domingo, 27 de fevereiro de 2022

ME ENGANA QUE EU GOSTO

O que mais me chocou na minissérie "Inventando Anna" foi a cegueira das vítimas da vigarista. Como que ninguém googlou o nome do pai da garota, para checar se ele era mesmo um bilionário alemão? Ninguém achava estranho os cartões de crédito dela serem sempre recusados? Gente riquíssima e experiente caiu no conto de Anna Delvey, née Sorokina, pagando contas altíssimas e emprestando fortunas para ela. Não acho que a moça seja nenhuma heroína à la Robin Hood, porque a única beneficiada era sempre ela mesma, e o sofrimento causado a algumas de suas amigas foi real. Mas é verdade que a pena que ela recebeu por seus crimes, de quatro a 12 anos na cadeia (acabou saindo depois de três e meio), é menor do que a de banqueiros que cometeram fraudes muitíssimo maiores. Julia Garner, para variar, está soberba no papel-título. Essa menina é a nova Meryl Streep, e eu prevejo muitos Oscars em seu caminho (Emmys, ela já tem dois). Quem não está lá muito bem é Anna Chlumsky, que tem um repertório emocional muito menor. Mas não a ponto de tirar de "Inventando Anna" o título de uma das melhores minisséries do ano. Tem glamour, tem humor, tem locações no Marrocos, e ainda levanta uma das discussões mais necessárias de hoje: o poder das redes sociais em moldar a realidade e alterar comportamentos. Pois é, Shonda Rhimes acertou de novo.

5 comentários:

  1. Toninho,por falar em Shonda,lembra da série
    For The People?Tinha a Susannah Flood,que
    foi a Julia Garner-e é minha musa.

    ResponderExcluir
  2. Enquanto estiver nascendo otário, malandro não morre de fome. A ganância, a cobiça, seja ela por fama, dinheiro ou poder, que no fundo são a mesma coisa. O caso Madoff, essas pirâmides financeiras, as criptomoedas, os parças, os amigos-parasita. Pobre, rico, apesar dos avisos e evidências em contrário, todos querem tirar uma casquinha.

    ResponderExcluir
  3. Eu acho que isso está muito ligado a raça; se passar por um grupo social que não é o seu, e todos acreditarem.

    Qualquer etnia não branca tem mais dificuldade de sustentar tal fingimento aos olhos dos outros.

    ResponderExcluir
  4. Isso não me surpreende: vejo no Youtube centenas de pessoas prometendo ganhos de mais de 10.000 (às vezes 100.000) se você trabalhar apenas no celular 3 horas por dia. Claro, estão vendendo um curso. Basta acender a chama da ganância, e as pessoas caem. (aquele Alan Reed é exemplar). Bem, acho que vc quis dizer "pena maior que de banqueiros", né?

    ResponderExcluir
  5. Tem glamour, tem humor, tem locações no Marrocos...e tem uma trilha sonora arrasadora.

    ResponderExcluir