segunda-feira, 3 de outubro de 2022

DATA FALHA

Em 2018, todos os institutos renomados acertaram na véspera o que iria acontecer no dia seguinte. Por isto, é falsa a narrativa de que eles sempre erraram tudo, ou que tendem para o PT. DataFolha e Ipec, principalmente, são empresas seríssimas, com profissionais do mais alto quilate. Só que, neste ano, sofreram uma derrota fragorosa. Lula ficou um pouco aquém dos 50% previstos por ambos, dentro da margem de erro, mas Biroliro teve 43% - bem mais que os 34% esperados. Também é um vexame terem anunciado que Hamilton Mourão ficaria em terceiro na corrida pelo Senado no Rio Grande do Sul, ou que Sergio Moro terminaria em segundo no Paraná. Nem anteviram a vitória de Claudio Castro no Rio de Janeiro com mais de 30 pontos sobre Freixo. A que se deve tamanho engano? Duas hipóteses me ocorrem. A primeira é o famoso voto envergonhado, ou mesmo negado. Birolistas podem ter mentido de propósito, para descreditar as pesquisas. A segunda é o erro na amostra. Cada instituto avalia o peso das classes pobres de maneira diferente, porque não há dados recentes do Censo. Mas é chocante pensar que os mais acurados foram o Atlas e o Brasmarket. Agora ninguém mais vai ficar ansioso esperando pelo próximo DataFolha.

18 comentários:

  1. Estatística é complicadíssima e se são institutos sérios, a amostra deles sempre deve ser a mais representativa possível. Nada de só pesquisar nas capitais, nada de só num bairro, nada de só na mesma hora.

    ResponderExcluir
  2. Thiago Gagliasso eleito. É isso mesmo, Brasil?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. a voz do povo é a voz de Deus, nunca escutei algo tao imbecil

      Excluir
  3. Roubaram a eleição, essa é a minha hipótese. Bozo fala tanto de urnas adulteradas que eu estou começando a desconfiar que elas foram mesmo.

    ResponderExcluir
  4. Ambos os lados ficaram decepcionados: um porque acreditou nas pesquisas e outro porque acreditava cegamente no tão falado "datapovo". Os dois lados quebraram a cara!

    ResponderExcluir
  5. E a tese de que essa distorção foi do Ciro inflado com 6-8% das intenções de voto que pertenceriam ao Bolsonaro?

    ResponderExcluir
  6. e seus dois amigos que tão tretando muito feio hein (foi até parar na justiça)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nunca fui com a do Beto Ribeiro

      Excluir
    2. Que amigos?? Não tô sabendo de nada! Que treta é essa? Conta aí!

      Excluir
    3. Beto Ribeiro e o Pavi (que sou amigo) brigaram feio, aparentemente o Beto foi racista com uma mulher e chamou o Pavinatto de macumbeiro de maneira pejorativa

      https://www.instagram.com/tv/CjOcJS5BHF5/?igshid=YmMyMTA2M2Y=

      Excluir
  7. Foi exatamente isso. O voto (in)útil acabou migrando de volta pro Bozo. Provavelmente já eram bozo em 2018, mas estavam arrependidos. Só que pra eles o nome PT ficou radioativo. Esse é o núcleo duro da rejeição ao PT. Se as pesquisas não erraram mais, a rejeição ao Bozo ainda é maior. Esse segundo turno vai ser embate de rejeições. Quem tiver a menor leva.

    ResponderExcluir
  8. O absenteísmo foi um pouco maior em 2022 do que em 2018: mas dentro da média - os 20%.
    Sobre as filas, como mesário das eleições desde 2010, posso indicar os seguintes fatores:
    - a biometria funcionou muito bem, mas quando a coleta engasgava, são até 4 tentativas no terminal antes do eleitor ser liberado para o voto;
    - Antes de liberar a urna, o mesário tem que digitar o título eleitoral do eleitor. Nestas eleições a novidade foi o teclado touch screen, que obviamente é mais lento na digitação do título de eleitor do que o teclado manual, basta você comparar a velocidade de digitação dos antigos celulares (que tinham teclado físico) com os smartphones atuais, por exemplo;
    - foi inserido um delay na urna: quando o eleitor vota, deve aguardar 1-2 segundos antes de CONFIRMAR.
    Você pega o acréscimo de segundos da biometria quando falhou; do teclado touch screen que o mesário tem que digitar e o delay (no 1º turno foram 5 votos) e multiplica pelos eleitores.
    A isso acrescente os fatores comuns a todas eleições: o povo que demora pra digitar (seja porque quer ficar puxando de memória em quem vai votar ou por não saber mesmo lidar com números) e o fato de todos quererem ir votar ao mesmo tempo: entre 8h a 14h.
    Se no segundo turno você não quiser pegar filas:
    - vote depois das 14h
    - leve sua colinha com número e nome dos candidatos
    - e use alcool em gel DEPOIS da coleta biométrica e não ANTES, pois embaça o leitor.

    ResponderExcluir
  9. A esquerda que acreditou nas pesquisas e a direita que acreditou no 'Data Povo', ambos quebraram a cara.
    -
    Sobre as pesquisas: o mesmo aconteceu no embate Trump x Joe Biden. Biden levou aquelas eleições no voto a voto, quando as pesquisas demonstravam uma boa vantagem. Os pesquisadores chegaram à conclusão, naquela época, que as pesquisas não tinham captado o voto envergonhado. Houve um novo desenho metodológico e, pelo visto, há muita coisa ainda a ser corrigida.
    O voto envergonhado, nestas eleições, ao contrário do que se conclamava não era dos Lulistas. Tanto é que os votos para Lula foram acertadissímos.
    Isso me leva a outra reflexão: se os Bolsonaritas votam com vergonha, isso significa algum grau de consciência. Preferia acreditar que todos eles fossem apenas burros.
    -
    Outras duas teorias vem sendo ventiladas:
    A primeira, que os bolsonaristas estariam mentindo nas pesquisas propositalmente para desacreditá-las. Me soa muito teoria da conspiração.
    A outra, é que os números de Ciro teriam sido inflados, seus 6-8%, que na verdade eram 3%, e essa diferença pertenceria a Bolsonaro. Erro de amostragem?
    Pode ser outro caminho para correção.
    No frigir dos ovos, as pesquisas que mais se aproximaram do que ocorreu foram a Ipec e a Paraná Pesquisas.
    -
    E agora que o segundo turno realmente começou, a discussão é quem é mais satanista: Lula ou Bolsonaro.
    Este é o Brasil de 2022.
    -
    PS: Para Bolsonaro vencer precisa de 8 milhões de votos. Lula, 1 milhão e 600. Por isso aquela tristeza toda quando o Bolsonaro foi falar com a imprensa no domingo à noite. O mesmo para o governo estadual em SP. Impossível Haddad virar Tarcisio. O Tucanistão foi demolido em SP em troca de um cara que veio menos vezes a São Paulo do que o Iron Maiden. Acho que até o Guns Roses conhecem mais SP que Tarcisio Freitas. Será que vai ser uma dobradinha? Tiraram a Dilma pra colocar o que está aí. Tiraram o PSDB e o que virá por aí?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Iron Maiden conhece mais São Paulo do que o Hadad, o prefeito Jaiminho.

      Excluir
  10. Erraram. O pior foi a justificativa de mudança em massa no último momento. Para que 9% tivesse mudado de opinião e resolvido fazer voto útil no Bolsonaro do dia 1 para o dia 2, teria que inacreditáveis 10 milhões de pessoas mudassem de ideia para o mesmo candidato na mesma hora. A probabilidade de uma coincidência dessa é ridiculamente próximo a zero. Você não mencionou o Márcio França (que tinha mais chances de ser governador do que Haddad) ter ficando sem o senado para o Astronauta. Erros nos estados e para senadores aconteceram muito mais frequente do que o razoável. Em 2018, eles acertaram para presidente mas erraram também nos estados (MG, RJ e SP, onde Marcio França foi para o 2º turno). Precisam mudar a metodologia urgentemente. Já estão desacreditadas.

    ResponderExcluir
  11. Bolsonarista mente em pesquisa desde quando? podem fazer algazarra sobre tal pesquisa, mas não tem a menor vergonha de dizer que votam no Bolsonaro
    IPEC e Datafolha tem padrinhos politicos, eles acharam que o efeito cascata funcionaria nessa ocasião e o tiro saiu pela culatra
    não funcionou

    até a Damares da Goiabeira que pontuava em terceiro ao senado, ganhou de lavada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem seriam esses padrinhos políticos? Qual é a sua fonte?

      Essas acusações são graves, não podem ser feitas na base do achismo.

      DataFolha e Ipec, inclusive, são concorrentes. Como que estariam trabalhando juntos para os mesmos senhores? Explica aí.

      Excluir