quarta-feira, 10 de agosto de 2022

SOBRETUDO, NÃO SEJA VOCÊ MESMO

"Tralala" sofre de um defeito imperdoável para um filme que se quer musical: as músicas são horríveis. E quisera Deus fosse este o único defeito. A direção dos irmãos Arnaud e Jean-Marie Larrieu é tão frouxa quanto o roteiro, que desperdiça uma boa ideia: um músico de rua sem eira nem beira se faz passar por um homem desaparecido há 20 anos, sendo recebido com festa pela família deste. Boa parte da ação se passa em Lourdes, a Aparecida do Norte francesa, mas o aspecto místico e religioso da cidade - sua própria razão de ser - é praticamente ignorado. Poderia ser um lugar bonito qualquer, com lagos e montanhas. Nem o elenco se salva, e olha que é composto por atores bem conhecidos na França. Só gostei de uma fala-chave, que serve de slogan para esse fiasco cinematográfico e também de título para o post.

2 comentários:

  1. porque gastou tempo postando a crítica ?

    ResponderExcluir
  2. Porque senti o ímpeto de escrever sobre este filme. Às vezes, até vejo um filme de que gosto, mas não sinto o ímpeto e não escrevo nada.

    ResponderExcluir