quarta-feira, 1 de dezembro de 2021

NÃO À RAINHA, SIM A RIHANNA

Eu quase conheci Barbados alguns anos atrás. Minha irmã mais velha trabalhava na embaixada do Brasil em Santa Lucia, e a maneira mais rápida de chegar naquela ilha caribenha era fazendo conexão na vizinha Barbados, para onde a Gol tinha um voo direto. A viagem acabou gorando, e eu perdi a chance de passar pela mais nova república do mundo. Barbados trocou ontem de chefe de estado - ou melhor de chefa. Saiu a rainha Elizabeth II, entrou a primeira-ministra Mia Mottley, que já está no cargo desde 2018. Mas o que mais chamou a atenção da mídia nem foi a presença do príncipe Charles na cerimônia de proclamação da república, mas a da cantora Rihanna, a mais célebre barbadense de todos os tempos. R-Ri não lança um álbum de inéditas há quase seis anos, mas isto não a impediu de ser agraciada com o título de heroína nacional. Heróis costumam ser guerreiros que lutaram pela independência ou mártires que morreram pela pátria. Geralmente tem sangue envolvido. Por isto, feliz é o país cuja heroína é uma diva pop.

13 comentários:

  1. Pois é... Tomara que a ricaça diva pop devolva distinta honraria com consciência social e investimento financeiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pq vc achou que ela estava lá, piela já fez!

      Excluir
  2. A cerimônia contou com uma sensata dose de mea culpa do príncipe Carlos pelo passado colonial. Uma transição pacífica, digna de como deveriam ser todas no século 21.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa mais uma que a Inglaterra perde não vai sobrar toda, mas depois que perderam a Índia né? Estou vendo aqui quando Gibraltar vai vazar

      Excluir
    2. Perder uma ilha do Caribe?????A China vai
      tomar conta desse lugar-sim,aquele grande
      país super-hiper-democrático.

      Excluir
  3. O Mio Babbino Caro

    "Qualquer 'amor' já é um pouquinho de saúde, um descanso na loucura."
    (GR)

    ResponderExcluir
  4. Quem quiser ler um ótimo livro sobre Barbados, uma recomendação: Dispossessed Lives: Enslaved Women, Violence, and the Archive, de Marisa Fuentes.

    ResponderExcluir
  5. Estive em Barbados anos atrás, a ilha é linda, mas careta, inclusive eles ainda tinham leis homofóbicas, que apesar de geralmente não aplicadas, ainda eram vigentes. Não sei se mudaram alguma coisa com a proclamação da republica, pois essas leis eram dos tempos coloniais...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, a lei que pune atos homossexuais prisão perpétua continua em vigor...

      Excluir
    2. Tal como quase todas as ex colônias britânicas, Barbados sofre com isso...

      Excluir
    3. A Europa levou seus preconceitos a todas sua colônias e agora pousam de avançados enquanto suas ex colônias são taxadas de tacanhas, ignorantes, repressivas e opressivas por aplicarem as leis que eles próprios criaram, Essa é a cara do Ocidente.
      G-

      Excluir
    4. Só que a Europa já revogou faz tempo essas leis retrógradas, o que impede suas ex colônias de fazerem o mesmo?

      Excluir
  6. Pq os avanços sociais e os índices de desenvolvimento humano em colônias de exploração não são os mesmos de suas ex-metrópoles sem consciência e investimento.

    ResponderExcluir