quinta-feira, 28 de abril de 2022

A PIOR PESSOA DO MUNDO

Tdo pediatra é fofo e adora crianças. Além do mais, ele não se importa em ser acordado no meio da noite por uma mãe desesperada porque o bebê está com soluço: é a missão dele, é a vocação. Esses mitos em que a gente insiste em acreditar viram pó de traque nas páginas de "A Pediatra", o ótimo romance de Andréa Del Fuego sobre uma mulher que não presta. Cecília cursou medicina por inércia, porque os pais trabalhavam na área. Virou pediatra semdar a menor bola para qualquer criança. Isto não significa que seja uma médica ruim: sua falta de sentimentalismo faz com que ela saiba sempre qual o procedimento correto a seguir. Só não se envolve emocionalmente com seus pacientes. Mas se envolve com um homem casado, e o convence a convencer a mulher vir de Curitiba para ter o bebê em São Paulo. Também arrasta uma certa asa para o cunhado de sua empregada, que engravidou a moça e é presença constante em seu apartamento em Pinheiros. Escrito numa prosa ríspida, com frases longas cheias de vírgulas porém muito coloquiais, "A Pediatra" transmite a ansiedade de sua protagonista, que quer tudo e não quer nada ao mesmo tempo. Inescrupulosa, Cecília não hesita em roubar o homem alheio, e mesmo o filho - para seu preoprio espanto, ela se encanta pelo filhinho do amante, e o quer só para ela. Uma mulher movida a egoísmo.

3 comentários:

  1. Gostei. Que a arte destrua mais esses mitos sobre determinados tipos pessoas.
    Raro vc fazer posta sobre livros. Quero mais desses! Rs

    ResponderExcluir
  2. Amei esse livro! Ri demais!

    ResponderExcluir