja, meu amigo. Ruim para todos. Se esse período tem um porta-voz como o idiota do Bolsonaro do lado do exército, esses terroristas de classe média e boas escolas são ainda defendidos pela imprensa e são pintados como sonhadores inocentes. Eram cruéis, egoístas e mimados.

      Excluir
  3. E o Marco Aurélio (já aposentado) que defendeu o Bozo... Foi de meu ministro favorito a cancelado completaente já in memoriam.

    ResponderExcluir