terça-feira, 23 de agosto de 2022

NADA COMO UM DIAS DEPOIS DO OUTRO

Sim, eu gostava do Sergio Moro. Fui lava-jatista de primeira hora, e acreditei que as intenções do ex-juiz foram boas. Até fiquei bravo quando o Jean Wyllys criticou o look todo preto do conje. Eu não vou negar, até porque está tudo registrado aqui neste blog. Mas a minha admiração pelo Moro começou a rachar quando ele grampeou um telefonema entre Lula e Dilma depois do horário autorizado pela Justiça, em março de 2016. Dois anos e meio depois, ele aceitou ser ministro do Bozo, passando recibo de que tinha mesmo ambições políticas. Aí veio a Vaza-Jato e a casa caiu. O marreco foi revelado como um sujeito que passa por cima das regras. Nunca teve nada de imparcial. Em 2020, Moro deixou o governo pelas razões certas, mas nunca mais fez nada direito. Sua candidatura à Presidência não deu nem para a largada. Sua transferência de domicílio eleitoral para São Paulo era fraudulenta. Agora, segundo pesquisa do Ipec, está 11 pontos atrás de seu antigo mentor, Álvaro Dias, na corrida pela cadeira de senador pelo Paraná. É incrível que seu cartaz ande tão baixo em sua própria terra. Dias, político calejado, deve estar rindo por dentro e por fora. Eu também estou.

12 comentários:

  1. O Mio Babbino Caro
    Pena que quando queremos ver um Pato no lugar de um Coelho (Ludwig Wittgenstein) nada nos impede. Era tudo tão claro e evidente desde o início, mas você não me escutou.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Classe média queria se enganar que não tem ódio de classe

      Excluir

  2. Moro deixou o governo pelas razões certas?

    Ele fingiu que não viu tudo da familícia e dos apaniguados deles.

    Só saiu quando viu que não iria ganhar o prêmio (ser ministro do STF) por ter tirado Lula da campanha presidencial de 2018.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Demitiu o Bruno Pereira da FUNAI

      Excluir

    2. Anônimo 24 de agosto de 2022 15:47 Ou seja, foi capanga de milícia.

      Excluir
  3. Este povo nunca me enganou. Eu tinha quase certeza q a gente iria cair no colo de um político péssimo igual caímos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A questão nuca foi acreditar ou não nesse patife. A questão sempre foi tirar Lula do páreo.

      Excluir
  4. Ele saiu do governo em 2020.

    ResponderExcluir
  5. É inacreditável o que ele conseguiu fazer com a própria carreira. A Vaza-Jato revelou que ele era promotor e juiz, atuando mais como promotor. Isso era tão visível, e "ninguém" queria ver. Um pouco antes da última eleição, divulga as "revelações" de Palocci, num claro desejo de influenciar a eleição. E a turma aceitando... aí ele vai para a bolsolândia e depois tem um chilique com os métodos e intenções dos seus mui amigos. Aí resolve ganhar dinheiro no mundo do dinheiro. Vira consultor para livrar as mesmas empresas que condenou. Aí, nessa contínua mudança de rota a cada 2 anos, vira candidato a presidência. Aí, depois de começar a campanha gastando bastante e atingir o 3º lugar nas pesquisas, sai do partido e vai para outro, sem maiores satisfações. Ele parece disposto a mostrar que não sabe o que quer, ou quer tudo ao mesmo tempo, sempre dando uma banana para a ética, como nem os políticos ousam fazer. Vai ter o que merece, e será merecido, claro! O esquecimento...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alguém sabe explicar como pessoas tão articuladas como o Tony embarcam nessas canoas...

      Excluir