quarta-feira, 11 de maio de 2022

PULEI A CATRACA (QUASE)

Em qualquer cidade civilizada do mundo, você compra em qualquer estação de metrô um passe que pode ser diário, semanal ou mensal. Não em São Paulo. Outro dia tentei comprar créditos para meu Bilhete Único na estação mais próxima à minha casa, e fui gentilmente informado que o cartão havia expirado. Para tirar um novo, só indo pessoalmente a uma unidade da SP Trans. Mas esta não é a única inconveniência que o metrô paulistano inflige a seus usuários, que ele encara como estorvos. Para comprar bilhete com cartão de débito, não adianta ir ao caixa, que só aceita dinheiro em espécie. Tem que lutar com um terminal lentíssimo, que volta e meia está fora do ar. Hoje os três terminais da minha estação estavam "em manutenção". E aí, como é que faz? Fui ao caixa, que me mandou ao segurança, que tentou me despachar de volta ao caixa. Finalmente, uma guarda se apiedou de mim ("tenho 61 anos, estou atrasado para um compromisso, sou paciente oncológico" - sim, eu uso esse golpe baixo) e me liberou a catraca. Na volta, em outra estação, mesma coisa: todos os terminais fora do ar. Dessa vez a escrotinha da segurança não teve a menor dó. Aí eu falei que ia tirar uma foto dela e postar nas redes socias, e a mulher se escafedeu. Foi a minha deixa. Corri para uma das catracas de saída e entrei todo pimpão quando alguém saiu. Foi a primeira vez que entrei desse jeito no metrô, e espero que tenha sido a última. Também espero que a SP Trans tome vergonha na cara e ofereça um serviço muito melhor aos seus usuários.

16 comentários:

  1. Uma pequeno ato de delinquência as vezes faz bem pra alma 🙃

    ResponderExcluir
  2. Passei por isso essa semana. Dificílimo comprar um bilhete e não tem mapas do metro dentro ou placas que informe. É feito pra quem faz o mesmo trajeto todo dia. Coitado de quem em de outra cidade!

    ResponderExcluir
  3. Uma pessoa boa para reivindicar alguma coisa no metrô de São Paulo é a irmã do deputado e agora ministro Fábio Faria. Apesar de milionária, era funcionária fantasma de alguma autarquia lá na terra dela e postava fotos de viagens enquanto deveria estar trabalhando . Foi contratada pelo metrô ganhando 17 paus por mês devido à sua total falta de conhecimento da cidade de São Paulo. Afinal ela é cunhada da filha do Silvio Santos.

    ResponderExcluir
  4. Logo mais, quando fizer 65, não vai mais precisar pagar.

    ResponderExcluir
  5. Eu estou bem por fora, achei que com 60 anos já fosse gratuito. Mas Tony, eu quero encontrar você um dia desses para um café, vamos ver se dá certo. E como eu não tenho mais seu e-mail, enfim...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O povo burrão de SP continua votando
      no PSDB pra governador-não faço
      cruzada contra a urna eletrônica,mas
      é muito esquisito UM MESMO PARTIDO
      governar um estado há quase 30 anos.
      Só em SP....

      Excluir
  6. Baixa o aplicativo "Top" . Dá pra comprar os bilhetes pelo Pix ou cartão de crédito e carregar como se fosse um cartão pré-pago. Daí é só usar o QR Code de cada bilhete nas catracas e ir recarregando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem um mapa das estações no app que nada mais é do que um print vagabundo. Poderia ter um "melhor caminho" para chegar em uma determinada estação, haja vista que a quantidade de linhas e interligações , apesar de insuficientes, já é grande.

      Excluir
  7. Dá pra carregar bilhete único até pelo app do Mercado Pago.

    Levo menos de 1 minuto.

    Estão tentando acabar (ou diminuir) com os caixas físicos, mas ô povo difícil de aprender a usar app.

    ResponderExcluir
  8. 🤘 Tony Rock and Roll!

    ResponderExcluir
  9. Existem dezenas de Apps que põem créditos no bilhete único. Se bobear até seu banco faz isso. Alguns até de dão cash back.

    ResponderExcluir
  10. No Rio é parecido. E pior: tem dois sistemas concorrentes. Um chamado "RioCard" que é aceito em todos os modais (inclusive barcas). Gerido por uma entidade privada obscura. Outro é o Giro, cartão do metrô que só funciona nele. Não há nenhum benefício tipo desconto para um passe. Pior: os dois cartões são vendidos por máquinas quase idênticas lado a lado. Só que o RioCard não aceita crédito (apenas débito ou $). Bizarro, não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Porque o compliance do MetrôRio avisou que era melhor eles começarem a se afastar da Fetranspor. Mas o cartão Giro só serve pro metrô e não tem integração com nada. No Rio de Janeiro onde na L2 só tem uma mísera estação por bairro, não há pessoa que use SÓ o metrô.

      Excluir
    2. Faz sentido...mas poderia haver algum tipo de anúncio de que aquele cartão só funciona ali. Vejo muita gente confusa.

      Excluir
  11. É possível comprar pelo whatsapp, pelo Autopass. Via pix, o bilhete sai de QR code na mesma hora. Estranho ninguém no metrô informar isso.

    ResponderExcluir