terça-feira, 5 de julho de 2022

O PARVENISTA DESLUMBRADO

Washinton Olivetto foi um dos maiores criativos de todos os tempos da propaganda brasileira. Ele e Nizan Guanaes são os dois publicitários de que a sua mãe já ouviu falar. Essa fama fez com que ambos fossem convidados a assinar colunas em jornais, e nenhum dos dois se saiu muito bem neste métier. Ontem Washington publicou um atestado de alienação em três vias, registrado em cartório. Do conforto de sua aposentadoria em Londres, onde vive há alguns anos, ele descreve em abundância de detalhes a semana que seu filho Theo e alguns amigos desfrutaram no Rio de Janeiro, com produção e patrocínio paternos. O texto é sensaborão. Não passa de uma lista de lugares e celebridades que os garotos encontraram, de uma perspectiva nitidamente não-carioca. Nas mãos de uma Danuza Leão, talvez ficasse divertido. Do jeito que está, é só um parvenista deslumbrado fazendo name dropping.
 
A coluna de Washington Olivetto viralizou rapidamente. Além de tudo, ele cometeu o maior pecado que um publicitário pode fazer: mostrou-se totalmente desconectado da sensibilidade atual, e não há exílio no além-mar que justifique essa bolha. Mas nem tudo está perdido. Uma resposta apócrifa já está circulando pelas redes. E aquele abraço para o Rio.

41 comentários:

  1. Para os turistas que ficam hospedados em Copacabana, o Rio de Janeiro é realmente lindo. Fui uma vez só na época do Rock in Rio. Mas é tudo caro nesta cidade. Tudo é cotado em dólar, voltado para o turista estrangeiro. Para os brasileiros, os preços são exorbitantes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Parvenista" é um termo super esnobe, que foi moda no começo do século 20. Vem do francês "parvenu" (vindo de fora) e era usado pela elite paulistana para discriminar os imigrantes que enriqueciam.

      Eu uso de vez em quando, para dar vazão à arrogância que me preenche feito um gás.

      Excluir
    2. Na verdade seu comentário não faz sentido, tendo em vista que a participação do turismo na economia brasileira é baixa. Idem ao Rio.

      Excluir
    3. João,o Rio depende mais do turismo
      do que você pensa.E muito.

      Excluir
  2. Dei um google no Pavernista, achei a resposta do Tony em 2008.
    http://www.tonygoes.com.br/2008/12/fico-branca-como-neve.html?m=1

    ResponderExcluir
  3. Mano, Que texto tosco!!! 😂😂😂
    Não deu para ler o do gêmeo pobre mas imagino o tom...
    Bem lembrado da Danuza, ela faria dessa premissa narrativa, algo divertido e gostoso... a cara do Rio!
    Ele quer fingir que é cidadão do mundo e descolado, e só consegue ser tosco e forçado. Já a Danuza era uma cidadã do mundo e descolada!
    Faltou um rolê dos garotos com o porteiro do prédio dele, no que com a Danuza foi apenas um ato falho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele e a Danuza são iguais-só faltou ele
      escrever aquela coisa óbvia-os filhos
      dele assistirem o desfile militar de
      Carnaval(?)na Sapucaí-pra completar a
      macumba pra turista.E conhecer aqueles
      bicheiros que estão lá todos os anos.

      Excluir
    2. Não são iguais não. Danuza escrevia muito melhor, com muito mais humor.

      Excluir
    3. Quem escreve com humor é o Sérgio
      Augusto,do Estadão-que é carioca.

      Tony,me responda uma curiosidade minha:
      o Tony Awards deste ano deu de 7 a 1 no
      Oscar?-Eu vi e adorei....

      Excluir
    4. Eu via as duas cerimônias, e gostei mais da do Oscar.

      Excluir
    5. Danusa é carioca, Olivetto é paulistano. Achei apenas um texto preguiçoso. Tinha que escrever algo, escreveu qualquer coisa. Se fosse um texto sobre os lugares descolados de Cuiabá, Londrina, Teresina ou Uberlândia não teria 0,01% dessa repercussão e não teria nenhuma crítica.

      Excluir
  4. Muito pior é o Nizan Guanaes. No finado Manhattan Connection, ele chama o Jeff Bezos de babaca por ter um desses mega iates, dizendo no alto da sua consciência e postura nos novos tempos que isso não faz nenhum sentido. Sua ida até NY não foi obviamente de classe econômica , tampouco sua mansão exclusiva em Trancoso e outros luxos de que disfruta não são considerados babaquice. Ah, sua esposa, que na festa de aniversário reviveu os melhores momentos de casa grande e senzala e trabalhou por anos em um dos maiores esquemas de lavagem de dinheiro e sonegação do Brasil chamado Daslu, também não foi considerada babaca .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como não foi? Aquela foto da Donata Meirelles cercada por mucamas gerou um escândalo tão grande que ela foi afastada da revista "Vogue".

      Excluir
    2. Não foi considerada babaca por ele, Nizan. Só o Jeff Bezos que é.

      Excluir
  5. O Nizan escreveu mais de um texto na Folha se vangloriando dos estudos do filho e dele próprio em universidades americanas, como Harvard e ninguém falou nada. Achei desproporcional essa reação contra Washington, que foi mto mais discreto e tentou encher a bola do Rio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os tempos mudam. O pessoal agora anda muito mais sensível com a desigualdade e a ostentação do que antes.

      Excluir
    2. 15:58-Tem gente de fora do Rio que gosta
      mais da cidade que quem mora lá.É aquela
      rivalidade histórica entre paulistas-cariocas.

      Excluir
    3. Não é fácil morar no Rio. Já morei lá duas vezes.

      Excluir
    4. Harvard foi uma das faculdades que apoiava a escravidão e eugenia até hoje tem nos arquivos esqueletos de negros que eles usavam em aulas pra mostrar que eles eram inferiores. Nada mais CORRETO que o filho de um tosco deslumbrado como o Nizan estudar lá. As universidades Ivy League americanas nada mais são que cópias mal feitas das excelentes universidades inglesas que foram pioneiras na integração de negros e asiáticos, os EUA é o filho burro dos ingleses. O Nizan é um lixo pouco inteligente e deslumbrado ja o olivetto tem bastante sofisticação criativa mas sem dúvida vive aquela fase que começa a sentir os sintomas de demência. A Daslu fazia lavagem pro tráfico todo mundo sabe.

      Excluir
    5. 07:53-Harvard é muito melhor que qualquer
      Mackenzie da vida.E os EUA não precisam
      de rei e princesa pra serem felizes,otário.

      Essa fake news sobre a Daslu é tão falsa
      igual aquela que a Hillary e o Biden são
      pedófilos.E chamar um idoso de demente
      é tão nojento que eu acho que você quer
      trabalhar pro Gentilli.O Léo Lins que o diga.

      Excluir
  6. Acabei de ler. Vergonha alheia é pouco. O texto é ruim, com ele falando no lugar dos garotos e depois terminando com algo como " nem começamos a faculdade e já fizemos uma pós-graduação de vida" !!! Faltou eles pegarem um trem lotado, serem enganados pelos taxistas, fugirem de bala perdida e tomarem esculacho da polícia se forem pretos. Daí o doutorado de vida estará pronto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 16:02-Isso acontece em SP,terra do
      Olivetto e desgovernada pelo PSDB do
      Covas que a mídia ama de paixão.

      Excluir
  7. A babá foi promovida a membro da família e os pobres servem feijão e tocam música!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 16:10-O mais engraçado é que a esquerda
      do RJ frequenta quase os mesmos lugares
      que o colunista de O Globo...na Zona Sul,o
      Crivella perdeu pro Freixo.....mandaram bem!

      Excluir
  8. Libera o texto do Uoston em alta resolução.

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tenho outra versão em melhor resolução, só esta. Dica: clique na imagem do texto, que ele cresce. E tente ler na tela de um computador, não na de um celular.

      Excluir
    2. Consegui uma melhor! Muito bom. Obrigado por ter trazido este texto para nosso conhecimento. Copiar o link no navegador:
      https://imgbox.com/Teo5RKEh

      Excluir
  10. Já que você citou o Guanaes, nunca é demais lembrar esse trecho de uma reportagem que o entrevistou:

    “O publicitário Nizan Guanaes tem um jeito peculiar de explicar porque as pessoas devem se preocupar mais com as aparências do que com a vida real. "Eu amo meu personal trainer", exemplifica. "Mas ele é gay", diz num tom mais baixo de voz. O publicitário acentua cada palavra para explicar que não tem preconceito algum. "Eu sou baiano", explica. E para provar que vê o homossexualismo com naturalidade, Nizan garante que tem muitos amigos que são gays: "Até meu irmão é", reforça. No grand finale de sua parábola, ele arremata: "Agora, o que eu não vou fazer nunca é sair à noite com o meu personal trainer, porque isso destruiria minha reputação".”

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eita. Será que ele é?

      Excluir
    2. Sou amigo de um dos enteados dele, que certa vez me confidenciou que ele é, que era um segredo de polichinelo na família mas é ninguém comenta à luz do dia, especialmente porque ele é o cara do dinheiro. Na época não dei a menor bola pois eu mal sabia quem era, tanto que não entendi o motivo de tanto cuidado e tanto pedido de segredo. Lendo esse tipo de entrevista, acho que faz todo sentido.

      Excluir
  11. Foi uma tolice do Olivetto? Foi. Há uma "elite" escrota e deslumbrada que vira e mexe comete este tipo de coisa? Direto. Mas, neste momento, o tal do Brasil precisa dar tanto espaço para isto?! Nós estamos numa merda tão gigantesca que não dá tempo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Davam espaço pra Danuza,cara....e daí?

      Excluir
  12. Ayrton Mugnaini Jr.5 de julho de 2022 20:10

    Essa de WO me lembrou uma piada que aprendi numa revista portuguesa.

    Um dia, numa aula de ensino fundamental, a professora pediu uma redação com o tema "Uma família pobre". Uma aluna de família muito rica escreveu:

    "Era uma vez uma menina cuja família era muito pobre. A mãe era pobre, o pai era pobre, os avôs eram pobres, as avós eram pobres, o motorista era pobre, a cozinheira era pobre, o porteiro era pobre e todos os criados, até mesmo o mordomo, eram pobres."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não entendi nada-parece piada do
      Léo Lins.kkkkkkkkkkkkk

      Excluir
  13. Porque é dificil morar no Rio Tony? vcs não entenderam a coluna do Nzan, é recalque! No artigo ele faz alusão ao rei do camarote e comenta que a elite brasileira tem dinheiro mas não tem educação o Nizo pode ter um dindin mas nunca vai ter uma coleção de jatos particulares como os agroboys que ganharam dinheiro pra 10 vidas durante a ascenção chinesa esses realmente mandam no país ao contrario dos babacas que estudam em escolas americanas em SP, sem contar que os agroboy se divertem muito mais que o filho do Nizo. Chupa baiano racista!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agroboy não manda porra nenhuma,tio.
      Quem manda são os banqueiros da
      Faria Lima.Sabe onde fica?kkkkkkkk

      Excluir
    2. Faria Lima são apenas 4 quarteirões com 90% de estagiários que acham que idolatram Elon Musk.. Antes o guru dele era o Paulo Guedes.

      Excluir
  14. Eu acho que esse povo que vive numa redoma de vidro do Jardins e do Leblon (e bairros afins em ambas as cidades) tem mais é que tomar uma dose de realidade. Ainda mais em São Paulo, cidade onde a walkability é altamente prejudicada por uma legislação boçal que não obriga prédio novo a ceder área frontal do terreno para a via pública, aumentando a calçada (regra que existe no Rio há décadas). Essa gente não gosta de povo.

    ResponderExcluir