quinta-feira, 2 de dezembro de 2021

BERGMAN GOES WEST

Imagine um faroeste dirigido por Ingmar Bergman. Paisagens opressoras, longos silêncios, personagens encucados. Só faltou ser em preto-e-branco e ter Liv Ullmann no papel principal para "Ataque dos Cães" ser este filme. Mas eu estou sendo injusto: Jane Campion tem vocabulário próprio, que bebe na fontes dos westerns clássicos para criar algo novo. Só não vá esperando tiroteios e perseguições. Nem mesmo o tal do ataque do título em português acontece: a violência é quase toda psicológica. Melhor seria uma tradução literal do nome original, "The Power of the Dog", tirada de uma passagem bíblica, que só se justifica na última cena. Até lá, o espectador pode se perguntar: mas sobre o quê mesmo é esta bagaço? O ritmo lento e a música esquisita geram uma atmosfera de deslocamento, de que algo não está em seu lugar. E não está mesmo. Mas não são os atores, todos magníficos. O destaque, óbvio, é o inglês Benedict Cumberbatch, conhecido por papéis de homens refinados, mas aqui totalmente crível como um brutamontes americano. Está cotadíssimo ao Oscar, assim como seus colegas Kirsten Dunst, Jesse Plemons e o varapau Kodi Smit-McPhee, o verdadeiro protagonista. "Ataque dos Cães" é para ser degustado com calma, pois não tem o barulho e a agitação que se espera de um lançamento da Netflix. Tenho certeza de que vou gostar mais quando eu assistir pela segunda vez.

24 comentários:

  1. Boa tarde, Tony, pergunto a você, que é do meio, como é feita a escolha e criação dos títulos em português? Historicamente estragam títulos de filmes que seriam bem melhor mantidos os originais e até entregam o suspense e o final do filme com em "Alien - O Oitavo Passageiro" e "Foi Apenas um Sonho", por exemplo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Digo, que conhece o meio, não que é do meio da tradução, literalmente.

      Excluir
    2. Tony qual critério para numa critica, focar atuação, direção, roteiro, fotografia ou qualquer outro aspecto de uma película.
      G-

      Excluir
    3. O titulo desse filme ai no brasil deveria ser: "Não mexa com elas" !!!!!!

      Excluir
    4. Ao anônimo das 15h15: o critério de tradução dos títulos de filmes estrangeiros é torná-los os mais comerciais possíveis. É o distribuidor quem faz isto, e ele costuma subestimar a inteligência do público. Se o original é uma palavra curta, é comum acrescentar algo, tipo "O Oitavo Passageiro". Filmes franceses que se passam em Paris tem grande chance de virarem no Brasil "Um Amor em Paris", "As Escadas de Paris" e por aí vai. Paris vende!E

      Excluir
    5. G-: não há critério fixo. Cada crítico fala o que quer. Em geral o diretor e o elenco principal são mencionados, mas não é lei. Cada um segue sua cabeça.

      Excluir
  2. Geralmente gosto dos filmes da Jane Campion, têm um visual e uma trilha bem legais.

    ResponderExcluir
  3. Ih, mas um filme broxa...

    ResponderExcluir
  4. Filme incrível, na minha modesta opinião, até agora, o filme do ano, e olha que já vi muita coisa das possíveis indicações ao Oscar . 10

    ResponderExcluir
  5. E tem um nudes no filme.

    ResponderExcluir
  6. Mais um filme de mulheres falando sobre masculinidade. Primeiro foi aquele Titane e agora esse. Engraçado, homens não podem falar nada do universo feminino que são acusados de "mansplaining" mas as mulheres tem o direito de dizer há nós homens como nos sentimos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Veja o filme antes de reclamar, minion.

      Excluir
    2. 20:08-Prefiro ver Kirsten Dunst em Um Louco
      Apaixonado-uma comédia muito inteligente do
      que nesse faroeste aí.

      Se o Tony tirar o meu texto dos 03:52,eu
      agradeço.Eu corrigi um erro no texto anterior.

      Excluir
  7. Tony não entendi direito o filme, o menino é claramente do meio, mas o outro já não sei e o que morreu tb era ( eles tinham um caso né)

    ResponderExcluir
  8. 14.27 ninguém entendeu, todo mundo tira suas conclusões. Nem o Tony que é roterista entendeu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que gente burra, o filme é bem cristalino. Não tem nada difícil de entender. Até a menção ao Antraz no final achei desnecessária, estava bem claro.

      Excluir
    2. anonimo inteligentao, essa parte do antraz entendemos, mas a impressao que rolava um romance entre os dois.

      Excluir
  9. O QUE VC ENTENDEU TONY( INTERROGACAO) O CAWBOY ERA GAY ENRUSTIDO( INTERROGACAO)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O cowboy era gay enrustido e o garoto o matou com antrax.

      Excluir