domingo, 6 de março de 2022

UMA OFERTA QUE VOCÊ NÃO PODE RECUSAR

Eu tinha 12 anos quando "O Poderoso Chefão" estreou no Brasil. Era tão jovem que não havia carterinha falsificada que me fizesse entrar no cinema. Só fui ver a primeira obra-prima de Coppola mais de 20 anos depois, em VHS, e uma única vez. Mas o filme está tão incorporado ao DNA cultural contemporâneo que há sequências inteiras que eu sei de cor, como a do cavalo. Fui dar uma refrescada na memória com a versão comemorativa dos 50 anos desse monumento, restaurado em 4k e som Dolby. Meu sobrinho de 21 anos também foi, junto com a namorada. Ela achou "muito violento", saiu para ir ao banheiro e ainda dormiu alguns minutos na poltrona. Já eu e ele não tiramos os olhos da tela: há algo no "Chefão" que apela aos homens, mesmo a um gay como eu. Em termos formais, não vi nada de muito inovador. Coppola ousaria bem mais em seus longas seguintes, com decupagens inusitadas, efeitos arrebatadores e roteiros não-lineares. Mas o padrinho tem algo em comum com outro clássico de enorme duração, "E o Vento Levou": a ação nunca para. Não há barriga. Tem sempre alguma coisa acontecendo. A grande novidade talvez tenha sido o sangue espirrando aos jorros, algo raro até então. Enfim: assistir ao "O Poderoso Chefão" na tela grande é uma oferta irrecusável. Agora preciso rever a parte dois.

6 comentários:

  1. Sabiam que o Marlon Brando era bissexual e inclusive teve grandes amores por homens?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pra variar,o cinema americano,é assim:
      depois de mostrarem índios como se
      fossem bandidos-os brancos é que eram-
      depois,mostraram os descendentes de
      italianos como um bando de mafiosos
      e "gente vagabunda e arruaceira".

      Ainda bem que temos Lady Gaga,Bon
      Jovi,Madonna entre outros pra
      calarem a boca desta gentinha
      WASP que tem muito por lá.

      Excluir
  2. Já viu Gomorrah? 100% baseado em fatos reais Nada mudou no mundo da máfia o amor a família valores cristãos vendeta absoluta aos traidores e guerras de facção ainda estão aí

    ResponderExcluir
  3. O personagem mais interessante continua sendo o Michael! Patricinho treinamento militar tem asco da família e complexo de superioridade até que perceber baby é mais cruel que o pai.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Michael é o protagonista da porra toda.

      Excluir
    2. Uma coisa legal sobre a máfia, inocentes, mulheres crianças raramente se tornam vítimas mas como mundo está mais violento até isso mudou máfia napolitana torturou e assassinou uma adolescente pra saber o paradeiro do ex namorado. O mundo se desmoralizou até nisso nada mais se respeita.

      Excluir