quinta-feira, 19 de maio de 2022

MORTOS-VIVOS DE RIR

Algo dá muito errado durante a rodagem de um filme de zumbis. Membros da própria equipe começam a se transformar em zumbis de verdade, sabe-se lá por que, e a atacar os colegas. Num único take de meia hora, a câmera registra o sangue jorrando feito esguicho cabeças de borracha sendo arrancadas a machado e gritos, gritos, muotos gritos. Só quando esse média-metragem acaba é que "Coupez!" (corta!, em francês) começa para valer. O novo longa de Michel Hazanavicius, diretor de "O Artista", não podia ser mais distante do elegante filme mudo que lhe rendeu um Oscar. É uma homenagem suja, irregular, com momentos dispensáveis, ao prazer de filmar, apesar dos obstáculos novos e antigos. Também é uma comédia semi-pastelão, que me fez rir alto várias vezes. "Coupez!", que abriu anteontem o Festival de Cannes, também é um metafilme: uma adaptação francesa de um roteiro japonês sobre a adaptação francesa de um roteiro japonês. Sobram críticas para os influenciadores que são contratados como atores sem a menor experiência e muitos elogios para a coragem e a disponibilidade das equipes de filmagem, sempre prontas ao improviso. Tomara que estreie logo no Brasil, mas já vou avisando: não é o tipo de humor que agrada a todo mundo.

2 comentários:

  1. Dúvida sincera: A modinha dos Zumbis no cinema já não passou taz algum tempo?

    ResponderExcluir