sábado, 30 de julho de 2022

FABÍOLA DOS MACACOS

Nunca imaginei que, além da AIDS, eu viveria para testemunhar o surgimento de uma segunda peste gay. É o que a varíola dos macacos está se tornando na cabeça de muita gente. Afinal, já tem muita biba infectada, e um médico de São Paulo se recusou a atender um paciente homossexual. O pior é que não adianta usar camisinha. A nova doença se espalha pelo simples contato com a pele. Na imensa maioria dos casos, não costuma ser grave, mas já temos um morto. Um paciente oncológico, que estava fazendo quimioterapia e, portanto, andava com a imunidade baixa. Eu, que sigo invicto quanto à Covid graças a quatro doses de vacina e dez de paranoia, tenho mais um motivo para ficar assustado. Aliás, temos todos: o medo costuma ser um bom profilático.

9 comentários:

  1. O curioso é a imprensa brasileira falar da vacina como uma mera possibilidade. Meus amigos gays tão todos se vacinando nos EUA.

    ResponderExcluir
  2. Eu não estava a par das recomendações da OMS em relação a essa varíola e a ligação com os gays e bissexuais. Fiz uma busca rápida naquele chorume que chamamos de Twitter e o que mais tinha era piadas de mau gosto e os homofobicos de sempre bostejando na rede. Achei péssimo o equivicado posicionamento da OMS por dois motivos: primeiro é que com a Covid foi assim no começo, doença leve que só afeta idosos com comorbidades e deu no que deu. E segundo que isso dá pretexto para o estigma e perseguição dos lgbt. Já pensou o que países como Hungria pode fazer com a desculpa de evitar contágios? Infelizmente a desinformação já está instalada. Vai ser difícil reverter.

    ResponderExcluir
  3. Um médico na Espanha tirou uma foto das pernas de um homem no metrô que visivelmente estava infectado e segundo ele todo o corpo estava com bolhas (obviamente ele não quis expor o rosto da pessoa). Foi ate ele e perguntou se estava ciente que estava com a doença. O cara confirmou e então ele recomendou se isolar. A resposta foi que a própria médica que o atendeu disse que não havia necessidade, pois a doença só dá em gays. Ao perguntar para uma senhora que estava próxima ao homem se não estava preocupada a resposta foi que não, pois como poderia pegar a doença se ela não era gay? Esse médico contou o caso e postou a foto nas redes sociais e inclusive deu entrevista na tv depois da repercussão. Olha... Vamos ter dias difíceis pela frente...

    ResponderExcluir
  4. Uma correção do meu comentário: a médica disse que bastava usar uma máscara. A resposta da senhora em relação aos gays veio do governo.

    ResponderExcluir
  5. Os donos do mundo querem exterminar ou, ao menos, controlar a grande população do mundo. Quando parecia que os LGBTs tinham sido cooptados pelo Grande Capital, vem mais uma dessas...

    ResponderExcluir
  6. É mais uma doença que usam pra estigmatizar gays.

    ResponderExcluir
  7. Já temos algunS mortos. Não é ISD, mas é melhor o povo manter o distanciamento social.

    ResponderExcluir
  8. A doença bate mais forte nas crianças. Esperem até começar a morrer criancinha, talvez dái façam alguma coisa por aqui.

    ResponderExcluir
  9. Tony,

    Para dar uma outra perspectiva, de um dos centros do surto.

    - Alguns conhecidos médicos que participam da Agence Régionale de Santé da Ile-de-France (Paris e região metropolitana) comentaram que houve uma discussão séria em cancelar a Pride de Paris pelo surto. Não aconteceu e eles estão bem arrependidos.
    - Os últimos estudos por aqui chegam num número pavoroso de 8 entre cada 10 casos acontecendo com os que tem relações sexuais com homens
    - As autoridades médicas daqui deram sinal verde para vacinar todos os gays tomando Prep e estão discretamente recomendando que todos os gays sejam vacinados
    - Vai faltar vacina na União Europeia: os EUA passaram uma encomenda gigantesca e os governos estão já estão discutindo possibilidade de impedir saída de vacinar de territórios europeus como aconteceu com as mascaras durante o inicio da COVID
    - O protocolo da COVID de "vacinar todo mundo antes de dar segunda dose" começou a ser aplicado, já estou sendo recusado para segunda dose em vários hospitais parisienses alegando-se esse argumento
    - Os ultimos estudos daqui descartam uma contaminação pelo ar e indicam que precisa-se ter uma exposição prolongada (+1 hora) com as feridas
    - Os sintomas são bem severos: feridas no rosto e dores super fortes; os casos de sintomas leves são raros

    Cuidem-se. O perrengue vai ser brabo.

    Beijos,
    Fer.

    ResponderExcluir