domingo, 12 de dezembro de 2021

MEU NOME É BARBARA E EU SOU SUPER LEGAL

Mesmo se eu tivesse ido muitas vezes ao teatro em 2021, tenho certeza de que "Barbara" seria a melhor peça do ano. Mesmo se eu não conhecesse pessoalmente a Marisa Orth e a Barbara Gancia. Trata-se daquela rara tempestade perfeita onde tudo funciona: o texto de Michelle Ferreira, a direção de Bruno Guida, o cenário de Ana Turra, a iluminação, a trilha sonora. Marisa é minha atriz favorita em língua portuguesa há mais de 30 anos, mas não para de me supreender. Aqui ela evoca a expressão corporal, o jeito de falar e o humor rascante de Barbara, sem jamais cair na mera imitação. A peça é baseada no livro "A Saideira", em que a jornalista conta sua luta para controlar o alcoolismo (porque não tem cura). É uma tragicomédia, com momentos terríveis e outros de rachar o bico, mas com final feliz. Marisa passa por tantos registros em uma hora e pouco de espetáculo que eu não sei como ela sai inteira do teatro depois desse tour de force. Já a plateia sai iluminada em mais de um sentido. "Barbara" deixa claro que o alcoolismo é uma doença, não uma questão de força de vontade, tudo isso sem didatismo nem julgamento moral. Ao contrário: apesar das muitas dores, todo mundo se diverte. Quem ainda não viu tem mais uma única chance: "Barbara" faz sua última sessão neste domingo, às 18 horas, no Teatro FAAP aqui em São Paulo. Corre que ainda dá tempo.

12 comentários:

  1. Muito bom vc falar sobre Marisa desse jeito, tem gente que acha que ela é apenas Magda, do mesmo modo que já vi por aqui alguns tentando reduzir a carreira de Miguel ao Caco Antibes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois eu acho que os dois carregam Magda e o Caco Antibes em tudo o que fazem.

      Excluir
    2. 12:52-quanta groselha,hein?
      Estamos encaretando tanto que tiram até as
      pernocas sexy da Marisa na foto acima!

      Excluir
  2. Eu amo de paixão a Barbara Gancia, vou correndo hoje!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prefiro ver West Side Story-é im-per-dí-vel.

      Excluir
  3. Grande artista que não se converteu à esquerdopatia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já você, só por este comentário, dá para ver que é um bovino. Muuuu.

      Excluir
    2. Toninho,as vezes a Barbara parece uma mistura
      de Kajuru com Adriles-fica xingando quem pensa
      diferente dela.....mas é uma pena que nesta
      foto acima não mostram as pernocas da Marisa.
      OMG!!!!!!!!!

      Excluir
  4. Emicida gostou da peça?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Emicida, aquela moça do manual antirracista, o elenco da CNN Brasil...

      Excluir
    2. Só gado minion acha que rap é financiado pelo
      tráfico de drogas.Coisa de Rodrigo Bostantino.

      Excluir
  5. Com certeza verei, eu apoio a teoria do Gabor Maté sobre vícios recomendo que vc conheça o trabalho dele que basicamente não se trata ‘o vício’ porque o vício na verdade não existe mas sim um trauma que precisa ser resolvido e está gerando um comportamento escapista. Então pra mim alcoolismo? Bullshit! Vi tanta gente emagrecer 30 kilos largar drogas e o álcool nesse COVID

    ResponderExcluir