segunda-feira, 9 de maio de 2022

BONGBONG

Assim como aconteceu na Hungria em abril, as eleições nas Filipinas também não tiveram um final feliz. As pesquisas apontam para uma vitória esmagadora de Ferdinand Marcos Jr., vulgo Bongbong, filho do ditador que reinou sobre o arquipélago durante 22 anos, de 1964 a 1986, e também de de Imelda, aquela dos milhares de sapatos. Bongbong está longe de ser a ruptura necessária depois do governo populista de Rodrigo Duterte. Apesar de ter matado milhares de inocentes em sua guerra contra as drogas, Duterte entregou uma coisa que passou longe do Biroliro: crescimento econômico, um dos mais altos da Ásia. Assim ficou realmente difícil para a vice-presidente, advogada e ativista de direitos humanos Leny Robredo se eleger presidente. Ela, como assim, uma mulher com esse perfil era a vice de Duterte? Acontece que, nas Filipinas, a eleição para vice é separada, e às vezes rola de alguém de outro partido ser eleito para o cargo. Não deve ser o caso desta vez. A favorita para a vice-presidência é a companheira de chapa de Bongbong, Sara Duterte, filha do proto-ditador. Ah, nada como duas dinastias corruptas juntando forças para saquear um país.

4 comentários:

  1. Capaz de se matarem a duterte junior e o bongbong.

    ResponderExcluir
  2. o pai dele é o "ex gay" ?

    ResponderExcluir
  3. Eu tenho um crush virtual filipino e ele me falou que em relação a pauta LGBT o Duterte está bem longe de ser parecido com o Biroliro,nesse aspecto o Duterte é progressista e que já criticou a Igreja Católica por causa dos padres enrustidos,disse que os padres deveriam poder ter os seus namorados,por causa da colonização espanhola esse é o único país asiático católico

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Duterte é o Mijair de lá-é tarado
      pelas Forças Armadas-e também
      é um ditadorzinho.

      Excluir