terça-feira, 7 de junho de 2022

ORGULHO E PRECONCEITO E VIADAGEM

É significativo que uma versão de "Orgulho e Preconceito" com zumbis tnha vindo à luz mais de uma década antes de uma variante gay do romance de Jane Austen. Se bem que eu não identifiquei muitos elementos do livro no filme "Fire Island - Orgulho e Sedução", que acaba de chegar à plataforma Star +. A trama se finge de apimentada, mas seu núcleo é fofo e doce feito um merengue recheado de chantilly. Um grupo de gays fervidas vai passar uma semana de férias em Fire Island, um balneário popular entre a viadagem desde os anos 70, pertinho de Nova York. O objetivo principal é trepar, claro, mas essa turma é extraordinariamente sem traquejo, apesar de estarem todos beirando os 30 anos. Até rola um pouco de sexo,  mas no fundo o que importa mesmo é o amor, que dois deles irão encontrar depois de muita pirraça. Escrito por seu ator principal, Joel Kim Booster, o roteiro de "Fire Island" inclui drogas e até uma sequência num dark room, mas não esconde seu lado de menina-moça sonhadora. O elenco multirracial é um ponto forte, mas não dá para acreditar que um marmanjo trintão que frequenta festas do circuito nunca transou na vida.

13 comentários:

  1. Olha, nos EUA tem de tudo. Até porque as festas de circuito são mais democráticas. Não há o mesmo acesso a anabolizantes como no Brasil, onde o povo toma trembolona e oxandrolona como se fossem vitamina C.

    ResponderExcluir
  2. Que filme bobo, tenho duas indicações que valem a pena great freedom e moffie .

    ResponderExcluir
  3. Conheço muito trintão gay e hétero que nunca transou. Povo hoje em dia não tem mais traquejo para essas coisas, só quer ver pornô. Hahaha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A mão segura a extremidade longa e cheia de sangue por dentro...a fricção sobre a glande faz vai e vem...sem reclamações, apenas 15 abas abertas no modo privado do Google Chrome...passam 40 minutos...a mão não fecha e está mais dormida do que nunca...espasmos acontecem e de repente começa a sair algo...que passa por um canal diferente, a gente sabe. E PUSHLW sai um jato longe. Prazer que só o autoconhecimento gera.

      Excluir
    2. Isso é medo do contato com outras pessoas e de se magoar a nova geração é muito insegura saúde mental se tornou um problema grave

      Excluir
  4. Uma comédia romântica LGBT inofensiva e boba também tem seu valor e não apenas os dramas pesados e trágicos.

    ResponderExcluir
  5. Quando teremos um remake de "queer as folk"?

    ResponderExcluir
  6. Sou hétero e tenho achado filmes lgbt muito mais românticos tipo Thelma recentemente entre frestas sobre um amor proibido não sei se os héteros perderam o romantismo que ainda existe nos gays que vão contra as normas da sociedade pra se amar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 17:34-Tá viajando na maionese,cara???
      Existem filmes deste tipo até hoje.

      Excluir
    2. Recomenda um! Filmes hétero geralmente exploram a sexualidade da mulher e botam um macho feio tipo Léo Dicaprio Brad Pitt

      Excluir
    3. 21:34-Macho feio é teu avô-você deve
      saber que identitarismo rima com
      neoliberalismo-no teu caso,é mistura
      de carluxismo com feminazi.Uma merda.

      Excluir
    4. 21:34

      Não existe nada de errado em ser feio, as pessoas ditas feias merecem tanto respeito quanto qualquer outra, o que vale pra mim é o caráter de alguém, não a sua aparência física. E pra ser sincero, pra mim o mundo inteiro devia ser assim, ainda mais porque a dita beleza é passageira. Aparência física nem devia ter importância pras pessoas.

      Excluir