domingo, 2 de janeiro de 2022

ACHADAS E PERDIDAS

Mulherada tá se identificando geral com a protagonista de "A Filha Perdida". Leda, uma professora de meia-idade vivida por Olivia Colman, é uma mulher complexa, que carrega uma culpa imensa em relação a suas filhas, mas que também é capaz de atitudes antipáticas e até maldosas. Este senhor cisgênero aqui não conseguiu simpatizar com a personagem. O que ela fez no passado é quase imperdoável. Um homem que fizesse o mesmo seria execrado para sempre. Como se trata de uma mulher, ela estava "à procura de si mesma", "buscando seu lugar no mundo", "realizando seu potencial", etc. etc. Eu não li o romance de Elena Ferrante que serve de base ao filme, e quem leu diz que nele há muita coisa infilmável. Também há quem elogie o roteiro de Maggie Gylenhaal, que além do mais estreia na direção com esse drama psicológico. Em resumo: "A Filha Perdida", assim como a vida do crente, não é fácil. Mas vale a pena pelas atrizes. Olivia, a quem jamais perdoarei por ter roubado o Oscar da Glenn Close, está ótima, assim como Jessie Buckley, que faz a Leda mais jovem, e Dakota Johnson, surpreendente como uma mãe meio vulgar que funciona como o gatilho da história. Que se passa numa praia da Grécia, o que de certa forma ornou com a semaninha de férias que estou tirando em São Sebastião.

16 comentários:

  1. O Mio Babbino Caro
    Quem está de férias em S. Sebastião não quer Guerra com ninguém,não é rs

    ResponderExcluir
  2. O livro é excelente, leia. Mas se passa na Itália mesmo, e tem muito a ver com a questão dos italianos do Sul, sua maneira expansiva, suas ligações com a máfia, coisas que a protagonista, que havia saído de lá há muitos anos, já não entende e não vê como suas. Uma coisa amiá bem recorrente na Elena Ferrante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Italiano é mafioso,negro é escravo,gay só
      quer queimar a rosca e grita igual sirene
      dos bombeiros-estereótipo é uma merda,mesmo.

      Excluir
    2. O livro é escrito por uma italiana. Leia e resolva você se a história é estereotipada, ao invés de vir escrever abobrinha.

      Excluir
    3. Na Itália,só ficam falando de máfia,igual na
      Alemanha até há pouco tempo só faziam filmes
      sobre nazismo/comunismo.O Tony escreveu faz
      pouco tempo aqui sobre isso.kkkkkkkkkk

      Excluir
    4. Eu acho a máfia brasileira muito mais perigosa que a italiana um cidadão comum em Napoli não tem nada a temer aqui querido todos somos alvo em potencial

      Excluir
    5. Você é que pensa,23:40-lá como cá,só
      elegem populistas,principalmente....
      de direita!!!

      Excluir
    6. veja quantos politicos temos abertamente envolvidos com o trafico, Perella, Aécio, Imbassahy, 50k no avião da FAB fala sério, a mafia brasileira é poderosissima. NOJO! Usam o cargo o publico pra traficar enquanto o povo se ferra.

      Excluir
  3. Kkk Tony rindo muito com sua crítica de verdades secretas só li agora, eu discordo a direção de arte é uma bosta. Quem é o povo que tá com vc em São Sebastião?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marido, irmãos, sobrinhos, namoradas de sobrinhos.

      Excluir
    2. A casa é de vcs? E a filha do seu marido que mora em Lisboa ainda está lá?

      Excluir
    3. A casa é alugada. Minha enteada segue em Lisboa.

      Excluir
    4. me pergunto o que fez ela desistir do Brasil, risos.

      Excluir
  4. Não acho que homens são execrados por fazer o que a protagonista fez no passado. É o que mais tem, ainda mais se forem ricos. Trocam sempre pro mulheres mais jovens e em forma
    Mulheres, sim, são execradas por abandonarem os filhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não aguento mais o patriarcado, veja a Britney Spears que perdeu os filhos após uma campanha misogina na midia para o Kevin Federline risos e teve sua vida e money sequestrados pelo pai alcoolatra.

      Excluir
    2. Também não vejo homens sendo execrados por isso. Que mais tem é homem abandonando família e indo curtir a vida. 🤔

      Excluir