terça-feira, 15 de fevereiro de 2022

JABOR É PROSA

Eu só tinha 18 anos quando vi "Tudo Bem" no cinema, mas percebi na hora que estava diante de uma obra-prima. Arnaldo Jabor conseguiu resumir o Brasil inteiro num apartamento em Copacabana. Queria rever o filme agora: desconfio que ele continua atual, mais de 40 anos depois. Passaram-se três anos e Jabor mais uma vez me derrubou. Eu vivia meu primeiro pé na bunda quando assisti a "Eu te Amo", e parecia que cada diálogo havia sido escrito especificamente para o meu caso. Em 1986, Jabor meio que refez seu próprio longa, depurando-o e transformando-o em "Eu Sei que Vou te Amar". A esses três sucessos de crítica e bilheteria, antecederam duas outras obras-primas que eu não vi até hoje, "Toda Nudez Será Castigada" e "O Casamento".  Que outro cineasta brasileiro fez cinco grandes filmes em seguida, com todos eles dando lucro? Ainda assim, Jabor passou 24 anos sem lançar um novo longa. mesmo com o absurdo desmonte da Embrafilme durante o governo Collor, é incrível que ninguém tenha investido num projeto de um dos nossos maiores e mais rentáveis cineastas. Sem dinheiro para pagar as contas, Jabor se aventurou em 1991 pelo jornalismo, essa mina de ouro, e encontrou uma nova carreira depois dos 50 anos de idade. Brilhou em colunas de jornais e depois explodiu como comentarista dos telejornais da Globo. Era enfático, teatral, sempre com um raciocínio claro, mesmo que não se concordasse com ele (eu concordava sempre). Arnaldo Jabor nasceu para as câmeras, atrás e em frente a elas, e ainda escreveu best-sellers e a letra de um hit de Rita Lee, "O Amor e o Sexo". A cultura brasileira, já tão açoitada, encolhe mais um pouco sem ele.

40 comentários:

  1. Nunca gostei dos comentários de Jabor, mas sobre seus filmes, já vi alguns. Meu favorito, que já vi várias vezes, "Eu Te Amo", vi muito pelas duas beldades gostosíssimas Vera e Sonia, que aparecem peladas em várias cenas, me acabei na punheta muitas vezes (digo isso como hétero infiltrado no blog), filmaço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando assisti moleque a Eu Te Amo na Band, tb senti um tesão descomunal na Sônia Braga, trepando com o Pereio na cama. Os filmes dele tinham algo estético que é mais comum na TV do que no cinema brasileiro.

      Ele fez o que talvez seja meu filme nacional favorito, junto a Todas as Mulheres do Mundo: Eu Sei Que Vou Te Amar. Aquele jovem casal estressadinho que se curte, é uma pequena pérola. Eu queria assistir uma versão gay, desses dois longas, sinto falta de filme sobre relacionamentos.

      Excluir
    2. Que ótima ideia, uma versão gay de "Eu Sei que Vou te Amar". Sem mudar uma vírgula do texto, só colocar dois homens nos papéis.

      Excluir
  2. Tem gente que ainda defende o Collor porque ele deixou carros importados mais baratos! Esse projeto anti cultura é pra deixar o Brasil mais colonia do que nunca, vamos ver no que vai dar não se pode prever o futuro o povo está começando a entender o que foi as jornadas de junho essa armação estadunidense pra derrubar a Dilma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não teve armação de fora contra a Dilma-até
      porque,ela foi reeleita.Foram os chamados
      evanjegues que a tiraram.A dupla Mijair-
      Cunha que o digam.

      Excluir
    2. Ai cara, tá mais que provado que as jornadas de junho foram armadas!!! Vc quer discutir com a inteligência da Rússia e do império otomano??? Lembra do massacre da candelária? Alguém foi pra rua? Alguém iria por 20 centavos? Ahhh o serviço secreto brasileiro

      Excluir
  3. Durante um tempo eu só assistia o Jornal do Globo por causa da possivel6 presença dele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fiquei várias vezes feito um zumbi na frente da TV, caindo de sono, esperando o comentário do Jabor.

      Excluir
    2. Lacaio da elite e jegues da elite UNITE!

      Excluir
  4. Vi "Toda nudez..." no cinema Pacaembu. 😂😂

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que cinema foi esse? Onde ficava? Eu moro em SP desde 1966 e não me lembro desta sala.

      Excluir
  5. Tive sorte.
    Conversei com ele (num papo maravilhoso) quando trabalhava na Almap/BBDO.
    Muito inteligente e bem informado.
    Vai fazer muita falta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas também era um chato que fazia o jogo da elite e odiava o PT! Odiava o Rafael Correia (o cara que fez a limpeza na dívida pública do Ecuador e tirou a base americana de lá) ou seja um lacaio da elite de ladrao dos rentistas dos que lucram com a dívida pública e odeiam qq pessoa que tente acabar com a mamata que vai acabar querido! Quer rapineiro covarde queira ou não

      Excluir
    2. Foi os da geração do Jabor que tiveram sorte, tiveram melhor acesso à cultura livros a música, tinham mais liberdade (meaning não eram vigiados 24/7 pela tecnologia e redes de monitoramento) não existia tanta opressão intelectual como existe hoje algo gritante como pessoas são induzidas a ter a mesma opinião sobre tudo, foi retirado a capacidade de pensar. Não foi vc que teve sorte mas nós que temos azar. E infelizmente a coisa vai ficar pior.

      Excluir
    3. Não havia redes sociais, mas algo muito pior: a ditadura militar, que prendia, torturava e matava seus desafetos.

      Excluir
    4. Tony a propria Dilma afirma que de 64 a 68 o Brasil viveu uma fase cultural maravilhosa de muita liberdade foi so depois que a coisa apertou e mesmo assim veja o que foi produzido culturalmente até 1980 veja o que é produzido hoje, vc já ouviu algum musico fazendo critica social tocar no radio? A opressão ainda existe mas ela se transformou em algo mais velado mas não menos opressor e cruel. Com as redes de monitoramento vc descobre tudo sobre a pessoa e na hora que convem solta alguma noticia embarassosa sobre a pessoa ou arma uma armadilha fazendo a pessoa ser demitida, cancelada, destruindo a vida pessoa, ou mesmo impedindo a pessoa de COMEÇAR uma carreira criativa. Não temos liberdade estã tudo muito pior. A censura não acabou.

      Excluir
    5. Adoro quando alguém vem me explicar como foi um período que EU VIVI. Você já era nascido nessa época? Eu era, e vi muita coisa com meus próprios olhos.

      Liberdade total até 1968 não houve não. Haja vista o ataque do CCC ao elenco da peça "Roda Viva", que aconteceu antes da promulgação do AI-5. Já havia censura e já havia repressão, mas sem dúvida que a coisa piorou muito depois.

      Agora, é fato que a cultura brasileira da época da ditadura era vigorosa e fértil. Inúmeras obras-primas foram produzidas na música, no cinema, no teatro, mesmo com a censura nos calcanhares. Hoje, quando vivemos numa democracia mas temos um governo proto-autoritário, as paradas de sucesso são dominadas pelo sertanejo alienado e pelo funk obsceno.

      Excluir
    6. Acho que o fenômeno de regressão e pobreza cultural é mundial, Tony. Em qualquer parte do mundo a cultura era mais interessante, do meu ponto de vista, naquela época. Digamos, a cultura geral, porque hoje há muitos nichos em que você pode encontrar de tudo, de ruim e de bom, tem que saber procurar. E a variedade com certeza é muito maior atualmente. O que de fato piorou bastante foi a cultura pop.

      Excluir
    7. 12:32-Havia muita porcaria naquela época
      que hoje é considerado "cult".E o que
      hoje é considerado lixo,daqui há 20 anos
      vai ser idolatrado e venerado.Não estou
      falando de sertanejo e funk,claro.
      O resto é saudosismo bobo.

      Excluir
    8. Com certeza NÃO! A cultura de hoje é alienante por um motivo, lembra do Adorno? Então! A censura ainda existe de forma diferenciada ficou evidente depois do golpe combo boicote ao filme do Kleber e o Marighela arrumam maneiras criativas pra oprimir ao invés da porrada mas fazem com mais frequência já começa na educação que foi SUCATEADA!

      Excluir
  6. Como cineasta tinha seus méritos, agora como comentarista tinha cada tropeço que misericórdia. Considero esse aqui como uma das suas maiores asneiras.
    https://www.youtube.com/watch?v=9WZ9Ks-OlLE

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essas daqui são muito piores:

      https://www.youtube.com/watch?v=4ITE3jC0x5I

      Excluir
    2. As jornadas de junho foram organizaras por quem fez o golpe, Putin avisou Erdogan avisou. É o truque mais antigo do mundo! Simplesmente. Infiltrados entre nós receberam DINHEIRO pra ajudar a agitar as manifs por 20 centavos. Gostaria de saber exatamente quem essas pessoas são (não é difícil descobrir os tintos deixaram rastros) pra jogá-las num poço de petróleo do pré-sal ou cobri-las de lama de Brumadinho e vê-las morrer assim!

      Excluir
    3. Putin e Erdogan, esses grandes líderes democratas que não tentam nem um pouco retorcer as instituições para se eternizarem no poder. Que exemplo maravilhoso você nos trouxe.

      Excluir
    4. Tony, não fui eu que comentei por último. Só postei o vídeo às 04:46.
      Um ótimo cineasta, porém com um ranço inexplicável para quem viveu no mio cultural.

      Excluir
  7. O Mio Babbino Caro
    Adorável como cineasta um desastre como jornalista.

    ResponderExcluir
  8. A despeito de ter uma carreira respeitável como cineasta, Arnaldo Jabor viveu seu auge e se tornou conhecido como cronista de grandes jornais e, sobretudo, como comentarista do Jornal Nacional, da Rede Globo, durante os governos dos ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff.

    No período, o cineasta/cronista não poupou críticas aos petistas, muitas vezes de maneira grosseira e desmedida.

    Jabor embarcou em cheio na onda lavajatista da época e passou a confundir críticas sistemáticas aos governos petistas com xingamentos e frases em que chamava Dilma de “poste” e se referia à sua gestão como “desgraçada”.

    Chegou a publicar impropérios como: “é uma pena que o PT, esse partido fascista, tenha tomado o poder em 2003”, em artigo que afirma que “Lula foi o nosso Trump".

    Com isso, o cineasta passou a ganhar cada vez mais respeito e espaço na grande imprensa, praticamente toda empenhada em derrubar o governo da presidenta Dilma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele teve valor como cineasta, mas como comentarista acredito que ele seja um dos criadores do monstro chamado polarização. Virulento, desrespeitoso e até de má-fé.

      Excluir
  9. Nossa acabei de ver um doc sobre a ascenção do nazismo, até a camisa preta do Sérgio Moro é um apito de cachorro para a SS do Hitler, que prendia, batia, destruia os opositores politicos a lava jato é 100% nazista!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, não é. A Lava Jato tem um milhão de defeitos, mas ela nunca pregou a extinção em massa de judeus, homossexuais, deficientes físicos e quem quer que não se encaixasse no imaginário ideal de pureza racial ariana.

      Cuidado para não banalizar o nazismo. Nazismo não é qualquer coisa de que a gente não gosta.

      Excluir
    2. A Lava Jato pregou a extinção em massa de petistas...

      Excluir
    3. 12:34-Petista se acha a ultima bolacha do
      pacote,e acha que Jango e Brizola não
      existiram antes deles.AH,GOLBERY....

      Excluir
    4. Anônimo 16 de fevereiro de 2022 13:06 - Pensamento confuso o seu. E todos reconhecem João Goulart e Brizola.
      E sim, a lava jato só foi para um lado e poupava os apoios que não podiam ser melindrados.

      Excluir
  10. Gente, esses comentaristas do blog do Tony foram alfabetizados onde? Erros de português rudes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rudes? Risos! Talvez crasso seria mais condizente! Olha o nazista aí gente querendo desmerecer quem ataca o projeto de poder facista! Foi alfabetizado na escola conge Sérgio Moro em massachuts com certeza

      Excluir
    2. Falando sério? A caixa de comentários deste blog é uma das mais cultas que já vi. Tente ler qualquer coisa no UOL, g1 ou no próprio Facebook...

      Excluir
    3. 10:16 e 12:36-kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      O fascista foi visitar o Putin,que um dia
      foi da KGB comunista.kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
  11. Sob os perigos da vigilância em massa: Goering estabeleceu um sistema de monitoramento que empregava milhares de pessoas ele se divertia com o que era falado sobre ele mas também era um político vingativo um congressista que falou mal dele apareceu morto. Eu possivelmente posso provar que fui TORTURADA por dizer coisas que irritam os poderosos que nos monitoram. TOR-TU-RA-DA!!!! Estilo Hitler facismo não acabou vivemos nele e não percebemos, desde quando matar milhares de negros por ano com a desculpa esfarrapada da guerra às drogas não é política de extermínio nazista?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa Guerra às Drogas inventada pelo Nixon é um genocídio moderno.

      Excluir
  12. Nunca concordei com as opiniões politicas dele, mas sempre o admirei como cineasta.

    ResponderExcluir