segunda-feira, 18 de julho de 2022

VIREI O BROTO PRA LÁ

Cely Campello fez muito sucesso no comecinho dos anos 60, em pleno império da bossa nova e alguns anos antes da Jovem Guarda. Musicalmente, não trouxe grandes contribuições para a MPB, pois quase todos os seus sucessos eram versões de músicas estrangeiras. Teve mais importância como fenômeno pop, já que foi a primeira cantora brasileira voltada para o público jovem. Mas sua suposta rebeldia não foi muito longe, já que abandonou a carreira com apenas 20 anos de idade para se casar. Foi uma decisão sofrida? Que forças opostas lutaram dentro da pequena paulista de Taubaté? Jamais saberemos, a depender do filme "Um Broto Legal". A história de Cely e seu irmão Tony é contada sem tensão nenhuma, ou seja: não é uma história. O roteiro mambembe é prejudicado pela produção pobrezinha, e o resultado é um filme em que atuações, cenários e enquadramentos lembram uma novela não-bíblica da Record. Salvam-se os protagonistas Marianna Alexandre e Murilo Armacollo, que cantam bem e captam o espírito ingênuo da época. Mas foi duro ver esse longa caretinha depois da explosão de "Elvis".

5 comentários:

  1. E eu curioso pelo filme, pq tem o gostosinho reacionário do Folgosi...

    ResponderExcluir
  2. O que está acontecendo com o cinema brasileiro? Credo!
    Volta, Lula!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não dá para culpar o Biroliro por este filme ruim. Um longa leva mais de quatro anos para sair do papel e chegar às telas.

      Excluir
    2. João,cinema não tem nada a ver com
      política,em matéria de conteúdo.

      Excluir
    3. Então não começou a ser feito na Era Temer. Não era mais o Lula! Até a cerveja na Era Lula melhorou.

      Excluir