domingo, 4 de setembro de 2022

QUE HISTÓRIA É ESSA, DJINN?

Toda narrativa em que um personagem tem direito a fazer desejos é o que se chama em inglês de "cautionary tale". Um aviso de que não existe almoço grátis e tudo tem consequências. A personagem de Tilda Swinton em "Era uma Vez um Gênio" sabe disso. Pudera: ela é uma especialista em storytelling, e corre o mundo dando conferências sobre o infinito poder das histórias. Numa viagem a Istambul, se encanta com uma garrafinha no Grand Bazaar e não se espanta quando, já de volta ao hotel, lá de dentro sai um djinn. Tampouco se deixa seduzir pela oferta de três desejos que o gênio, vivido por Idris Elba, precisa cumprir para agradecer quem o libertou depois de séculos de prisão. Ele então conta a ela as peripécias que viveu, desde os tempos do rei Salomão. O primeiro filme de George Miller depois de "Mad Max - A Estrada da Fúria" passa longe da violência, e é um deslumbre para os olhos. Também faz pensar sobre as histórias que criamos, para nos dar algum objetivo de vida ou mesmo um consolo para os dias difíceis. Mesmo quando não funcionam mais, não desistimos de inventar outras. Storytelling é o que move a humanidade.

2 comentários:

  1. Para esse gênio ae, um dos meus pedidos seria transar com ele...

    ResponderExcluir
  2. Tony pq vc não vê filmes gays? Recriminar lançamento ótimo esse ano.

    ResponderExcluir