terça-feira, 21 de junho de 2022

PISCINÃO, AMOR, PISCINÃO

Talvez eu seja cancelado por causa disso, mas acho que a Federação Internacional de Natação fez bem em tirar as mulheres trans das competições contra as mulheres cis. Esta é uma discussão que vem rolando em quase todas as modalidades esportivas, e está na hora de se chegar a uma conclusão. Não adianta dizer que as mulheres trans são mulheres como qualquer outra, sem tirar nem por. A gente sabe que isto não é verdade, ainda mais agora que as cirurgias caíram em desuso. Não, não estou negando a feminilidade de ninguém: as trans são 100% mulheres na cabeça. Mas no corpo, que na maioria das vezes foi regado a testosterona na adolescência, não. Isso dá às atletas trans uma vantagem sobre as cis, e tira a graça das competições. Ressalto que todo esse debate tem que ser levado à luz da ciência, e não de conceitos e preconceitos ideológicos. Nas piscinas cabe todo mundo.

32 comentários:

  1. A começar pelo tamanho, que faz toda a diferença em uma competição de natação!

    ResponderExcluir
  2. Enfim! A Tifany do vôlei quando era homem, não passava de um jogador mediano e agora estraçalha entre as mulheres. É injusto com as cis que se matam nos treinos e não têm como chegar perto. Que se crie um campeonato só para as trans, não dá para ter tudo.

    ResponderExcluir
  3. Desculpa, é que me acostumei tanto a acompanhar de certa forma o mundo pelas suas lentes, que quando vc não posta parece que não aconteceu...
    Jean louis trintignant não era um dos grandes no cinema?

    ResponderExcluir
  4. Se um homem trans quiser competir na natação masculina, ele também está impedido??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. a discussão tem um foco grande nas mulheres trans, mas e os homens trans que levam desvantagens ?

      Excluir
    2. Mas eles não querem, sabem que levariam desvantagem.

      Excluir
  5. Eu acho que deveriam acabar com esse negócio de competição masculina e feminina. Deveria ser tudo misto.
    Em esportes com times, como o futebol, os times deveriam ser meio a meio.
    Em esportes individuais deveriam ajustar o tempo/pontuação conforme a mediana alcançada por cada gênero.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando a gente pensa que não dá pra piorar, vem um gênio com uma opinião dessa.

      Excluir
    2. Nos EUA tem time misto infantil...achei muito legal!

      Excluir
    3. 02:22-Carluxo,você é débil-mental
      e não sabe.....cara burro.

      Excluir
    4. Time misto infantil! Taí a solução, inclusão nível jardim de infância.

      Excluir
  6. Eu penso que seria interessante criar uma categoria para as atletas trans.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se ninguém assiste basquete feminino, vôlei feminino quase nada, futebol feminino por mais que insistam ninguém conhece uma jogadora sem ser a Marta. Se tiver uma categoria para atletas trans será importante só para quem disputa mas ninguém vai assistir. Você pagaria para ver?

      Excluir
    2. Isso chamaria Apartheid.Bacana,né?

      Excluir
  7. Penso a mesma coisa, mas fico me sentindo culpado e envergonhado em dizer. Além da falta de forças de enfrentar a crucificação. Prezo muito pela inclusão, tento ser antiracista, feminista, sensível às sensibilidades alheias, mas não consigo encontrar um argumento razoável pra justificar a competição entre corpos geneticamente diferentes que não seja atender caprichos. Se for pra aceitar atletas trans que passaram pela puberdade, nem faz mais sentido separar as ligas entre masculina e feminina, vamos logo juntar tod@s (ou todxs, ou todes, escolha o seu favorito) numa liga só.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não dá.Isso chama segregação.Você
      é a favor de criar senzalas pros pretos?

      Excluir
    2. Começo as radicais da internet!

      Excluir
    3. 11:06 Seu mau-caráter!

      Excluir
    4. 16:46-É segregação,sim!

      Excluir
  8. O Mio Babbino Caro
    E se não for "tão simples" assim. Lembro-me de Martina Navratilová, sofrendo agressões por ser lésbica, com sua técnica transexual, Renée Richards. Derrotada, no US Open, depois de alcançar esse direito na Suprema Corte.

    ResponderExcluir
  9. Tony nos diga sobre o procurador de Registro/SP, que deveria sim estar numa jaula, ou mesmo da cuspidora em PM que não teve joelhos no pescoço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não,o importante é falar da Danuza
      Leão.Yes,estamos no Braziu,oh,no...

      Excluir
  10. Concordo com os seus pontos.

    ResponderExcluir
  11. Engraçado que a gente não vê homem trans querendo competir com homem cis (risos). Parabéns pelo posicionamento Tony!!

    ResponderExcluir
  12. Ufa, que bom ouvir isso, podem dizer que eu não tenha lugar de fala, mesmo sendo gay, já que tudo é tão nichado hoje, é delicado mas é uma realidade tudo o que vc falou, ainda temos muito chão pela frente.

    ResponderExcluir
  13. Apenas moradores dos Jardins privilegiados e fechadores com o capital são contra a trangeneriedade no esporte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 23:07 Apenas os filhos desocupados destes, que acham que o mundo é um Twitter. Pergunte para alguém da favela o que acha a respeito dessa briga cultural, fascismo "do bem", que tenta empurrar uma agenda que ainda credita os gays cis como inimigos, pois são "privilegiados".

      Excluir
    2. Se a carapuça do anônimo das 23h45 era para mim, não serviu. Sou a favor da transgeneridade em todas as áreas, não só no esporte. Só acho que atletas trans não deveriam competir com atletas cis.

      Excluir
    3. Que alguém da favela?O favelado que
      é reaça,é evanjegue e apertou 17 em
      18?Vai se tratar,cara-06:44.

      Excluir
  14. Tanta coisa mais importante para se preocupar como os homens sendo impedidos e forçados a lutar na guerra da Ucrânia, mas vamos nos preocupar com o esporte insignificante feminino e trans neles.

    ResponderExcluir