terça-feira, 28 de dezembro de 2021

MEUS FILMES DE 2021

O ano foi horrível em inúmeros sentidos, mas não no cinema. Fui fazer a lista dos meus filmes favoritos e cheguei a acintosos 25 títulos. Penei um pouco para chegar aos 10 que aparecem neste post, e ainda não estou 100% seguro de que fiz as escolhas certas. O streaming realmente abriu o leque de opções, dando acesso a longas que, de outra maneira, não chegariam até o Brasil. Vi muita coisa boa no recesso do meu lar, mas voltei a frequentar as salas no final do ano - especialmente as do Cine Marquise, a nova encarnação do Cinearte, meu cinema favorito de São Paulo. Sem mais delongas, passemos aos agraciados:

Jovenzinhos como vocês não fazem a menor ideia do que é ser fã de uma banda obscura por quase 50 anos e, de repente, vê-la realizar o sonho de escrever o roteiro e compor as canções de um musical badalado: "Annette", a mais recente doideira de Léos Carax. A trama é bem mais amarga do que eu esperava, pois o Sparks sempre fez letras irônicas e bem-humoradas. Vi na Mostra e vou rever no MUBI; o filme segue em cartaz.

"Bela Vingança" traz minha performance feminina preferida do ano. Carey Mulligan deveria ter levado o Oscar pelo papel da mulher que se finge de bêbada para que os homens se sintam tentados a abusar dela, só para depois serem expostos por ela. Mas o final incomodou muita gente, porque não segue o cânone hollywoodiano. Mesmo assim, o roteiro foi oscarizado, e confirmou a diretora Emerald Fennel como um novo grande talento.

Dá para fazer um filme sobre o consumo de álcool sem cair no moralismo? O dinamarquês "Druk - Mais uma Rodada" cumpre esse desafio com louvor, ao contar a história de quatro professores que decidem melhorar seus desempenhos tomando uns drinks antes das aulas. Spoiler: só um deles se der realmente mal. Os demais são exemplos dos diferentes graus do relacionamento milenar da humanidade com a birita. Eu bebo sim...

A manipulação da mídia existe desde que os jornais ganharam força, em meados do século 19. É naquela época que se passa "Ilusões Perdidas", mas o tema não poderia ser mais atual: as fake news. O filme é cinemão em estado puro, sem maneirismos nem experimentações. Uma suntuosa adaptação de um romance de Balzac, com astros franceses do primeiro time. Vi no Festival Varilux; entra em cartaz em 2022.

Paolo Sorrentino é um luxo. O mais óbvio herdeiro de Federico Fellini faz filmes lindos sobre a passagem do tempo. Depois de me hipnotizar com "A Grande Beleza" e "Juventude", que falam da meia-idade e da velhice, Sorrentino se volta para sua própria adolescência em "A Mão de Deus", candidato da Itália ao próximo Oscar e disponível na Netflix. Nápoles, purgatório da beleza e do caos, se abre em promessas, nem todas cumpridas.

Quem tem algum parente idoso que requer cuidados vai se identificar com "Meu Pai", o primeiro filme dirigido pelo dramaturgo francês Florian Zeller, adaptando uma de suas peças. A história é simplérrima - um homem perde paulatinamente a memória, por causa da demência ou do Alzheimer - mas o roteiro premiado nos leva para dentro da sua cabeça,  traduzindo o medo e a confusão que ele sente.

Claro que eu não ia deixar a melhor comédia do ano de fora da lista. "Não Olhe para Cima" é o filme do momento: todo mundo viu, todo mundo tem uma opinião a respeito. Até o Roger Moreira gostou, talvez por não ter entendido porra nenhuma. Mas também conheço muita gente boa, que de negacionista não tem nada, que não embarcou no humor ácido do roteiro. Tudo bem, gosto não se discute, mas elas merecem morrer. 

Eu me recuso a usar "Ataque dos Cães", o título imbecil que a Netflix inventou para a nova obra-prima de Jane Campion. Como essa lista aqui é em ordem alfabética, chegou o momento de falar de "The Power of the Dog", o faroeste elíptico sobre sexualidade reprimida e vingança. O páreo está duríssimo e eu nem vi ainda todos os potenciais indicados, mas já escreveria o nome de Benedict Cumberbatch no Oscar de ator. Pra ganhar tempo.

Talvez a experiência conematográfica mais excruciante do ano, "Quo Vadis, Aida?" consegue ser, ao mesmo tempo, um filme maravilhoso e difícil de ser visto. Durante a guerra que esfacelou a antiga Iugoslávia, uma intérprete bósnia da ONU tenta retirar seu marido e seus filhos de um ginásio convertido em prisão. Porque ela sabe, e nós também, o que os sérvios querem fazer com eles. Um pequeno tratado da infinita maldade humana.

"Titane" disputa com "Annette" o troféu de doideira do ano. O vencedor do festival de Cannes fala de uma mulher violentíssima, que resolve tudo na porrada. Ela também transa com um carro, e ainda tem questões não resolvidas com papai e mamãe. O filme de Julia Ducournau permite múltiplas interpretações, e não é para qualquer um - tanto que ficou de fora da shortlist do Oscar. Mas que quero ver de novo, e logo.

E quais são os outros 15 filmes formidáveis que entraram na minha primeira seleção? Lá vai, ainda em ordem alfabética:

Adeus, Idiotas

Being the Ricardos

Brighton 4th

Caros Camaradas!

Crianças do Sol

Dune

Está Tudo Bem

Identidade

Marighella

Nomadland

Pinocchio

tick, tick... BOOM!

O Tigre Branco

Um Herói

Você Morrerá aos 20 Anos


Todos ganharam posts aqui no blog. Se você se interessou por algum, dá um search, que eu tenho mais o que fazer.

19 comentários:

  1. Roger Moreira é, simplesmente, o mais imbecil dos atores políticos criados pela internet.
    Sempre quis chamar a atenção. Depois de ligeiro sucesso nos anos 80, ficou no limbo e começou a procurar coisas que o colocavam minimamente na mídia. Inventou essa estória de QI alto, que só prova a real ineficácia do ultrapassado teste. Depois, posou pra G Magazine, só pra aparecer numa capa de revista. Mais tarde, esquecido, começou a atacar o PT e, com o advento do Twitter, se viu abraçado pelos "conservadores". Ultimamente é apenas empregado do Gentili, aquele da vozinha. Destruiu o legado de sua banda relegando-a a grupelho de apoio de programa de segunda. Hoje é um velho triste, falso moralista que vomita suas bobagens ignorantes diariamente no Twitter. É realmente um imbecil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca li descrição mais perfeita do repulsivo Roger Moreira.

      Excluir
  2. Vi "A Mão de Deus". Muito bom! Fazia tempo que eu não via um filme bom desse!

    ResponderExcluir
  3. Ótima lista Tony! Adorei Tick tock...boom!, o Andrew Garfield merecia uma indicação ao Oscar de melhor ator que, segundo os especialistas, está entre o Benedict e Will Smith de "King Richard" (o favorito sentimental), mas estou com o Tony nessa.

    ResponderExcluir
  4. Consegui assistir 10 minutos de don’t look up a primeira coisa que me incomodou foi o product placement da BASF patrocinadora do filme parece que a direção de arte foi feita pra combinar com os seus walkmans dos anos 80, nem preciso ver o resto do filme. Superestimado! E quando todo mundo viu faço questão de não ver ou ter tipo Facebook Orkut e game of thrones, não sigo a manada me considero de outra estirpe modéstia à parte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não era BASF, era BASH - a empresa imaginaria que é a maior vilã do filme. Você não captou a piada e perdeu a melhor comédia do ano por causa disso.

      Excluir
    2. Não preciso ver um filme assim aquecimento global é coisa séria e não merece nem ironia e não é culpa do Musk ou do idiota do Facebook o buraco é mais em baixo. E a direção de arte me incomodou, não gostei o Dicaprio muito feio eu gosto de beleza nos filmes e também leio e concordo com o Agambem que não questiona a ciência mas aponta que ela está sendo usada como forma de autoritarismo facista, o seu texto no início da pandemia resumiu tudo pra mim. Estava pensando no rota vírus que contaminou a cidade de SP através da água eu quase fui operada por causa dele e nunca descobrimos nem a causa...já o vírus chinês foi mapeado em meses

      Excluir
    3. Basf, a que fazia VHS... Porque ela realmente preciso de um merchã pra consumidor pessoa física 😂

      Excluir
    4. 21:19-NINGUÉM PEDIU A TUA OPINIÃO,PONDÉ.

      Excluir
    5. sei la gente basf ou bash fodase nao fui com a cara do filme, não me obriguem a ver não verei caguei pro hype. Da mesma maneira que nunca terei facebook nem tive orkut nao verei esse filme.

      Excluir
    6. nossa nem sei eu venho reparado muito no product placement em filmes, percebi que ainda existe de cigarro um dos poucos mercados que eles conseguem divulgar.

      Excluir
    7. A ciência não pode ser a nova religião esse é o recado do Agambem, estar vivo não é o suficiente temos que viver! A biologia está sendo usada pra criar um estado de exceção e controlar as pessoas triste

      Excluir
    8. A fulana acha que é a sofisticação em pessoa em termos de apreciação de filmes, mas escreve como uma semianalfabeta e chama Covid de vírus chinês.

      Excluir
    9. *PRECISA
      MALDITO ERRO DE PORTUGUÊS

      Excluir
  5. ando muito ignorante e preguiçoso, nao vi nada, sem coragem de ver filmes cabeça...nao me reconheço mais!

    ResponderExcluir
  6. Que engraçado Tony que alegria com filminho ironico né mas quando eu GRITEI a lava jato é uma farsa vai ter um golpe querem roubar o petroleo jornadas de junho farsa alguém me ouviu? Veja agora o povo comendo osso

    ResponderExcluir
  7. Os cientistas tambem erram, foi de cientistas a otima ideia que 'precisamos vigiar todo mundo'

    ResponderExcluir
  8. Só filme chato de drama para metidos a intelectuais. Sem filme de ação, luta. Tinha que ser viado.

    ResponderExcluir