domingo, 10 de abril de 2022

LA FISSURE

De vez em quando, a França resolve dar um susto no resto do mundo. O segundo turno das eleições presidenciais já foi disputado duas vezes por um candidato democrático, seja de direita ou de esquerda, e outro da extrema-direita. Aliás, sempre um Le Pen: antes o negacionista do Holocausto Jean-Marie, depois sua filha Marine. Este script se repetiu hoje, com ela alcançando 23 pontos no primeiro turno, contra 28 do presidente Emmanuel Macron. Fiu: meu medo era que Le Pen chegasse em primeiro lugar. Mesmo assim, apenas cinco pontos de vantagem é pouco, mesmo levando em conta que o páreo foi disputado por uma dezena de postulantes. Daqui a duas semanas rola a segunda rodada, e as pesquisas ainda apontam uma vitória de Macron, de 53 x 47% - bem longe dos 66% x 34% de 2017. Bom, é normal que um presidente se reeleja com um percentual menor do que da primeira vez, mas assusta o crescimento da neofascista. Ainda mais agora, quando todo mundo já sabe o que acontece quando um neofascista chega ao poder. E mais ainda quando Vladimir Putin, o chefe deles todos, está arrasando a Ucrânia. Que a esquerda deixe de frescura e apoie Macron sem titubear, por que não é só a França que está em jogo. Se Marine Le Pen vencer no dia 24 de abril, c'est foutu.

14 comentários:

  1. Dúvida: Se a Le Pen ganhar, ela vai ser a 1ª presidentA da França?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não,ela vai se casar com a Damares.kkkkk

      Excluir
  2. O Mio Babbino Caro
    Quais são as pessoas tão caras aos neofacistas?

    ResponderExcluir
  3. O Mio Babbino Caro
    Por falar nisso vem chegando o tempo da DEFU dominar o Blog com seu discurso que o melhor mesmo é o pior mesmo. E olha que aqui ele sempre encontrará seus adeptos cativos do, acredite se quiser, Viva Bolsonaro!

    ResponderExcluir
  4. Tony você nem comentou sobre o banimento de Will Smith da Academia... Tudo isso acabou ofuscando o fato de Will ser apenas o quinto ator negro a vencer na categoria em papel principal, num hiato de 15 anos em que um negro não vencia na categoria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo começou com uma grande baixaria (mas nada além disso: baixaria) numa festa de arromba, mas está se tornando um caso de racismo, guardada a devida proporção, semelhante ao caso Dreyfus na França.

      Excluir
    2. kkkkkkkk.....ganhou um Oscar arranjado
      por causa de um filminho vagabundo.

      No bom sentido,lembrou o Nobel
      da Paz dado pro Obama.

      Excluir
    3. Calma seus racistas.
      G-

      Excluir
  5. Mas a esquerda francesa não tem esse tipo de frescura! No segundo turno eles sempre vão no outro candidato para evitar a vitória da extrema direita. Foi assim na eleição anterior do Macron.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi assim também na reeleição
      do Chirac,em 2001.

      Excluir
  6. Meus dois amigos que moram na França falam que o mandato do Emmanuel Macron é tão desastroso que pessoas de esquerda vão votar na Marine LePen por causa disso

    e eu realmente espero que ela ganhe, sem a França, a união europeia não existe mais, principalmente pra lidar com migração ilegal

    ResponderExcluir
  7. Chego retardé mas dou o meu pitaco:

    - "La France est un paradis peuplé de gens qui se croient en enfer". A França é um paraíso povoado de pessoas que pensam que estāo no inferno. A frase é de um escritor (Sylvain Tesson, btw excelente escritor de viagem) e resume perfeitamente o mindset atual daqui. Economicamente estamos menos com a corda no pescoço do que em 2017. O governo enfrentou relativamente bem o COVID ("menos bem" do que o milagre alemão, mas sem os colapsos dos sistemas públicos de Italia, Espanha ou mesmo Reino Unido). O risco de atentados parece ser melhor controlado pela inteligência francesa. Tudo bem.

    - Entretanto, mesmo dentro da bolha parisiense/bourgeoise-bohème onde eu moro, é impossível negar as falhas estruturais do modelo social francês. Os "elevadores sociais" que garantiam alguma meritocracia e possibilidade de ascensão social para as classes populares não existem mais. A desigualdade de renda tem aumentado nitidamente - seja na gentrificação de TODOS os bairros populares de Paris intramuros, seja no fato de que a segunda maior cidade de um dos países mais ricos do mundo tenha um dos bairros mais pobres da União Europeia (Marselha, 3ro arrondissement). Um professor francês recebe a metade do que um professor alemão ou holandês, para um custo de vida igual senão mais alto. O sistema de saúde ainda é um dos mais generosos mas a falta de investimentos em estrutura e sucateamento são nítidos. Ou seja, tudo bem para a classe alta, tudo menos bem para a classe média vendo o padrão de vida cair, os serviços públicos piorarem. Isso dentro do mandato Macron (vide gilets jaunes).

    - O Macron é uma anomalia desconfortável para o sistema politico francês. Ele conseguiu a proeza de aniquilar os dois grandes partidos historicos ao mesmo tempo. Esquerda e direita moderados, au revoir. A comunicação, talvez para compensar a falta de experiencia na politica, é um "assertivo-estilo-consultoria" que soa arrogante para todo mundo, tipicamente burguês para um eleitor Homer Simpson e meio incomum para um presidente francês. O Macron não sabe falar para o povão francês, e quando precisa dialogar (vide gilets jaunes) soa arrogante. Ou seja, um candidato de "direita com vies social" que tem um programa de direita mas não sabe ser social.

    - Tudo isso junto dá nessa bagunça. O que mais me assusta não é o crescimento da Marine, que poderia ter crescido bem mais se um pouco mais inteligente fosse. São os 22% do Mélenchon. Eleitor do Mélenchon é esquerda radical, meus amores. Do nível que eu, PT no Brasil, tive dificuldade de votar quando vi o programa de governo. E me arrependo quando penso que o segundo turno poderia ter sido Macron x Melenchon. Ao invés de direita x extrema direita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. você pode me chamar de retardado em francês, mas a realidade é que a França é governada pela esquerda por décadas, Paris não pertence mais aos franceses, além de feder mais do que nunca
      na minha última visita eu me impressionei com a quantidade de ratos e de xixi nas ruas, e já tem 7 anos que eu não vou
      a Polícia não faz porra nenhuma quando algum ladrão te rouba, existem grupos racialistas tipo BLM que falam que a destruição da França é uma forma de vingança pela colonização, vandalismo e a mais recente tragédia histórica que foi o incêndio na Notre Damme
      Muçulmanos comemorando isso e rindo de como os franceses ultimamente são fracos e moles

      tem música, tem entrevista de líder de gangue falando isso, fora a explosão de crimes e estupros pós 2010 contra mulheres e crimes hediondos contra LGBTs, ataques de faca a escolas e por aí vai

      esse tipo de comportamento como o seu de desfazer das pessoas e chama-los de retardados é o que elegeu Trump que se elegeu com ampla vantagem dentre os preconceituosamente chamados de Rednecks, Bolsonaro e afins, Trump corre risco de voltar, Bolsonaro no Norte e Nordeste tem ampla vantagem contra Lula e a Marine LePen certamente vai ganhar

      exemplo do que pregam extremistas livremente sem pudor

      https://youtu.be/Iz2UpWPX-7g

      Excluir
    2. Mon cher anônimo,

      Onde eu chamei as pessoas de retardadas? Somente por curiosidade.

      Sinceramente, eu parei no "a França é controlada pela esquerda a décadas". Discutir com fake news, não dá. Dá uma olhada no programa do Zemmour, acho que você vai se identificar bastante. :)

      Bisous,
      Fer

      P.S.- Paris realmente é suja e multicultural, principalmente na margem direita-leste. Te aconselho a tentar o 16ème arrondissement, porque não mesmo arriscar um Neuilly ou Versalhes na próxima vez. Zero migrantes, somente franceses brancos. E absolutamente nada de interessante para fazer.

      Excluir