quinta-feira, 16 de junho de 2022

OS NOVOS MARIELLES

Quando Marielle Franco foi assassinada em 2018, a extrema direita imediatamente começou a difamá-la nas redes sociais. A vereadora carioca seria a namorada de um traficante, ou estaria envolvida em negociatas. Tudo balela: Marielle, na verdade, era uma das vozes mais ativas contra as milícias que dominam boa parte do Rio de Janeiro. As mesmas que contam, no mínimo, com o beneplácito do clã Biroliro. Não é por outra razão que esse crime hediondo não foi totalmente esclarecido até hoje. Agora, a menos de quatro meses do primeiro turno, surgem dois cadáveres ainda mais incômodos ao desgoverno do Edaír. A minionzada já está em campo, espalhando mentiras sobre Dom Phillips e Bruno Pereira - até mandaram comentários aqui para o blog, o que não deixa de me ser lisonjeiro. Recusei tudo, claro, e me espanta a fragilidade dos argumentos. Pior ainda é o gado que reclama que desaparecem mais de 60 mil pessoas no Brasil todos os anos, então porque essa gritaria por causa de apenas dois? Ora, ora, ora, porque o caso de Dom e Bruno vai muito além deles próprios. É a prova cabal do descaso com que o Bozo e seus asseclas - incluindo as Forças Armadas e o agronegócio - tratam a Amazônia. Esses trogloditas, que falam tanto em soberania nacional e em proteger a floresta das potências estrangeiras, estão entregando tudo de mão beijada para narcotraficantes, grileiros, garimpeiros, madeireiros e pescadores ilegais. É verdade que os problemas na região existem há muito tempo e que nenhum governo anterior fez um bom trabalho, mas pelo menos tentaram. O Genocida faz exatamente o contrário: quer destruir tudo, em troca do apoio do crime organizado a seu projeto ditatorial. Mas, assim como Marielle Franco não foi embora, Bruno Pereira e Dom Phillips estão maiores agora do que quando eram vivos, e vão assombrar para sempre esses facínoras incompetentes.

8 comentários:

  1. Estamos no fundo do poço querido, Somos um país em carne viva e com uma lepra social que me choca. Só sairemos desse atoleiro juntos. Uns e outros enlutados e envergonhados pelas ruas gritando basta. Não é possível suportar mais. Esses mais outros mártires. E não anônimos nos jogam a vergonha na cara. Reagir minha gente. Reagir.

    ResponderExcluir
  2. O Mio Babbino Caro
    Se for feita uma pesquisa para se conhecer a porcentagem dos que apoiam esse assassinato dará a mesma porcentagem dos eleitores de Bolsonaro.

    ResponderExcluir
  3. Barbárie recomendo entrevistas com o delegado Saraiva pra quem acha que nada mudou depois do golpe assista! Ele delegado desde 2003 disse que nunca tinha recebido uma ligação pra parar uma investigação até que...

    ResponderExcluir
  4. Delegado da PF Alexandre Saraiva citou integrantes do que ele chamou de “bancada de marginais, de bandidos”: Carla Zambelli, Telmário Motta, Jorginho Melo e outros

    ResponderExcluir
  5. Gente,
    O que me abalou mais nesse caso é que eu os conheci na Fazenda do Tino (uma fazenda alternativa) aqui em Porto Velho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em 2014 sai do país com medo de ser assassinada meu telefone foi abertamente grampeado me mandavam mensagens tipo ameaça que simplesmente apareciam na tela do celular não era mensagens recebidas coisa de profissional coisa da ABIN a mesma que foi responsável pela demissão do Rodrigo Rao da Funai eu também vivo um auto exílio como o Rao

      Excluir
  6. TUDO POR DINHEIRO! Veja a Eletrobrás nos pagamos por essas hidrelétricas com nossos impostos pra esse elite jagunça roubar

    ResponderExcluir